Basic Triads of Christ, Part 1

By Ralph Neighbour

“And when two or three of you are together because of me, you can be sure that I’ll be there.”– Matt. 18:20, The Message

What is the smallest number of body members that will be defined as an ecclesia? Jesus seems to be defining it in the above passage. The number, including Christ’s presence, is three or four.

When Jesus developed the prototype for His future Body, he limited it to twelve. However, the intimate men among the twelve were three – Peter, James (his brother) and John (who seems to be closest of all).

Intimacy among a group of eight to twelve persons takes a long time, if ever, to develop. A triad produces six communication lines; a foursome jumps to 14! Thus, triads have a better opportunity to share deeply. The trust factor among triads goes through the process of awareness > acquaintance > adjustment > conflict > reconciliation > transparency in about six sessions.

They can then become a special team, combining their oikos contacts to cultivate their primary “mission field” – often 20 to 50 persons. They can plan together to relate as a triad to all those in their “households.” The multiplication can then become three or four triads gathering as a cell. In my next article I shall share how many cells bury the triads as an integral part of each cell session and extend into three or four “mission fields.”

In 1985, I began to ask cell leaders to classify their members by the divisions in I John 2:12-14: ”Little Children”, “Young Men” and “Fathers.” I was surprised how readily they could create this list. Interestingly, only a few had a balance between the three levels. Those who did formed triads from them. The Father’s task was to lead the group and because as a Father he had produced a Little Child, he would equip the Young Man to harvest a searching unbeliever. In turn, the Young Man was encouraged to help the Little Child overcome the Evil One. The Little Child was encouraged to bring the Young Man and the Father into his household and meet all who were unbelievers. When the “Son of Peace” (Luke 10:6) was located, the Father would help the Young Man lead him to accept Christ as Lord.

Where the cell had no Little Children, a triad of a Father and Young Men would form to reach unbelievers in their “Mission Field.” Where there were only Young Men, the Cell Leader (hopefully a Father!) would form a triad with them, mentoring them to birth new believers.

This focus allows every believer to be involved in mentoring while being mentored. I have seen dramatic results from this pattern. Edification is intimate and reaching into the families to win searching unbelievers happened naturally. In Ukraine in 2012 I prepared 800 cell members to create triad clusters and penetrate their oikoses. I have a photo hanging in my  home taken six months later of 1,600 gathered for worship! That ex-communist, unevangelized city was ripe for Christ’s love and responded well to the triad’s focus on them.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Trios Básicos de Cristo, Parte 1

Por Ralph Neighbour

“Pois onde se reunirem dois ou três em meu nome, ali eu estou no meio deles”.

‭‭Mateus‬ ‭18:20‬ ‭

Qual é o menor número de membros do Corpo que é definido como uma ecclesia?  Jesus parece estar definindo isso na passagem acima. O número, incluindo a presença de Cristo, é de três ou quatro.

Quando Jesus desenvolveu o protótipo do Seu Corpo futuro, limitou-o a doze. No entanto, os homens íntimos dele entre os doze eram três – Pedro, Tiago (seu irmão) e João (que parece ser o mais próximo de todos).

A intimidade entre um grupo de oito a doze pessoas leva muito tempo, se é que ela se desenvolve. Um grupo de três produz seis linhas de comunicação;  um quarteto salta para 14 linhas de comunicação! Assim, os grupos de três (trios) têm uma melhor oportunidade de compartilhar profundamente. O fator confiança entre os trios passa pelo processo de conscientização> conhecimento> ajuste> conflito> reconciliação> transparência em cerca de seis sessões.

Eles podem então se tornar uma equipe especial, combinando seus contatos dos Oikospara cultivar seu “campo missionário” primário – geralmente de 20 a 50 pessoas. Eles podem planejar juntos para se relacionar como um trio com todos aqueles em suas “casas”. A multiplicação pode então se dar por três ou quatro trios se reunindo como uma célula. No meu próximo artigo, vou compartilhar quantas células definem os trios como parte integrante de cada sessão de célula e estendem-se a três ou quatro “campos missionários”.

Em 1985, comecei a pedir aos líderes das células que classificassem seus membros pelas divisões em I João 2:12-14: filhinhos, jovens e pais. Fiquei surpreso com a facilidade com que eles poderiam criar essa lista. Curiosamente, apenas alguns tiveram um equilíbrio entre os três níveis. Aqueles que conseguiram, formaram trios com os membros. A tarefa do pai era liderar o grupo e como ele havia produzido um filhinho/criança, ele iria equipar o jovempara alcançar os incrédulos. Por sua vez, o jovemseria incentivado a ajudar a criançaa superar o maligno. A criançaseria encorajada a trazer o joveme o paipara sua casa e conhecer todos os que não eram crentes.  Quando o “Filho da Paz” (Lucas 10:6) fosse localizado, o paiajudaria o jovema levá-lo a aceitar a Cristo como Senhor.

Onde a célula não tinha filhinhos, um trio de um pai e homens jovens se formariam para alcançar descrentes em seu “campo missionário”. Onde havia apenas jovens, o líder da célula (esperançosamente um pai!) formaria um trio com eles, orientando-os para o nascimento de novos crentes.

Esse foco permite que cada crente esteja envolvido na mentoria ao mesmo tempo que é orientado. Eu tenho visto resultados impressionantes desse padrão. A edificação é íntima e alcançar as famílias para conquistar os incrédulos acontece naturalmente. Na Ucrânia, em 2012, preparei 800 membros de células para criar grupos de três pessoas e penetrar em seus Oikos. Eu tenho uma foto pendurada em minha casa tirada seis meses depois de 1.600 pessoas reunidas para adoração! Aquela cidade ex-comunista e não-evangelizada estava madura para o amor de Cristo e respondeu bem ao foco dos trios nela.

Spanish blog:

Tríadas Básicas de Cristo, Parte 1

Por Ralph Neighbour

“Y cuando dos o tres de ustedes estén juntos por mi culpa, pueden estar seguros de que estaré allí”. – Mat. 18:20, El mensaje

¿Cuál es el número más pequeño de miembros del cuerpo que se definirá como una ecclesia? Jesús parece estar definiéndolo en el pasaje anterior. El número, incluida la presencia de Cristo, es tres o cuatro.

Cuando Jesús desarrolló el prototipo para su futuro cuerpo, lo limitó a doce. Sin embargo, los hombres íntimos entre los doce eran tres: Pedro, Santiago (su hermano) y Juan (que parece ser el más cercano de todos).

La intimidad entre un grupo de ocho a doce personas lleva mucho tiempo, si es que alguna vez, se desarrolla. Una tríada produce seis líneas de comunicación; un cuarteto salta a 14! Por lo tanto, las tríadas tienen una mejor oportunidad para compartir profundamente. El factor de confianza entre las tríadas pasa por el proceso de concienciación> conocimiento> ajuste> conflicto> reconciliación> transparencia en aproximadamente seis sesiones.

Luego pueden convertirse en un equipo especial, combinando sus contactos oikos para cultivar su “campo misionero” primario, a menudo de 20 a 50 personas. Pueden planear juntos para relacionarse como una tríada con todos aquellos en sus “hogares”. La multiplicación puede convertirse en tres o cuatro tríadas reuniéndose como una célula. En mi próximo artículo compartiré cuántas células entierran a las tríadas como parte integral de cada sesión celular y las extenderé a tres o cuatro “campos misioneros”.

En 1985, comencé a pedirles a los líderes celulares que clasificaran a sus miembros por las divisiones en 1 Juan 2: 12-14: “Niños pequeños”, “Hombres jóvenes” y “Padres”. Me sorprendió la facilidad con que podían crear esta lista. Curiosamente, solo unos pocos tenían un equilibrio entre los tres niveles. Los que lo hicieron formaron tríadas a partir de ellos. La tarea del padre era dirigir al grupo y, como padre que había producido un niño pequeño, equiparía al joven para cosechar a un incrédulo. A su vez, se alentó al Joven a ayudar al Niño a vencer al Maligno. Se alentó al Niño Pequeño a traer al Joven y al Padre a su hogar y conocer a todos los que no eran creyentes. Cuando se localizaba al “Hijo de la paz” (Lucas 10: 6), el Padre ayudaba al Joven a llevarlo a aceptar a Cristo como Señor.

Donde la célula no tenía Niños Pequeños, se formaría una tríada de un Padre y Hombres Jóvenes para llegar a los no creyentes en su “Campo de Misión”. Donde solo había Hombres Jóvenes, el Líder Celular (¡con suerte un Padre!) Formaría una tríada con ellos , guiándolos para que nazcan nuevos creyentes.

Este enfoque permite que cada creyente participe en la tutoría mientras recibe mentoría. He visto resultados dramáticos de este patrón. La edificación es íntima y llegar a las familias para ganar buscando incrédulos sucedió naturalmente. En Ucrania, en 2012 preparé 800 miembros de células para crear grupos de tríadas y penetrar sus oikosis. ¡Tengo una foto colgada en mi casa tomada seis meses después de 1,600 reunidos para adorar! Esa ciudad excomunista y no evangelizada estaba madura para el amor de Cristo y respondió bien al enfoque de la tríada en ellos.

Leave a Reply

Your email address will not be published.