No Lone Ranger

By Aaron Lemuel De La Torre, Iglesia Bautista de la Comunidad in Hidalgo, Texas , https://www.comunidadiglesia.com/

Being a pastor is a very rewarding calling, but it can also be a lonely role. The expected skills of pastors in the 21st century appear to be equivalent to that of a CEO of a fortune 500 company. Although many pastors know it is not their job to meet the expectations of every church member, it does become challenging to lead a church towards a mission on their own. In a cell-group church model, pastors have an opportunity to build up others to work alongside them as they make disciples that make disciples. Pastors should look to Jesus as the perfect example of discipling others to fulfill the mission of spreading the gospel.

When Jesus came to redeem humanity, his aim was to offer salvation to both the Jew and Gentile. The mission was unprecedented and at that time, and it might have seemed impossible to an outsider looking in. However, in the pursuit of the soul of every human from generation to generation, Jesus began by dedicating his time on earth to his twelve disciples.

The disciples were with Jesus during every aspect of life, which included but was not limited to the breaking of bread, teaching in the synagogue, performing miracles, enduring wavering support from fellow disciples, the crucifixion, and his appearance following his resurrection. The formation of each disciple was foundational to achieving the mission of spreading the gospel.

Jesus invested in each of his disciples, and his investment in each of them produced an innumerable amount of fruit. In fact, the spiritual lineage of every believer can be traced back to one of the disciples that lived in community with Jesus and was seen by Jesus as an individual that would be able to spread the good news. The development of each disciple happened in a close-knit community where even though they endured harsh circumstances, they never withstood them alone.

One of the greatest joys in ministry is having our weekly meeting with our pastoral staff that is paid and unpaid and discussing the blessings and challenges we are experiencing in ministry. We praise God for what he is doing and ask him to guide us as we face new challenges. Our senior pastor is not left with the burden of leading change on his own, on the contrary, we are intentional about supporting him as we proceed toward fulfilling the mission of our church.

As we continue to move forward with our cell-group church model it is our prayer that we continue to disciple more individuals that also catch the vision of making disciples that make disciples. Living in community through the cell-groups has created a community where the leaders are more understanding of the challenges of ministry and in turn, they are more supportive of the pastor. Our prayer is to have a ministry led by our senior pastor surrounded by the church leaders and members that can work together in the good and bad times towards fulfilling the great commission given by Jesus before he ascended to heaven.   

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Nada de “lobos solitários”

Aaron Lemuel De La Torre, Iglesia Bautista de la Comunidad em Hidalgo, Texas , https://www.comunidadiglesia.com/

O ministério Pastoral é um chamado muito recompensador, mas também pode ser algo muito solitário. As habilidades que se esperam de um pastor no século 21 podem parecer semelhantes às de um Presidente de uma das maiores 500 empresas mundiais. Certamente muitos pastores já compreenderam que não é sua tarefa cumprir com as expectativas de cada um dos membros, mesmo assim, pode ser muito desafiador liderar uma igreja em sua missão, confiando nas suas próprias habilidades. No modelo celular, os pastores têm a oportunidade de desenvolver outras pessoas para trabalharem juntos para fazerem discípulos que fazem discípulos. Os pastores devem olhar para Jesus como o perfeito exemplo de como discipular pessoas para cumprirem a missão de espalhar o evangelho.

Quando Jesus veio redimir a humanidade, seu alvo era oferecer salvação tanto aos judeus como aos gentios. Era uma missão sem precedentes até então, e possivelmente pareceria impossível a alguém de fora que pensasse em seus objetivos. Entretanto, ao buscar a cada alma de cada ser humano, de geração em geração, Jesus iniciou sua tarefa dedicando seu tempo na terra aos seus doze discípulos.

Os discípulos acompanharam Jesus em cada um dos aspectos da vida, que incluiu além de muitas outras coisas: o partir do pão, o ensino na sinagoga, os milagres, o suportar a falta de apoio de seus discípulos, a crucificação e seu aparecimento após a ressurreição. A formação de cada um dos discípulos foi fundamental para o cumprimento da sua missão de espalhar o evangelho.

Jesus investiu em cada um dos seus discípulos, e seu investimento produziu uma colheita incomensurável. Na verdade, a linhagem espiritual de cada crente hoje em dia pode ser seguida até um daqueles discípulos que viveram em comunhão com Jesus e era visto pelo Mestre como um indivíduo que conseguiria espalhar as boas novas do evangelho. O desenvolvimento de cada discípulo aconteceu em uma comunidade muito próxima, onde apesar das circunstâncias adversas, eles nunca tiveram que suportar algo sozinhos.

Uma das maiores alegrias do ministério pastoral é nosso encontro semanal com a equipe pastoral, tanto os de ministério remunerado como os voluntários, onde compartilhamos as bênçãos e desafios que estamos experimentando em nosso trabalho. Nós louvamos a Deus pelo que Ele tem feito e pedimos que Ele nos guie à medida que enfrentarmos novos desafios. Nosso Pastor Principal não sofre com o desgaste de liderar a mudança sozinho, pelo contrário, nós intencionalmente o apoiamos à medida que caminhamos para cumprirmos nossa missão como igreja.

À medida que continuamos o trabalho em nosso modelo celular, nossa oração é que continuemos a discipular mais indivíduos que possam compreender a visão de fazer discípulos que fazem discípulos. Viver em uma comunidade baseada nas células formou em nós uma comunidade onde os líderes compreendem melhor os desafios do ministério pastoral e como consequência disso, tendem a apoiar seu pastor. Nossa oração é termos um ministério liderado pelo Pastor Principal, apoiado por líderes e membros que trabalhem juntos nos momentos bons e maus, com o objetivo de cumprir a grande comissão entregue por Jesus logo antes de sua ascensão.

Spanish blog:

No al Llanero Solitario 

Por Aaron Lemuel De La Torre, Iglesia Bautista de la Comunidad en Hidalgo, Texas, https://www.comunidadiglesia.com/ 

Ser pastor es un llamamiento muy gratificante, pero también puede ser un papel solitario. Las habilidades esperadas de los pastores en el siglo XXI parecen ser equivalentes a las de un director ejecutivo de una empresa de la lista Fortune 500. Aunque muchos pastores saben que no es su trabajo cumplir con las expectativas de cada miembro de la iglesia, se convierte en un desafío llevar a una iglesia hacia una misión por sí mismos. En un modelo de iglesia celular, los pastores tienen la oportunidad de formar a otros para trabajar junto a ellos mientras hacen discípulos que hacen más discípulos. Los pastores deben mirar a Jesús como el ejemplo perfecto de discipular a otros para cumplir la misión de difundir el evangelio. 

Cuando Jesús vino a redimir a la humanidad, su objetivo era ofrecer salvación tanto al judío como al gentil. La misión no tenía precedentes y en ese momento, y podría haber parecido imposible a un extraño que mirara adentro. Sin embargo, en la búsqueda del alma de cada ser humano de generación en generación, Jesús comenzó por dedicar su tiempo en la tierra a sus doce discípulos. 

Los discípulos estuvieron con Jesús durante todos los aspectos de la vida, que incluían, entre otros, el partir el pan, la enseñanza en la sinagoga, la realización de milagros, el apoyo vacilante y constante de sus compañeros discípulos, la crucifixión y su aparición después de su resurrección. La formación de cada discípulo fue fundamental para lograr la misión de difundir el evangelio. 

Jesús invirtió en cada uno de sus discípulos, y su inversión en cada uno de ellos produjo innumerables frutos. De hecho, el linaje espiritual de cada creyente se remonta a uno de los discípulos que vivió en comunidad con Jesús y fue visto por Jesús como un individuo que podría difundir las buenas nuevas. El desarrollo de cada discípulo sucedió en una comunidad muy unida donde a pesar de que soportaron duras circunstancias, nunca los resistieron solos. 

Una de las mayores alegrías en el ministerio es tener nuestra reunión semanal con nuestro grupo pastoral que es remunerado y no remunerado y discutir las bendiciones y desafíos que estamos experimentando en el ministerio. Alabamos a Dios por lo que está haciendo y le pedimos que nos guíe mientras enfrentamos nuevos desafíos. Nuestro pastor principal no se queda solo con la carga de liderar el cambio, por el contrario, tenemos la intención de apoyarlo a medida que avanzamos hacia el cumplimiento de la misión de nuestra iglesia. 

A medida que continuamos avanzando con nuestro modelo de iglesia celular, es nuestra oración que continuemos discipulando a más personas que también capten la visión de hacer discípulos que hagan más discípulos. Vivir en comunidad a través de los grupos celulares ha creado una comunidad donde los líderes comprenden mejor los desafíos del ministerio y, a su vez, apoyan más al pastor. Nuestra oración es tener un ministerio dirigido por nuestro pastor principal rodeado de los líderes y miembros de la iglesia que puedan trabajar juntos en los buenos y malos momentos para cumplir la gran comisión dada por Jesús antes de ascender al cielo. 

Leave a Reply

Your email address will not be published.