Christianity in Community

mario

by Mario Vega, www.elim.org.sv

Jesus expected that his gospel be lived out in a group setting. Jesus himself set the first example by creating a community with his disciples; they lived with him 24 hours a day and shared everything.

Later, when Jesus ascended, the church continued the practice of community life and remained together in the upper room. As the church grew they began meeting in homes every day. They ate together, sang together, celebrated the Lord’s Supper together, and recalled the sayings and teachings of Jesus together. It wasn’t a once per week meeting but an everyday occurrence as they celebrated the Lord’s Supper together.

The illustrations used in the New Testament to describe the church are all collective. The flock always consists of several sheep. The body is made up of many members. The building has many stones. The ministers of the gospel form a team. The gifts of the Spirit form a bouquet that adorns the church and must be exercised together for the edification of others. The church shared their possessions and had all things in common.

The idea of an individualistic Christianity has nothing to do with Scripture. On the contrary, we are encouraged to love one another, to edify one another, to exhort one another, and to confess our faults to one another. And there is a long list of “one anothers” that must be practiced together. Emphasizing that Jesus is the “personal” savior of all people does not imply that the rest of the Christian life is “personal,” “individual,” and should be practiced alone. There can’t be true Christianity if it is not lived in community and service. These elements must be vital for every follower of Jesus.

Mario

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Cristianismo na Comunidade

por Mario Vega, www.elim.org.sv

Jesus esperava que seu evangelho fosse vivido num ambiente de grupo. O próprio Jesus estabeleceu o primeiro exemplo ao criar uma comunidade com os seus discpulos; eles conviveram com ele 24 horas por dia e compartilhavam tudo.

Mais tarde, quando Jesus ascendeu, a Igreja continuou a prática da vida da comunidade e eles permaneceram juntos no cenáculo. Quando a igreja cresceu eles começaram a se reunir nas casas todos os dias. Eles comiam juntos, cantavam juntos, celebravam a Ceia do Senhor juntos, e recordavam as palavras e os ensinamentos de Jesus juntos. Não era uma reunião uma vez por semana, mas uma convivência diária, conforme eles celebravam a Ceia do Senhor juntos.

As ilustrações usadas no Novo Testamento para descrever a Igreja são todas no coletivo. O rebanho sempre consiste em várias ovelhas. O corpo é composto de muitos membros. O edifcio tem muitas pedras. Os ministros do Evangelho formam uma equipe. Os dons do Esprito formam um buquê que adorna a Igreja e deve ser exercido em conjunto para a edificação dos outros. A Igreja partilhava as suas posses e todos tinham tudo em comum.

A ideia de um cristianismo individualista não tem nada a ver com as Escrituras. Pelo contrário, nós somos encorajados a amar uns aos outros, para edificar uns aos outros, para exortar uns aos outros, e confessar os nossos pecados uns aos outros. E há uma longa lista de "uns aos outros" que devem ser praticados juntos. Enfatizar que Jesus é o salvador "pessoal" de todas as pessoas não implica que o resto da vida cristã é "pessoal", "individual", e deve ser praticada sozinho. Não pode haver verdadeiro cristianismo se não for vivido em comunidade e serviço. Esses elementos devem ser vitais para cada seguidor de Jesus.

Mario

Spanish blog:

El Cristianismo en Comunidad

por Mario Vega, www.elim.org.sv

La idea que Jesús presentó del evangelio fue la de una fe y una práctica para ser experimentada en grupo; no de manera individual. Jesús mismo dio el primer ejemplo al formar una comunidad con sus discpulos, ellos vivan con él las 24 horas del da y compartan todas las cosas.

Posteriormente, cuando Jesús ascendió, la iglesia continúo la práctica de la vida comunitaria y siguieron juntos en el aposento alto. Al crecer la iglesia comenzaron a reunirse en las casas todos los das. All coman juntos, cantaban, celebraran la Cena del Señor, recordaban los dichos y enseñanzas de Jesús. No era un reunión de una vez por semana sino una práctica de todos los das, a la hora de cenar.

Las ilustraciones que se usan en el Nuevo Testamento para describir a la iglesia son todas colectivas. El rebaño: formado por varias ovejas. El cuerpo: formado por muchos miembros. El edificio: construido de muchas piedras. Los ministros del evangelio se complementan unos a otros. Los dones del Espritu forman un ramillete que adorna a la iglesia y deben ser ejercidos para edificación de los demás. La iglesia comparta sus bienes y tenan todas las cosas en común.

La idea de un cristianismo individualista es ajeno a las Escrituras. Por el contrario, se nos anima a amarnos unos a otros, edificarnos unos a otros, exhortarnos unos a otros, confesarnos nuestras faltas unos a otros. Y hay una larga lista de “unos a otros” que se podra hacer. El enfatizar que Jesús es el salvador “personal” del ser humano, no implica que el resto de la vivencia cristiana sea “personal”, “individual”. No puede haber verdadero cristianismo si no se le vive en comunidad y servicio. Estos elementos deben ser vitales para todo seguidor de Jesús.

Leave a Reply

Your email address will not be published.