Pastoral Involvement in Cell Ministry

By Joel Comiskey, check out: Living in Victory

I encourage pastors (lead and staff pastors) to be intimately involved in cell ministry, whether as a team member in a cell or leading a cell group.  The most important reason is to stay close to the fire and maintainpractical experience in winning others to Jesus. This also prevents the pastor from losing touch with cell group leaders.

There are many arguments that would seemingly contradict a pastor leading an open cell group.  “After all,” someone might say, “Shouldn’t he or she delegate as much as possible? Shouldn’t he rotate among various groups instead of concentrating on one?” Such an argument has its merits, but in my opinion, it falls short. The benefits of leading a cell group far outweigh the shortcomings.

Dale Galloway, former pastor and cell expert, told me that every pastor and staff person led a cell group—even when the church had 6,000 members and 600 cell groups. Galloway insisted that it is foolish to expect others to follow what the senior pastor fails to model. Notice the benefits of leading or being part of a cell team:  

  • A deeper cell church vision.
  • Pastoral burden for cell leaders.
  • Personal interaction with non-Christians.
  • Illustrations for teaching material gleaned from experience.
  • Insight into which cell lessons work and which ones do not.

Above all, it declares in numerous ways that cell ministry is so important that even the pastor is willing to lead or be part of a cell group team.   

The long-term success of cell ministry depends on adjusting cell church principles to each church’s reality. The best laboratory is personal involvement. When a pastor leads a cell group (or part of a cell team), he or she captures the weekly benefits of cell ministry and can relate to fellow cell leaders in the church. As Clarence Day once said, “Information’s pretty thin stuff, unless mixed with experience” (Writer to Writer, p. 58)

Cell involvement, whether attending or leader, allows the pastor to experience the need to invite non-Christians, train new leaders, prepare the study time, and shepherd those in need. It also gives the pastor the chance to determine if his own cell lesson (based on his Sunday morning message) edifies the saints and speaks to non-Christians.

Granted, there might be periods of time when the pastor no longer leads an open cell group. Many pastors of the world’s largest cell churches do not personally lead a cell group. These churches have reached another level: most likely, the pastor already has an intense passion for cell ministry and thus might not need to lead a cell to keep him connected. The norm always has its exceptions and there are probably times when this rule can be broken safely.

While we should avoid legalism, the pastor’s direct involvement in cell ministry is critical to ongoing vitality and fruitfulness.  

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

O envolvimento pastoral no ministério celular

Por Joel Comiskey

Eu encorajo os pastores (pastores líderes e de equipe) a se envolverem intimamente no ministério celular, seja como membro de uma equipe ou liderando uma célula. A razão mais importante é permanecer perto do fogo e manter a experiência prática em ganhar vidas para Jesus. Isso também impede que o pastor perca o contato com os líderes das células.

Existem muitos argumentos que aparentemente contradizem um pastor liderar uma células aberta. “Afinal”, alguém pode dizer, “ele não deve delegar o máximo possível? Ele não deveria alternar entre vários grupos em vez de se concentrar em apenas um?”. Tal argumento tem seus méritos, mas, na minha opinião, não é uma justfcatva plausível. Os benefícios de liderar uma célula superam em muito os pontos negativos.

Dale Galloway, antigo pastor e especialista em células, me disse que todo pastor e membro da equipe liderava uma célula – mesmo quando a igreja tinha 6.000 membros e 600 células. Galloway insistiu que é tolice esperar que outros sigam o que o pastor sênior não consegue exemplificar. Observe os benefícios de liderar ou fazer parte de uma equipe de células:

  • Uma visão mais profunda da igreja em células;
  • Carga pastoral para os líderes de célula;
  • Interação pessoal com não-cristãos;
  • Exemplos práticos para material didático adquiridos através da experiência;
  • Visão sobre quais conteúdos células funcionam e quais não funcionam nas células.


Acima de tudo, isso demonstra de várias maneiras que o ministério celular é tão importante que até o pastor está disposto a liderar ou fazer parte de uma equipe celular.

O sucesso a longo prazo do ministério celular depende do ajuste dos princípios da igreja celular à realidade de cada igreja. O melhor laboratório é o envolvimento pessoal. Quando um(a) pastor(a) lidera uma célula (ou faz parte de uma equipe celular), ele ou ela captura os benefícios semanais do ministério de células e pode se relacionar com outros líderes de célula na igreja. Como Clarence Day disse uma vez, “a informação é uma coisa muito fina, a menos que seja misturada com a experiência” (Writer to Writer, p. 58).

O envolvimento celular, seja como participante ou líder, permite que o pastor experimente a necessidade de convidar não-cristãos, treinar novos líderes, preparar o tempo de estudo e pastorear os necessitados. Também dá ao pastor a chance de determinar se sua própria lição de célula (baseada em sua mensagem de domingo de manhã) edifica os santos e fala com não-cristãos.

É verdade que pode haver períodos em que o pastor não lidere mais uma célula aberta. Muitos pastores das maiores igrejas em células do mundo não lideram pessoalmente uma célula. Essas igrejas atingiram outro nível: provavelmente, o pastor já tem uma intensa paixão pelo ministério de células e, portanto, pode não precisar liderar uma célula para mantê-lo conectado. A norma sempre tem suas exceções e provavelmente há momentos em que essa regra não precise ser seguida.

Embora devamos evitar o legalismo, o envolvimento direto do pastor no ministério de células é fundamental para a vitalidade e prosperidade.

Spanish blog:

Participación Pastoral en el Ministerio Celular

Por Joel Comiskey

Animo a los pastores (líderes y pastores del personal) a que se involucren íntimamente en el ministerio celular, ya sea como miembro del equipo en una célula o liderando un grupo celular. La razón más importante es permanecer cerca del fuego y mantener la experiencia práctica de ganar a otros para Jesús. Esto también evita que el pastor pierda contacto con los líderes de los grupos celulares.

Hay muchos argumentos que aparentemente contradicen a un pastor que dirige un grupo de células abiertas. “Después de todo”, alguien podría decir: “¿No debería él o ella delegar tanto como sea posible? ¿No debería rotar entre varios grupos en lugar de concentrarse en uno? ” Tal argumento tiene sus méritos, pero en mi opinión, se queda corto. Los beneficios de liderar un grupo celular superan con creces las deficiencias.

Dale Galloway, ex pastor y experto en células, me dijo que cada pastor y miembro del personal dirigía un grupo celular, incluso cuando la iglesia tenía 6,000 miembros y 600 grupos celulares. Galloway insistió en que es una tontería esperar que otros sigan lo que el pastor principal no puede modelar. Observa los beneficios de liderar o ser parte de un equipo celular:

¨ Una visión más profunda de la iglesia celular.

¨ Carga pastoral para líderes celulares.

¨ Interacción personal con no cristianos.

¨ Ilustraciones para material didáctico extraídas de la experiencia.

¨ Percepción de qué lecciones celulares funcionan y cuáles no.

Sobre todo, declara de muchas maneras que el ministerio celular es tan importante que incluso el pastor está dispuesto a liderar o ser parte de un equipo de grupo celular.

El éxito a largo plazo del ministerio celular depende de ajustar los principios de la iglesia celular a la realidad de cada iglesia. El mejor laboratorio es la participación personal. Cuando un pastor dirige un grupo celular (o parte de un equipo celular), él o ella captura los beneficios semanales del ministerio celular y puede relacionarse con otros líderes celulares en la iglesia. Como dijo una vez Clarence Day: “La información es bastante delgada, a menos que se mezcle con la experiencia” (escritor a escritor, p. 58)

La participación celular, ya sea que asista o sea líder, le permite al pastor experimentar la necesidad de invitar a no cristianos, capacitar a nuevos líderes, preparar el tiempo de estudio y guiar a los necesitados. También le da al pastor la oportunidad de determinar si su propia lección celular (basada en su mensaje del domingo por la mañana) edifica a los santos y les habla a los no cristianos.

Por supuesto, puede haber períodos de tiempo en que el pastor ya no lidere un grupo de células abiertas. Muchos pastores de las iglesias celulares más grandes del mundo no lideran personalmente un grupo celular. Estas iglesias han alcanzado otro nivel: lo más probable es que el pastor ya tenga una intensa pasión por el ministerio celular y, por lo tanto, tal vez no necesite dirigir una célula para mantenerlo conectado. La norma siempre tiene sus excepciones y probablemente haya momentos en que esta regla se pueda romper de manera segura.

Si bien debemos evitar el legalismo, la participación directa del pastor en el ministerio celular es fundamental para la vitalidad y la cosecha del fruto. 

2 thoughts on “Pastoral Involvement in Cell Ministry

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *