Come With Me

By Stephen Daigle, College and Young Adult Pastor at Celebration Church, www.celebrationchurch.org

I’ve been leading and interacting with young adults, mainly the millennials and generation Z, for 6+ years now. Each generation proves to have its challenges when it comes to connecting individuals to the cell and the church. As this next generation of young adults is coming up, I am seeing that busyness is a common theme of why an individual isn’t able to be fully connected to the cell or the ministry in a way that would lead to growth through discipleship. Busyness is also proving to be a reason why many cell leaders aren’t able to take the individuals in their cell much deeper into discipleship.

I recall a conversation I had with some key cell leaders some time ago. When talking about the importance of discipleship (one on one), I was interrupted by a key leader. They said ‘I was busy with everything we are already doing in the church and the cell, and now you want me to make time to disciple someone one on one? I don’t think I have time to do all of this!’ It became apparent to me that our current understanding of what discipleship is might be far removed from the model Jesus left for us. Discipleship didn’t just happen at one place and during a specific time, it was happening all the time as Jesus and His disciples did life together. It was in the walking from town to town. It was in the conversations that took place that are/aren’t recorded in the Bible. It was always happening as they were together.

Today, it seems that discipleship has become something we do, and not who we are.

I asked that leader what they had to do this upcoming week. They told me they needed to clean their house, go to the grocery store, do laundry and go to the gym among other things. My encouragement was to invite someone from the cell to participate in those things with them. ‘They don’t want to come and clean my house with me!’ was the response. I responded, “Just ask them and see. Jesus invited his disciples to go with him. Do the same and see what happens.”

The following week that cell leader came back saying that every time they invited someone from the cell to join them, they showed up! They cleaned together, went to the grocery store together, did life together. That leaders group grew to the point of multiplication. Many people wanted to be with that leader because of the opportunity to do life together, not just a weekly meeting.

More is caught than taught. My kids don’t always listen to what I say, but they never fail to mimic my actions. Let’s be leaders that live out discipleship and not just talk and teach about it.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Venha comigo

Por Stephen Daigle, Colégio e Pastor de Jovens Adultos na Celebration Church, www.celebrationchurch.org

Estou liderando e interagindo com jovens adultos, principalmente os millennials e a geração Z, há mais de 6 anos. Cada geração prova ter seus desafios quando se trata de conectar indivíduos à célula e à igreja. À medida que a próxima geração de jovens adultos está chegando, vejo que a ocupação é um tema comum de por que um indivíduo não é capaz de estar totalmente conectado à célula ou ao ministério de uma maneira que levaria ao crescimento por meio do discipulado. A atividade também está provando ser uma razão pela qual muitos líderes de célula não são capazes de liderar os indivíduos em sua célula mais profundamente ao discipulado.

Lembro-me de uma conversa que tive com alguns líderes de células principais há algum tempo. Ao falar sobre a importância do discipulado (um a um), fui interrompido por um líder importante. Ele disse: “Eu estou ocupado com tudo o que já estamos fazendo na igreja e na célula, e agora você quer que eu arranje tempo para discipular alguém individualmente? Acho que não tenho tempo para fazer tudo isso!”. Ficou claro para mim que nosso entendimento atual sobre o que é discipulado pode estar muito distante do modelo que Jesus deixou para nós. O discipulado não aconteceu apenas em um lugar e durante um tempo específico, ele acontecia o tempo todo enquanto Jesus e Seus discípulos viviam juntos. Era na caminhada de cidade em cidade. Era nas conversas que aconteciam e que não estão registradas na Bíblia. O discipulado sempre acontecia, uma vez que eles estavam juntos.

Hoje, parece que o discipulado se tornou algo que fazemos, e não quem somos.

Perguntei àquele líder o que eles tinham que fazer na próxima semana. Eles me disseram que precisavam limpar a casa, ir ao supermercado, lavar a roupa e ir à academia, entre outras coisas. Meu incentivo foi convidar alguém da célula para participar dessas coisas com eles. “Eles não vão querer vir limpar minha casa comigo!”, foi a resposta. Eu respondi: “Basta lhes perguntar e ver. Jesus convidou seus discípulos para ir com ele. Faça o mesmo e veja o que acontece”.

Na semana seguinte, o líder da célula voltou dizendo que toda vez que eles convidavam alguém da célula para se juntar a eles, as pessoas iam! Eles limparam juntos, foram juntos ao supermercado, viveram juntos. O grupo desse líder cresceu até o ponto de multiplicação. Muitas pessoas queriam estar com esse líder por causa da oportunidade de viver juntas, não apenas por uma reunião semanal.

Mais é feito do que ensinado. Meus filhos nem sempre ouvem o que eu digo, mas nunca deixam de imitar minhas ações. Sejamos líderes que vivem o discipulado e não apenas conversam e ensinam sobre isso.

Spanish blog:

Por Stephen Daigle, pastor de universitarios y jóvenes adultos en la Iglesia Celebration, www.celebrationchurch.org

He estado liderando e interactuando con adultos jóvenes, principalmente los millennials y la generación Z, durante más de 6 años. Cada generación demuestra tener sus desafíos cuando se trata de conectar a las personas con la célula y la iglesia. A medida que esta próxima generación de adultos jóvenes se acerca, veo que el ajetreo es un tema común de por qué una persona no puede estar completamente conectada a la célula o al ministerio de una manera que conduzca al crecimiento a través del discipulado. La ocupación también está demostrando ser una razón por la cual muchos líderes celulares no pueden llevar a los individuos en su célula mucho más profundamente en el discipulado.

Recuerdo una conversación que tuve con algunos líderes celulares clave hace algún tiempo. Al hablar sobre la importancia del discipulado (uno a uno), fui interrumpido por un líder clave. Me dijo: “Estoy ocupado con todo lo que ya estamos haciendo en la iglesia y en la célula, y ahora quieres que haga tiempo para discipular a alguien uno a uno”. ¡No creo que tenga tiempo para hacer todo esto! ”Se me hizo evidente que nuestra comprensión actual de lo que es el discipulado podría estar muy lejos del modelo que Jesús nos dejó. El discipulado no sucedió solo en un lugar y durante un tiempo específico, sucedió todo el tiempo mientras Jesús y sus discípulos vivían juntos. Fue en el caminar de pueblo en pueblo. Fue en las conversaciones que tuvieron que están / no están registradas en la Biblia. Siempre sucedía cuando estaban juntos.

Hoy, parece que el discipulado se ha convertido en algo que hacemos, y no en quienes somos.

Le pregunté a ese líder qué tenían que hacer la próxima semana. Me dijeron que tenían que limpiar su casa, ir al supermercado, lavar la ropa e ir al gimnasio, entre otras cosas. Mi ánimo fue invitar a alguien de la célula a participar en esas cosas con ellos. “¡No quieren venir a limpiar mi casa conmigo!”, Fue la respuesta. Respondí: “Solo pregúntales y mira. Jesús invitó a sus discípulos a ir con él. Haz lo mismo y mira qué pasa.

La semana siguiente, el líder celular regresó diciendo que cada vez que invitaban a alguien de la célula a unirse a ellos, ¡aparecían! Limpiaban juntos, fueron juntos al supermercado, convivieron. Ese grupo de líderes creció hasta el punto de multiplicarse. Muchas personas querían estar con ese líder debido a la oportunidad de convivir, no solo una reunión semanal.

Se aprende al ver que al sólo escuchar. Mis hijos no siempre escuchan lo que digo, pero nunca dejan de imitar mis acciones. Seamos líderes que vivamos el discipulado y no solo hablemos y enseñemos al respecto.

Leave a Reply

Your email address will not be published.