No to Events

By Robert Herber, allpeopleschurch.org (Robert served as the college pastor and then US church planting director for Antioch Community Church in Waco, Texas. After almost ten years pastoring in Waco, he and a small team of friends moved to San Diego to plant All Peoples Church, not knowing anyone. By God’s grace, the small group of students that began meeting in his house has grown into a large multi-ethnic church. With All Peoples Church becoming a church-planting movement, he is excited to see God moving in the nations.)

“But this is one of the most powerful things we do”, is what I thought when I was feeling that God might be telling us to not do a spring break church wide mission trip to Tijuana, Mexico.

For years we had kept the schedule of this Missions Conference, where half the church goes on a 3-day mission trip in March. Then a week or two later in April, we celebrate Easter. (Grueling turn around, I know…but so exhilarating). Countless lives had been transformed on and through the trip, but there was also a hidden cost that I was seeing manifest itself more and more. Our staff and all of our leaders would be exhausted every spring.

As a pastor there is nothing I love to see more than someone experiencing God in a dramatic way. That is why I love big events. Whether it is an evangelistic festival, where scores of people get saved, or a missions conference where numerous people surrender their lives to the mission field, I love the dramatic — the moment of decision. I love the tears; I love the sight of hands raised; I love seeing crowds kneeling at the altar. But too many times I have been disappointed several months later when those decisions didn’t stick, attendance didn’t grow, or people appeared to go back to life as usual.

That is where the power of “no” comes in. I have been leading cell groups for over 20 years. The thing that has taken me a long time to realize, is although my church will follow me into huge risks, new initiatives, and incredible big events, that my people only have so much energy and so much time. The deadline of an event will usually take precedent over the routine, and sometimes even mundane nature of cell groups. So the cell group will usually suffer.

So this is what I saw as we moved our mission trip… my zone pastors, my section leaders and my cell leaders all had time to focus on their cells instead of recruiting, training, and preparing for another big event. The result of one age group was 30 new interns in this season. Another zone launched three new groups. Although it is not exciting, seasons of “no” can be really healthy and fruitful.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Não aos Eventos

Por Robert Herber, allpeopleschurch.org  (Robert serviu como o pastor da faculdade e, depois, como diretor de plantação de igrejas dos EUA para a Antioch Community Church em Waco, Texas. Depois de quase dez anos pastoreando em Waco, ele e uma pequena equipe de amigos se mudaram para San Diego para plantar a All Peoples Church (Igreja de Todos os Povos, em tradução livre), sem conhecer ninguém. Pela graça de Deus, o pequeno grupo de estudantes que começou a se reunir em sua casa tornou-se uma grande igreja multiétnica. Com a All Peoples Church tornando-se um movimento de plantação de igrejas, ele está animado para ver Deus se movendo nas nações).

“Mas essa é uma das coisas mais poderosas que nós fazemos”, é o que eu pensei quando senti que Deus estava nos dizendo para não fazermos uma viagem missionária durante as férias de primavera para Tijuana, México.

Durante anos mantivemos o cronograma desta Conferência de Missões, onde metade da igreja faz uma viagem missionária de três dias em março. Então, uma semana ou duas depois, em abril, celebramos a Páscoa (é uma mudança brusca, eu sei… mas muito emocionante). Inúmeras vidas foram transformadas durante e através da viagem, mas também havia um custo oculto que eu estava vendo se manifestar cada vez mais. Nossa equipe e todos os nossos líderes ficavam exaustos toda primavera.

Como pastor, não há nada que eu goste de ver mais do que alguém experimentando Deus de uma forma dramática. É por isso que eu amo grandes eventos. Seja um festival evangelístico, onde dezenas de pessoas são salvas, ou uma conferência de missões onde inúmeras pessoas entregam suas vidas ao campo missionário, eu amo o dramático – o momento da decisão. Eu amo as lágrimas; amo a visão das mãos levantadas; adoro ver multidões ajoelhadas no altar. Contudo, muitas vezes fiquei desapontado vários meses depois, quando essas decisões não foram cumpridas, a frequência não aumentou ou as pessoas pareceram voltar à vida como de costume.

É aí que entra o poder do “não”. Tenho liderado células há mais de 20 anos. O que me levou muito tempo a perceber é que embora a minha igreja me siga em enormes riscos, novas iniciativas e incríveis grandes eventos, meu povo tem energia e tempo limitados. O prazo final de um evento geralmente prevalecerá sobre a rotina e, às vezes, até a natureza mundana das células. Então as células geralmente sofrem.

Então é isso que eu vi quando mudamos nossa viagem missionária… Meus pastores de região, meus líderes de seção e meus líderes de célula tiveram tempo de se concentrar em seus grupos ao invés de recrutar, treinar e se preparar para outro grande evento. O resultado de uma faixa etária foi de 30 novos estagiários nesta temporada. Outra região lançou três novas células. Embora não seja emocionante, as estações do “não” podem ser realmente saudáveis ​​e frutíferas

Spanish blog:

No a los eventos

Por Robert Herber, allpeopleschurch.org (Robert fue en pastor en una universidad y luego director de plantación de iglesias de Antioch Community Church en Waco, Texas. Después de casi diez años de pastorear en Waco, él y un pequeño equipo de amigos se mudaron a San Diego para plantar All Peoples Church, sin conocer a nadie. Por la gracia de Dios, el pequeño grupo de estudiantes que comenzó a reunirse en su casa, se ha convertido en una gran iglesia multiétnica. Con All Peoples Church convirtiéndose en un movimiento de plantación de iglesias, está emocionado de ver a Dios moviéndose en las naciones).

“Pero esta es una de las cosas más poderosas que hacemos”, es lo que pensé cuando sentí que Dios podría estar diciéndonos que no hiciéramos un viaje de misiones a la iglesia en Tijuana, México.

Durante años, mantuvimos el calendario de esta Conferencia de Misiones, donde la mitad de la iglesia realiza un viaje misionero de 3 días, en el mes de marzo. Luego, una o dos semanas después, en abril, celebrabamos la Pascua. (Un agresivo giro, lo sé … pero muy emocionante). Incontables vidas se habían transformado a través del viaje, pero también había un costo oculto que cada vez se manifestaba más. Nuestro personal y todos nuestros líderes estaban agotados cada primavera.

Como pastor no hay nada que me guste más que alguien que experimenta a Dios de una manera dramática. Es por eso que me encantan los grandes eventos. Ya sea que se trate de un evento evangelistico, donde decenas de personas se salvan, o una conferencia de misiones en la que numerosas personas entregan sus vidas al campo misionero. Me encanta lo dramático: el momento de la decisión; Amo las lágrimas; Me encanta  ver las manos levantadas; Me encanta ver multitudes arrodilladas en el altar. Pero muchas veces, varios meses después, me decepcionó cuando esas decisiones no se cumplieron, la asistencia no creció o la gente pareció volver a la vida como de costumbre.

Ahí es donde entra el poder del “no”. He estado liderando grupos celulares durante más de 20 años. Lo que me ha tomado mucho tiempo darme cuenta es que aunque mi iglesia me siga en grandes riesgos, nuevas iniciativas y en grandes e increibles eventos, mi gente tiene un limite de energía y tiempo. La fecha límite de un evento generalmente tomará precedencia sobre la rutina y, a veces, la naturaleza mundana de los grupos celulares. Entonces el grupo celular generalmente sufrirá.

Así que esto es lo que vi mientras nos alejabamos de nuestro viaje misionero … mis pastores de zona, los líderes de mi sector y mis líderes celulares tuvieron tiempo para concentrarse en sus células en lugar de reclutar, capacitar y prepararse para otro gran evento. El resultado de un grupo fue de 30 nuevos pasantes en esta temporada. Otra zona lanzó tres nuevos grupos. Aunque no es emocionante, las temporadas de decir  “no” pueden ser realmente saludables y fructíferas.

Leave a Reply

Your email address will not be published.