The Goal of Innovation

By Gerardo Campos, District pastor at Elim Church, San Salvador, El Salvador, www.elim.org.sv

In his book Myths and Truths of the Cell Church, Joel wrote about the myth that says, “Once you have a model, stick with it.” Comiskey comes back with the truth, “Innovate and change the model as the Spirit directs you to do so” (p. 4).

The pandemic has dealt a severe blow to the church and its meetings. However, as the severity of the crisis lessens, some are able to return to the homes, allowing believers to some extent to exercise their functions of evangelism, edification, and fellowship.

The new normal we face helps us to realize that models should never be “written in stone.” Rather, one of the future goals we can learn from the pandemic is to adapt the model to new conditions. We need to be willing to receive feedback from leaders as we rethink how cells can be best meet the needs of others.

Some believe that COVID-19 has made it impossible to continue with cell church ministry, but, on the contrary, the understanding of the church as an organism that has two wings (the mass meeting in the building and the small meetings in the houses) is key to adapt to the new circumstances and to continue with the mission of making disciples. I believe that the cell church will continue to discover new ground as it focuses on principles and values.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

O objetivo da inovação

Gerardo Campos, Pastor Distrital na Igreja Elim, São Salvador, El Salvador, www.elim.org.sv

Em seu livro “Mitos e Verdades sobre a Igreja em Células” (tradução livre do título original “Myths and Truths of the Cell Church” ainda não lançado em Português), Joel escreve sobre um dos mitos: “Se você já tiver um modelo, fique com ele”. Comiskey traz então a verdade por trás deste mito: “inove e mude o modelo, à medida que o Espírito Santo o direcionar para isso” (página 4 do livro original em inglês).

A pandemia lançou um duro golpe na igreja e em seus encontros e reuniões. Entretanto, à medida que a severidade da crise diminui, alguns encontros puderam retornar às casas, permitindo que aos poucos os crentes possam exercer suas atividades de evangelismo, edificação e comunhão.

O novo normal nos ajuda a perceber que os modelos nunca precisam estar “gravados na pedra”. Ao invés disso, um dos objetivos para o futuro que podemos aprender com a pandemia é de adaptar o modelo às novas condições. Nós precisamos estar dispostos a receber avaliações dos líderes e repensarmos como as células podem ser instrumentos para alcanças as necessidades das pessoas.

Algumas pessoas acreditam que a COVID-19 tornou o ministério em células impossível de continuar, mas ao contrário disso, o entendimento da igreja como um organismo de duas asas (a grande celebração no templo e os pequenos grupos nos lares) é a chave para a adaptação às novas circunstâncias e para continuarmos na missão de fazemos novos discípulos. Eu creio que a igreja em células continuará a descobrir novos caminhos se continuar focada em seus princípios e valores.

Spanish blog:

La Meta de Innovación

Por Gerardo Campos, Pastor del distrito en Iglesia Elim, San Salvador, El Salvador, www.elim.org.sv

En su libro «Mitos y verdades de la iglesia celular», Joel escribió: «Una vez tengas un modelo, apégate a él». Y lo equilibra con esta otra verdad: «Innova y cambia el modelo según el Espíritu te dirija a hacerlo» (pág. 4).

La pandemia ha dado un duro golpe a la iglesia y sus reuniones. No obstante, al haber logrado cierta recuperación, las reuniones pequeñas en las casas se han ido reanudando, permitiendo en alguna medida que los creyentes ejerzan sus funciones de evangelismo, edificación y comunión.

La nueva normalidad que enfrentamos nos hace cuestionar el mito de lo inflexible que un modelo deba ser. Una de las metas que deberíamos establecer es la de adaptar el modelo a las nuevas condiciones. En esto, es importante la retroalimentación que recibimos de los líderes al replantearnos el mejor funcionamiento de las células. Hay quienes piensan que la crisis del coronavirus hace imposible continuar con la iglesia celular, pero, por el contrario, la comprensión de la iglesia como un organismo que posee dos alas (la reunión masiva en el edificio y las reuniones pequeñas en las casa) es clave para adaptarse a las nuevas circunstancias y para continuar con la misión de hacer discípulos.

Algunos creen que el nuevo coronavirus se convertirá en una endemia lo cual haría que las cosas no vuelvan a ser como antes, no obstante la iglesia celular seguirá en marcha siempre replanteándose el camino por donde sus principios o valores sigan siendo la vivencia de la iglesia.

John Wesley and Cell Ministry

By Gerardo Campos, District pastor at Elim Church, San Salvador, El Salvador, www.elim.org.sv

In 1738 John Wesley, a British Anglican clergyman and theologian, began meeting with friends in a small group to pray, study the Bible, and encourage one another. Mocking their group, those who knew them called his group a “holy club.”

Later, Wesley established small groups that changed England, which he called classes. In order to attend a society meeting, each person was asked for an entrance ticket that he could only receive by attending a “class meeting” (very close to cell groups).  Wesley believed that conversions without attending a small group were not worth much.

And we would agree that conversions that happen while listening to an expert preacher are often not as long-lasting as those which take place among a smaller family of believers. The reality is that the best, most long-lasting conversion takes place in the cells of ordinary Christians. In Elim, most of the people who attend the congregation to participate in one of our six congregational services on Sunday come from a home cell.  since our meetings are open to non-believers they have, among other elements, a strong evangelizing focus.

We have learned from the Bible and church history that small groups are the best way to make disciples who make disciples. At the end of his life, John Wesley had managed to open 10,000 “classes”, with an average attendance of 100,000 people. It was the largest church in the world at that time. God is so good to inspire us through church history.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

João Wesly e o Ministério em Células

Gerardo Campos, Pastor Distrital na Igreja Elim, São Salvador, El Salvador, www.elim.org.sv

Em 1738 João Wesley, um clérigo e teólogo da Igreja Anglicana começou a reunir-se com amigos em pequenos grupos para orar, estudar a Bíblia e encorajarem-se mutuamente. Como uma forma de criticá-los, algumas pessoas passaram a chamar estes encontros de “Clubes Santos”.

Algum tempo depois, Wesley estabeleceu pequenos grupos que mudaram a Inglaterra, que ele chamou de Classes. Para frequentar um encontro da Sociedades, cada pessoa precisava apresentar um tipo de ingresso que somente receberia se estivesse frequentando um dos pequenos grupos chamados de “Classes” (bem próximo do que seriam as células hoje em dia). Wesley acreditava que as conversões que não estivessem acompanhadas da frequência a um pequeno grupo não eram muito valiosas.

Nós também concordamos que as conversões que acontecem ao ouvir um bom pregador muitas vezes não duram tanto quanto aquelas que acontecem em meio a uma pequena família de crentes. A realidade é que as melhores conversões, as que realmente duram, acontecem nas células de Cristãos. Na igreja Elim, a maior parte das pessoas que frequentam a igreja para participar de um dos seis cultos dominicais vêm de uma célula que acontece em um dos lares. Como nossos encontros são abertos aos não-crentes, eles tem um foco fortemente evangelístico, entre outros elementos.

Nós aprendemos na Bíblia e pela história da igreja que os pequenos grupos são a melhor maneira de fazer discípulos que fazem discípulos. Ao final de sua vida, João Wesley tinha formado 10.000 “Classes”, com uma frequência média de 100.000 pessoas. Era a maior igreja do mundo naquele tempo. Deus é muito Bom e nos inspira através da história da igreja.

Spanish blog:

Juan Wesley y las Células

En el año de 1738 Juan Wesley, clérigo y teólogo anglicano británico, comenzó a reunirse con amigos en grupos pequeños para orar, estudiar la Biblia y animarse unos a otros. A manera de burla quienes les conocieron los llamaban  “círculos santos”.

Más tarde los grupos de Wesley llegaron a ser células (llamado classes en aquel entonces). Resulta curioso que para poder asistir una reunión de la sociedad grande, Los Metodistas se solicitaban a cada persona un boleto de entrada que solamente podía recibirse al asistir a una “classe”.

Wesley creía que las conversiones sin asistir a un grupo pequeño no valían mucho. Al descubrir  ahora que existen ideas acerca de la evangelización que se basan en mitos, podríamos darle la razón, ya que comúnmente pensamos que las conversiones son el resultado de escuchar a predicadores expertos, cuando la realidad es que la mayoría de convertidos son un proceso llevado a cabo desde las células por cristianos comunes y corrientes.

En Elim la mayoría de personas que asisten a la congregación para participar de alguno de nuestros seis servicios congregacionales el día domingo, provienen de una célula de hogar, ya que nuestras reuniones son abiertas a los no creyentes por lo que poseen entre otros elementos un fuerte sentido evangelizador. Hemos aprendido de la historia cuando encontramos en ella los grandes principios bíblicos sobre las células llevados a la práctica. Al final de su vida Juan Wesley había logrado abrir 10,000 “classes”, con una asistencia promedio de 100,000 personas. Fue la iglesia más grande del mundo en su época.

The organic within the institutional

By Gerardo Campos, District pastor at Elim Church, San Salvador, El Salvador, www.elim.org.sv

Organization is important in cell churches. The organization helps avoid overlap so that more than one person is not doing the same thing. Roles and responsibilities are given to members so that the organization functions properly. The church organization plays an important role in meeting needs, especially during times like  Covid-19. The organic role of God’s movement, however, is equally important.

During the most critical days of the pandemic, when the confinement seemed like it would never end, what I call “cross-care” emerged spontaneously. That is, due to health reasons, not all of those who were in their official positions to provide support and care could respond in the same way that their role demanded within our church structure. We discovered the supernatural work of God in our midst. God began to stir other members and leaders to offer assistance, care, and help. This came about totally organically. Care and love ruled, rather than role and function. People practiced cross-care organically. Love prevailed.

In a crisis like Covid-19,  biblical values ​​exceed the institutional. The movement of God, rather than structure, reigns supreme. We’ve seen God do amazing things through his church, the body of Christ.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

O orgânico, de dentro do institucional

por Gerardo Campos, Pastor Distrital na Igreja Elim

A organização é importante nas Igrejas Celulares. A organização ajuda a evitar as zonas cinzentas, para que a mesma coisa não seja feita por mais de uma pessoa. As responsabilidades e atribuições são concedidas aos membros para que a organização funcione adequadamente. A organização da igreja é muito importante para que as necessidades sejam atendidas, especialmente em momentos como estes causados pelo Covid 19. Entretanto, o papel orgânico do mover de Deus em seu povo é tão importante quanto a organização.

Durante os dias mais críticos da pandemia, quando parecia que o confinamento nunca acabaria, apareceu espontaneamente algo que eu chamo de “cuidado independente”. Devido às questões de saúde das pessoas, nem todos que tinham a atribuição de efetivamente cuidar e apoiar tiveram condições de agir de acordo com o que a estrutura da igreja estabelecia. Nós descobrimos então o agir sobrenatural de Deus em nosso meio. Deus começou a levar outros membros e líderes a oferecer assistência, cuidado e ajuda. Isso aconteceu de forma completamente orgânica. O cuidado e o amor eram a regra, ao invés dos papéis e cargos. As pessoas praticaram “cuidado independente” de uma maneira orgânica e espontânea. O amor prevaleceu.

Em uma crise como a do Covid 19, os valores bíblicos são maiores do que a instituição. O mover de Deus, ao invés da estrutura, reina soberano. Nós temos visto Deus fazer coisas maravilhosas através da sua Igreja, o corpo de Cristo.

Spanish blog:

Lo orgánico dentro de lo institucional

 por Gerardo Campos, pastor del districto de iglesia Elim, San Salvador, El Salvador, www.elim.org.sv

Es importante para las iglesias celulares poseer una organización que permita la atención de sus miembros. Esa organización otorga responsabilidades a cada persona que son exclusivas de quien las recibe. El principio es que no se debe duplicar el esfuerzo, lo cual ocurriría cuando dos o más personas realizan una misma función.

En esa organización se procura no invadir funciones, a pesar de que pudiera haber vacíos en el cuidado que las personas necesitan recibir. Durante los días más difíciles de esta pandemia y con un confinamiento que casi era interminable, surgió de manera espontánea lo que denominaría una atención cruzada, es decir, debido a razones bien particulares y de salud no todos los que estaban en posiciones claves para brindar apoyo y cuidado podían responder de la misma manera a su función dentro de la estructura.

Más que el principio de funciones exclusivas de cada cual, fueron los principios bíblicos de la atención, el cuidado y la ayuda mutua los que se produjeron de manera orgánica y así compensar las ausencias que la pandemia produjo. Al respeto y la lealtad se sumó el cuidado prójimo y la prevalencia del amor. En este tipo de crisis es donde los valores bíblicos sobrepasan lo institucional, donde la iglesia se articula para seguir siendo el movimiento de Dios.

Developing a Pastoral Team

By Gerardo Campos, District pastor at Elim Church, San Salvador, El Salvador, www.elim.org.sv

Above all, the cell structure of the church seeks to serve people. As the church grows, it will be necessary to develop pastoral leadership who can care for the congregation in an integral way. The senior pastor will not be able to offer the pastoral care that people need, and for this reason, the pastor must prepare others to help him do so. How can a pastor reproduce himself in others?

People in the congregation learn from their leaders, and modeling is essential. I believe that a pastor disciples people and exercises effective leadership more through actions rather than words. Sometimes cell churches are in a rush to appoint full-time staff with the title of “pastors.” However, it is a myth that a cell church will be stronger once it has more pastors. In fact, just having more pastors doesn’t mean that the people will be cared for better.

Each church must decide what is best for them in their own context. They must learn to develop peer help and self-care; they must learn to carry out a pastoral role for one another—apart from adding full-time pastors. However, there are congregations who are developing so exponentially that it will be necessary to appoint a very well selected pastoral team that together with the senior pastor provides the support that the other members will need.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Desenvolvendo uma equipe pastoral

Gerardo Campos, Pastor distrital na Igreja Elim, www.elim.org.sv

A estrutura em células da igreja deve, acima de tudo, servir às pessoas. À medida que a igreja cresce, será necessário desenvolver uma liderança pastoral que possa cuidar da congregação de uma maneira integral. O Pastor principal não vai conseguir oferecer o cuidado pastoral que as pessoas precisam, e exatamente por esta razão, ele precisa preparar outras pessoas para ajudá-lo a fazer isso. Mas como o pastor conseguirá produzir outros pastores como ele mesmo, em outras pessoas?

As pessoas da congregação aprendem com seus líderes, e os modelos são essenciais neste processo. Eu acredito que o pastor discipula as pessoas e exercita liderança eficaz muito mais através das suas ações do que através das suas palavras. Às vezes as igrejas em células tem pressa em consagrar pessoas que trabalham em tempo integral na igreja com o título de “pastor”. É um mito que uma igreja será mais forte à medida que tiver mais pastores. A verdade é que o simples fato de que há um número maior de pastores não necessariamente significa que as pessoas estejam sendo mais bem cuidadas.

Cada igreja precisa decidir o que é melhor para o seu próprio contexto. É preciso desenvolver o autocuidado, além do cuidado pelos pares; os membros precisam aprender a desenvolver o cuidado pastoral um pelo outro – independentemente de serem adicionados mais pastores à liderança. Entretanto, de fato há congregações que estão crescendo tão exponencialmente que realmente será necessário preparar uma equipe pastoral muito bem selecionada para, junto com o pastor principal, prover o cuidado que todos os outros membros certamente precisarão.

Spanish blog:

Un mejor equipo pastoral

La estructura celular de una iglesia busca sobre todo atender a las personas. A medida que la iglesia crece será necesario verificar que las personas están siendo acompañadas por alguien que les brinde cuidados de manera integral. El pastor principal difícilmente podrá dar el cuidado que las personas necesitan, por ese motivo debe preperar a otros para que le ayuden a hacerlo. ¿Cómo un Pastor puede reproducirse en otros?

Las personas en la congregación aprenden de sus líderes, y  modelarles la forma en que se pueden ayudar mutuamente es importante. Creo en el discipulado que el pastor ejerce a través de su influencia, con sus acciones más que con las palabras. A veces las iglesias celulares corren de prisa a nombrar personal a tiempo completo dándoles el título de “pastores”. Es un mito el que hace creer que una iglesia celular será más fuerte mientras más pastores tenga. Muchas veces el resultado está muy lejos del propósito inicial de atención a los miembros.

Cada iglesia deberá decidir por lo que mejor le convenga. Deberán aprender a desarrollar la ayuda entre pares y el auto cuido, deberá aprender a realizar una función pastoral de los unos a los otros. No obstante hay congregaciones desarrollándose de manera tan exponencial que se necesitará nombrar un equipo pastoral muy bien seleccionado que junto al pastor principal brinden el soporte que los demás miembros necesitarán.

Forming New Leaders

By Gerardo Campos, District pastor at Elim Church, San Salvador, El Salvador, www.elim.org.sv

I went to visit a cell church pastor who arranged a meeting with his leaders and coaches. I asked each of them for the name of their new leader candidate for the purpose of praying for them. My request took them by surprise as several of them had not yet made that appointment. I then told them that they could not leave the meeting before giving me their candidate’s name. “What?” you might say. “How could you do that?” “Were you trying to kidnap them?” After a few minutes, I released them. I was only trying to make them aware of the importance of delegation in order to obtain better results.

The first step to generate new leaders is to make the decision to do it. So many make excuses that they don’t have the right person or just can’t think of anyone.  However, the problem is a lack of vision to prepare new leaders. Remember that no matter how inadequate a person may seem, if we disciple them by example and delegate significant cell functions to them, the process of developing them will have begun.

If we accompany this process by wrapping it in prayer, we will be able to help them overcome their weaknesses. The process also involves enrolling them in the church-wide equipping, so that they might grow as Christ’s disciples.

If we are going to effectively make disciples for Christ’s glory and to advance his kingdom, we must intentionally develop new leaders.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Formando novos líderes

Gerardo Campos, District pastor na Elim Church, em San Salvador, El Salvador, www.elim.org.sv

Certa vez, fiz uma visita a um pastor de uma igreja em células que providenciou um encontro com seus líderes e supervisores. Eu pedi a cada um deles o nome do candidato a novo líder para que eu pudesse orar por eles. Meu pedido caiu como uma surpresa pois diversos deles ainda não tinham pensando sobre isso. Eu disse que eles não poderiam sair daquele encontro antes de me entregar o nome do candidato a novo líder. “Como assim?”, talvez você esteja se perguntando. “Como você pode ter feito isso?” Depois de alguns minutos, eu liberei todos da reunião. Eu estava apenas tentando mostrar o quão importante é delegar para que obtenhamos os melhores resultados.

O primeiro passo para gerar novos líderes é tomar a decisão de fazer isso. Tantos de nós insistimos em utilizar as desculpas de não ter a pessoa certa ou de que não conseguimos pensar em ninguém. Entretanto, o problema é a falta de visão para preparar novos líderes. Lembre-se que não importa o quão inadequada a pessoa possa parecer, se nós a discipularmos pelo exemplo e delegar-lhe funções significativas da vida da célula, o processo de formação terá sido iniciado.

Se acompanharmos este processo, cobrindo-o com nossas orações, poderemos ajudar cada candidato a superar suas limitações. O processo também envolve a capacitação no viver da igreja como um todo, para que cresçam como discípulos de Cristo.

Se vamos efetivamente fazer discípulos para a glória de Cristo e avançar em seu Reino, precisamos intencionalmente formar novos líderes.

Spanish blog:

Formando nuevos líderes

Gerardo Campos, Pastor del Distrito de la iglesia Elim, San Salvador, El Salvador, www.elim.org.sv

Fui a visitar a un pastor de una iglesia celular quien organizó una reunión con sus líderes y supervisores. Les pedí a cada uno de ellos el nombre de su candidato a nuevo líder con el propósito de orar por ellos. Mi solicitud les tomó por sorpresa ya que varios de ellos aún no habían hecho ese nombramiento. Fue entonces que les dije que no se podrían retirar de la reunión sin antes haber dado el nombre de su candidato a líder. No sé cómo pude hacer eso, era como una especie de “secuestro”. Pero, después de unos pocos minutos, les liberé. Fue una manera de hacerles ver la importancia de la delegación para poder obtener resultados.

Esa noche entendí que el primer paso para generar nuevos líderes es tomar la decisión de hacerlo, eso era lo que les estaba haciendo falta. Las excusas que algunos presentaron fueron que no tenían a la persona adecuada. Pero, en realidad, lo que hacía falta era enfocarse en formar nuevos líderes.

No importa lo inadecuada que una persona parezca si les discípulamos con el ejemplo y les delegamos funciones celulares significativas el proceso de desarrollarles habrá comenzado.

Si acompañamos ese proceso envolviéndolo en oración lograremos ayudarles a superar sus debilidades. El proceso llega casi a su final cuando se les anima a inscribirse en el curso de formación que la iglesia ofrece. Es satisfactoria la inversión de vida que se hace para que lleguen a ser hombre y mujeres al servicio del reino de Dios.