The Trinity Working in Us

By Joel Comiskey, check out: Facilitate

Does anyone really understand the Trinity? No. But we believe the Trinity because Scripture tells us that God is one and exists in three persons: Father, Son, and Holy Spirit. In one sense, God is a small group. And he wants us to be like him. 

God not only “designed” believers to be like himself, but he then works within them to fulfill this design. In reality, a personal relationship with God is not really personal. Rather, it’s communion with the three-in-one who then transforms believers to be like him. As the Trinity works within us, we can begin fulfilling the “one anothers” of Scripture. Jesus himself says a believer cannot bear fruit by himself; he must remain in the vine to bear fruit. As believers remain in the Trinity, his power and transforming love molds and shapes them to live in love and unity.

Small groups help us move from a life of individualism toward one of community. And this requires a powerful inner transformation. The good news is that God is within believers, molding and shaping them to be more community oriented, to reflect the Trinity’s nature. As the Trinity works within believers, they begin to reflect his design for them. This “design” is what Larry Crabb, famous psychologist and popular author, pinpoints, 

We were designed by our Trinitarian God (who is himself a group of three persons in profound relationship with each other) to live in relationship. Without it, we die. It’s that simple. Without a community where we know, explore, discover, and touch one another, we experience isolation and despair that drive us in wrong directions that corrupt our efforts to live meaningfully and to love well.

I’ve written extensively about personal devotions and believe strongly in them. The most important book I’ve written, in fact, is about personal devotions called An Appointment with the King. Yet, increasingly I’ve come to understand that personal devotions are not really personal. Rather, a time of personal devotions is communion with the Trinity, the three-in-one. Devotions are all about growing in a love relationship with a God who does not act independently or in a selfish, individualistic manner. Our relationship with him then overflows to our relationship with others.

Dietrich Bonhoeffer experienced the horrors of Nazi Germany, the embodiment of human-centered pride. Yet, in the midst of such chaos, Bonhoeffer wrote, Life Together, a treatise of God-centered community between believers. He writes,

The believer therefore lauds the Creator, the Redeemer, God, Father, Son, and Holy Spirit, for the bodily presence of a brother. The prisoner, the sick person, the Christian in exile sees in the companionship of a fellow Christian a physical sign of the gracious presence of the triune God.

God helps us see his presence in others and to love them like he does. We begin to see how he is molding people and transforming them into his image. Community, in fact, is the very nature of God.

Korean blog (Click here)

Portuguese blog:

A Trindade trabalha em nós através de pequenos grupos

Por Joel Comiskey

Alguém realmente entende a Trindade?  Não. Mas acreditamos nela porque as Escrituras nos dizem que Deus é um e Ele existe em três pessoas: Pai, Filho e Espírito Santo. Em certo sentido, Deus é um pequeno grupo. E ele quer que sejamos como Ele.

Deus não apenas “designou” os crentes para serem como Ele mesmo, mas Ele trabalha dentro deles para cumprir esse objetivo. Na realidade, um relacionamento pessoal com Deus não é realmente pessoal. Pelo contrário, é a comunhão com o três-em-um que transforma os convertidos para serem semelhantes a ele. À medida que a Trindade trabalha dentro de nós, podemos começar a cumprir os “uns aos outros” das Escrituras. O próprio Jesus diz que um cristão não pode dar frutos sozinho; ele deve permanecer na videira para dar frutos. Enquanto os convertidos permanecem na Trindade, Seu poder e amor transformador os moldam para viver em amor e unidade.

Pequenos grupos nos ajudam a passar de uma vida de individualismo para uma de comunidade. E isso requer uma poderosa transformação interior. A boa notícia é que Deus está dentro dos convertidos, formando-os e moldando-os para serem mais orientados para a comunidade, para refletir a natureza da Trindade. À medida que a Trindade trabalha com eles, eles começam a refletir Seu desígnio para suas vidas. Esse “design” é o que Larry Crabb, famoso psicólogo e autor popular, identifica:

Fomos projetados por nosso Deus trinitário (Ele próprio é um grupo de três pessoas em profundo relacionamento uns com os outros) para viver em um relacionamento. Sem Ele, nós morremos. É simples assim. Sem uma comunidade onde conhecemos, exploramos, descobrimos e tocamos uns aos outros, experimentamos isolamento e desespero que nos levam a direções erradas que corrompem nossos esforços para viver de maneira significativa e amar bem.

Eu escrevi extensivamente sobre devoções pessoais e acredito firmemente nelas. O livro mais importante que escrevi, de fato, é sobre devoções pessoais chamado An Appointment with the King(“Um compromisso com o Rei”, em tradução livre). No entanto, cada vez mais eu entendo que as devoções pessoais não são realmente pessoais. Antes, um tempo de devoção pessoal é a comunhão com a Trindade, os três em um. Devoções se tratam do crescimento de um relacionamento amoroso com um Deus que não age de forma independente ou de maneira egoísta e individualista. Nosso relacionamento com Ele transborda para o nosso relacionamento com os outros.

Dietrich Bonhoeffer experimentou os horrores da Alemanha nazista, a personificação do orgulho centrado no homem. No entanto, em meio a esse caos, Bonhoeffer escreveu Vida em Comunhão,um tratado de comunidade centrada em Deus entre os cristãos. Ele escreve,

O crente louva, portanto, o Criador, o Redentor, Deus, Pai, Filho e Espírito Santo, pela presença corporal de um irmão. O prisioneiro, o doente, o cristão no exílio vê na companhia de um companheiro cristão um sinal físico da presença graciosa do Deus trino.

Deus nos ajuda a ver Sua presença nos outros e a amá-los como Ele ama. Começamos a ver como Ele está moldando as pessoas e as transformando à Sua imagem. Comunidade, de fato, é a própria natureza de Deus.

Spanish blog:

La Trinidad trabajando en nosotros a través de pequeños grupos

Por Joel Comiskey

¿Alguien realmente entiende la Trinidad? No. Pero creemos en la Trinidad porque las Escrituras nos dicen que Dios es uno y existe en tres personas: Padre, Hijo y Espíritu Santo. En cierto sentido, Dios es un grupo pequeño. Y él quiere que seamos como él.

Dios no solo “diseñó” a los creyentes para ser como él, sino que también trabaja dentro de ellos para cumplir con este diseño. En realidad, una relación personal con Dios no es realmente personal. Más bien, es la comunión tres en uno que luego transforma a los creyentes para que sean como él. A medida que la Trinidad trabaja dentro de nosotros, podemos comenzar a cumplir con el mandato del “unos por otros” de la Escritura. Jesús mismo dice que un creyente no puede dar fruto por sí mismo; debe permanecer en la vid para dar fruto. A medida que los creyentes permanecen en la Trinidad, su poder y su amor transformador los moldea y les da forma para vivir en amor y unidad.

Los grupos pequeños nos ayudan a pasar de una vida de individualismo a una de comunidad. Y esto requiere una poderosa transformación interna. La buena noticia es que Dios está dentro de los creyentes, moldeándolos y formándolos para que estén más orientados a la comunidad, para reflejar la naturaleza de la Trinidad. A medida que la Trinidad trabaja dentro de los creyentes, comienzan a reflejar su diseño para ellos. Este “diseño” es lo que señala Larry Crabb, famoso psicólogo y autor popular,

Fuimos diseñados por nuestro Dios trinitario (que es un grupo de tres personas en una relación profunda entre sí) para vivir en relación. Sin esto, morimos. Es así de simple. Sin una comunidad donde nos conozcamos, exploremos, descubramos y nos toquemos, experimentamos aislamiento y desesperación que nos llevan a direcciones equivocadas que corrompen nuestros esfuerzos por vivir de manera significativa y amar bien.

He escrito extensamente sobre devociones personales y creo firmemente en ellas. El libro más importante que he escrito, de hecho, trata sobre devociones personales llamado Una cita con el rey. Sin embargo, cada vez más he llegado a comprender que las devociones personales no son realmente personales. Más bien, un tiempo de devociones personales es la comunión con la Trinidad, tres en uno. Las devociones se tratan de crecer en una relación de amor con un Dios que no actúa de manera independiente o de manera egoísta e individualista. Nuestra relación con él se desborda a nuestra relación con los demás.

Dietrich Bonhoeffer experimentó los horrores de la Alemania nazi, la encarnación del orgullo centrado en el ser humano. Sin embargo, en medio de tal caos, Bonhoeffer escribió: Vida Juntos (Life Together) , un tratado de comunidad centrada en Dios entre creyentes. Él escribe,

“Por lo tanto, el creyente elogia al Creador, el Redentor, Dios, Padre, Hijo y Espíritu Santo, por la presencia corporal de un hermano. El prisionero, la persona enferma, el cristiano en el exilio ve en la compañía de un compañero cristiano, un signo físico de la graciosa presencia del Dios trino.”

Dios nos ayuda a ver su presencia en los demás y a amarlos como él. Comenzamos a ver cómo está moldeando a las personas y transformándolas a su imagen. La comunidad, de hecho, es la naturaleza misma de Dios.

Christ’s Last Words to His Disciples

By Joel Comiskey, check out: Facilitate

This month we’re sharing key verses and passages that talk about small group ministry. I’m glad we’re doing this because the Bible, unlike tradition, is the foundation for our faith and life. But I also think Scripture must inform our ministry philosophy. In my book Biblical Foundations for the Cell-based Church I talk a lot about biblical truths that should guide ministry.  But do all hold equal weight? I don’t think so.

My personal conviction is that the essence of cell ministry comes from Matthew 28:18-20: Make disciples.

In Matthew 28, Jesus is telling his own group of disciples to develop another group of disciples. Jesus expected his disciples to follow his pattern of exemplifying his power and love through practical teaching and examples. Jesus developed his own group of twelve and hung out with them for three years. In the atmosphere of the group, these disciples were molded, shaped, trained, and then sent forth. The same disciples became the key leaders of the early Church. Christ’s purpose in molding them in the small group had a greater purpose.

A critical part of becoming a disciple is relating with other believers in a group setting. Granted, becoming a disciple of Jesus also involves growth in the spiritual disciplines, hearing God’s Word regularly preached, and other activities. But small group involvement is at the heart of the great commission to make disciples. And we can see how the disciples fulfilled Christ’s great commission through the early church house churches. The early Church followed Christ’s pattern and changed the world house by house. Those house churches celebrated together.

Cell ministry isn’t primarily about the cell but making disciples who are molded, shaped, and transformed through the cell system. As leaders understand this process, a new, purer motivation develops that compels the pastor forward because of a new understanding of the why of cell ministry. Understanding that the cell strategy is primarily about making disciples places cell ministry within the biblical framework and encourages pastors to stop focusing on outward models and to prioritize a secure biblical anchor for ministry.

We become disciples as we learn to love one another and allow others to hold us accountable. This was the type of discipleship Jesus had in mind when he commanded his disciples to continue his own strategy for disciple-making in the group environment. Let’s make disciples through cell church ministry.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

As últimas palavras de Cristo para seus discípulos

Por Joel Comiskey

Neste mês, estamos compartilhando versículos e passagens importantes que falam sobre o ministério de células. Fico feliz por estarmos fazendo isso porque a Bíblia, como tradição, é o fundamento da nossa fé e vida. Mas também acho que as Escrituras devem informar nossa filosofia de ministério. No meu livro Biblical Foundations for the Cell-based Church (“Fundamentos Bíblicos para a Igreja Baseada em Células”, em tradução livre), falo muito sobre verdades bíblicas que devem guiar o ministério. Mas todas elas têm peso igual? Eu penso que não.

Minha convicção pessoal é que a essência do ministério celular vem de Mateus 28:18-20: fazer discípulos.

Em Mateus 28, Jesus está dizendo ao seu próprio grupo de discípulos para desenvolver outro grupo de discípulos. Jesus esperava que seus discípulos seguissem seu padrão de exemplificar seu poder e amor por meio de ensinamentos e exemplos práticos. Jesus desenvolveu seu próprio grupo de doze e ficou com eles por três anos. Na atmosfera do grupo, esses discípulos foram moldados, modelados, treinados e depois enviados. Os mesmos discípulos se tornaram os principais líderes da Igreja Primitiva. O propósito de Cristo em moldá-los no pequeno grupo tinha um propósito maior.

Uma parte crítica de se tornar um discípulo é a preocupação com outros crentes em um ambiente de grupo. É verdade que tornar-se discípulo de Jesus também envolve crescimento nas disciplinas espirituais, ouvir regularmente a Palavra de Deus sendo pregada e outras atividades. Mas o envolvimento em pequenos grupos está no centro da grande comissão de fazer discípulos. E podemos ver como os discípulos cumpriram a grande comissão de Cristo através das igrejas domésticas da Igreja Primitiva. A Igreja Primitiva seguiu o padrão de Cristo e mudou o mundo de casa em casa. As igrejas domésticas celebravam juntas.

O ministério celular não é primariamente sobre a célula, mas sobre fazer discípulos que são moldados, modelados e transformados através do sistema celular. Os líderes entendem esse processo, uma motivação nova e mais pura se desenvolve que leva o pastor a avançar por causa de uma nova compreensão do porquê do ministério de células. Compreender que a estratégia celular é principalmente sobre fazer discípulos coloca o ministério celular dentro da estrutura bíblica e incentiva os pastores a pararem de se concentrar em modelos externos e a priorizarem uma âncora bíblica segura para o ministério.

Tornamo-nos discípulos à medida que aprendemos a amar uns aos outros e permitimos que os outros nos responsabilizem. Esse era o tipo de discipulado que Jesus tinha em mente quando ordenou que seus discípulos dessem continuidade à Sua própria estratégia para fazer discípulos no ambiente de grupo. Vamos fazer discípulos através do ministério da igreja em células!

Spanish blog:

Las últimas palabras de Cristo a sus discípulos

Por Joel Comiskey

Este mes compartimos versículos y pasajes clave que hablan sobre el ministerio celular. Me alegra que estemos haciendo esto porque la Biblia, a diferencia de la tradición, es la base de nuestra fe y vida. Pero también creo que las Escrituras deben informar nuestra filosofía ministerial. En mi libro Fundamentos bíblicos para la Iglesia basada en células, hablo mucho sobre verdades bíblicas que deberían guiar el ministerio. ¿Pero todas tienen el mismo peso? No lo creo.

Mi convicción personal es que la esencia del ministerio celular proviene de Mateo 28: 18-20: hacer discípulos.

En Mateo 28, Jesús le dice a su propio grupo de discípulos que desarrollen otro grupo de discípulos. Jesús esperaba que sus discípulos siguieran su patrón de ejemplificar su poder y amor a través de enseñanzas prácticas y ejemplos. Jesús desarrolló su propio grupo de doce y estuvo con ellos durante tres años. En la atmósfera del grupo, estos discípulos fueron moldeados, formados, entrenados y luego enviados. Los mismos discípulos se convirtieron en los líderes clave de la Iglesia primitiva. El propósito de Cristo al moldearlos en el grupo pequeño tenía un propósito mayor.

Una parte crítica de convertirse en discípulo es relacionarse con otros creyentes en un entorno grupal. Por supuesto, convertirse en discípulo de Jesús también implica crecer en las disciplinas espirituales, escuchar la Palabra de Dios que se predica regularmente y otras actividades. Pero la participación de grupos pequeños está en el corazón de la gran comisión para hacer discípulos. Y podemos ver cómo los discípulos cumplieron la gran comisión de Cristo a través de las células en las iglesias primitivas. La Iglesia primitiva siguió el patrón de Cristo y cambió el mundo casa por casa. Esas iglesias en casas celebraron juntas.

El ministerio celular no se trata principalmente de la célula, sino de hacer discípulos moldeados, formados y transformados a través del sistema celular. A medida que los líderes entienden este proceso, se desarrolla una motivación nueva y más pura que obliga al pastor a avanzar debido a una nueva comprensión del por qué del ministerio celular. Comprender que la estrategia celular se trata principalmente de hacer discípulos coloca el ministerio celular dentro del marco bíblico y alienta a los pastores a dejar de enfocarse en modelos externos y priorizar un ancla bíblica segura para el ministerio.

Nos convertimos en discípulos a medida que aprendemos a amarnos unos a otros y permitir que otros nos hagan responsables. Este era el tipo de discipulado que Jesús tenía en mente cuando ordenó a sus discípulos que continuaran su propia estrategia para hacer discípulos en el ambiente grupal. Hagamos discípulos a través del ministerio de la iglesia celular.

Building a Strong Foundation

By Joel Comiskey, check out: Facilitate

Not long after the Twin Tower “9-11” tragedy, architects started drawing up plans for a new World Trade Center. When I visited the site five years after 9-11, I noticed that construction workers were still working on the foundation of the new structure. They had not yet begun construction on the actual buildings. The foundation was so critical to the new structure; it took years to complete. The workers did finally start building the new World Trade Center-only after the foundation was laid.

Jesus, the master builder, told His disciples how to build a sturdy foundation. The key, according to Jesus, was building the foundation on bedrock, rather than sand. The bedrock is obedience to God’s Words. The sand is human reasoning and logic (Matthew 7:24-27).

In the early years of my cell church research, I became enamored with the cell church concept because of its potential for church growth. I noticed that the largest churches in the world were cell churches, and I visited many of them to discover patterns and principles. The rapid growth of these cell churches and my own church growth philosophy were like a match to gasoline. Church growth ignited my soul with a deep passion for cell ministry.

But then I began to realize that in many places around the world (like the West) cell church transforms the church through a purification process. Church growth is slow but cell church helps Christ’s church go deeper.The more I travel on my cell church journey, the more I see that the cell church strategy doesn’t automatically produce rapid growth. God reserves growth for himself. He wants to receive the glory for all church growth. By his grace, he doesn’t allow man to glory in himself. God wants to get all the glory.

Cell church is not the latest, greatest church growth strategy. If it were, it would simply be a passing fad until the next hotter, more relevant strategy comes along. 

If you want to continue over the long haul, your cell group methodology must rest upon a sure theological foundation. No one understands this better than the primary pioneer of cell church thinking, Ralph Neighbour. He has an entire section in his book Where Do We Go From Here entitled “Theology Breeds Methodology.” He would always start his cell conferences with a talk on this topic. And Ralph has seen his share of resistance to his core cell convictions. But to this day, even into his late eighties, he is still traveling the globe helping to establish cell churches.

Theology is the sure foundation on which to build a cell church ministry. Some of the key verses in the Bible are:

  • Acts 20:20: You know that I have not hesitated to preach anything that would be helpful to you but have taught you publicly and from house-to-house.
  • Acts 2:46: Every day they continued to meet together in the temple courts. They broke bread in their homes and ate together with glad and sincere hearts. 
  • Acts 12:12: When this had dawned on him, he went to the house of Mary the mother of John, also called Mark, where many people had gathered and were praying.
  • Romans 16:3-5: Greet Priscilla and Aquila, my fellow workers in Christ Jesus. . . . Greet also the church that meets at their house.
  • 1 Corinthians 16:19: The churches in the province of Asia send you greetings. Aquila and Priscilla greet you warmly in the Lord, and so does the church that meets at their house.
  • Colossians 4:15: Give my greetings to the brothers at Laodicea, and to Nympha and the church in her house.
  • Philemon 2: to Apphia our sister, to Archippus our fellow soldier and to the church that meets in your home.

All the New Testament letters were written to first century house churches.  

We know the Bible is the basis and motivation for cell ministry. My book Biblical Foundations for the Cell-Based Church  explores the biblical base for the cell church. 

We press on in cell ministry because we believe it’s based in the Bible. So for September, we’ll be looking at those biblical passages or truths that inspire pastors and leaders the most about cell ministry. If you’d like to receive these blogs in your emails inbox, please click here. We’ll be discussing: 

  • September 01-07: Important/favorite biblical truths and why they are important
  • September 08-14: Important/favorite biblical truths and why they are important. 
  • September 15-21: Important/favorite biblical truths and why they are important.
  • September 22-June 28: Important/favorite biblical truths and they are important.
  • September 29-October 05: Important/favorite biblical truths and why they are important.

Feel free to share your experiences here.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Construindo uma base sólida

Por Joel Comiskey

Pouco depois da tragédia das Torres Gêmeas “11 de setembro”, os arquitetos começaram a elaborar planos para um novo World Trade Center. Quando visitei o local cinco anos após o 11 de setembro, notei que os trabalhadores da construção ainda estavam trabalhando na fundação da nova estrutura. Ainda não haviam começado a construção dos prédios reais. A fundação foi muito crítica para a nova estrutura; demorou anos para ser concluída. Os trabalhadores finalmente começaram a construir o novo World Trade Center – somente após a fundação.

Jesus, o mestre de obras, disse a Seus discípulos como construir uma base sólida. A chave, de acordo com Jesus, era construir os alicerces sobre a rocha, em vez de areia. O alicerce é a obediência às Palavras de Deus. A areia é o raciocínio e a lógica humana (Mateus 7:24-27).

Nos primeiros anos de minha pesquisa sobre igrejas em células, fiquei apaixonada pelo conceito de igreja em células por causa de seu potencial de crescimento. Percebi que as maiores igrejas do mundo eram igrejas em células e visitei muitas delas para descobrir padrões e princípios. O rápido crescimento dessas igrejas em células e minha própria filosofia de crescimento foram como uma chama na gasolina. O crescimento da igreja acendeu minha alma com uma profunda paixão pelo ministério de células.

Mas então comecei a perceber que em muitos lugares ao redor do mundo (como no Ocidente) a igreja em células transforma a igreja através de um processo de purificação. O crescimento da igreja é lento, mas a igreja celular ajuda a igreja de Cristo a se aprofundar. Quanto mais eu viajo em minha jornada pela igreja em células, mais vejo que a estratégia celular não produz automaticamente um crescimento rápido. Deus reserva o crescimento para si mesmo. Ele quer receber a glória por todo o crescimento da igreja. Por Sua graça, ele não permite que o homem se glorie em si mesmo. Deus quer receber toda a glória.

A igreja em células não é a maior e mais recente estratégia de crescimento da igreja. Se fosse assim, seria simplesmente uma moda passageira até a próxima estratégia mais quente e mais relevante aparecer.

Se você deseja continuar a longo prazo, a metodologia de sua célula deve se basear em uma base teológica segura. Ninguém entende isso melhor do que o pioneiro principal do pensamento da igreja em células, Ralph Neighbour. Ele tem uma seção inteira em seu livro Where Do We Go From Here (“Para onde vamos a partir daqui”, em tradução livre), intitulado “Teologia gera Metodologias”. Ele sempre iniciava suas conferências de células com uma palestra sobre esse assunto. E Ralph encontrou sua parcela de resistência às convicções principais sobre células. Mas até hoje, mesmo no final de seus oitenta anos, ele ainda está viajando pelo mundo ajudando a estabelecer igrejas em células.

A teologia é a base segura sobre a qual construir um ministério de igreja em células. Alguns dos principais versículos da Bíblia são:

  • Atos 20:20: “Vocês sabem que não deixei de pregar a vocês nada que fosse proveitoso, mas ensinei tudo publicamente e de casa em casa”.
  • Atos 2:46: “Todos os dias, continuavam a reunir-se no pátio do templo. Partiam o pão em casa e juntos participavam das refeições, com alegria e sinceridade de coração”.
  • Atos 12:12: “Percebendo isso, ele se dirigiu à casa de Maria, mãe de João, também chamado Marcos, onde muita gente se havia reunido e estava orando”.
  • Romanos 16: 3-5: Cumprimente Priscila e Áquila, meus colegas de trabalho em Cristo Jesus.  .  .  .  Saudai também a igreja que se encontra em sua casa.
  • 1 Coríntios 16:19: “Saúdem Priscila e Áquila, meus colaboradores em Cristo Jesus. Arriscaram a vida por mim. Sou grato a eles; não apenas eu, mas todas as igrejas dos gentios. Saúdem também a igreja que se reúne na casa deles”.
  • Colossenses 4:15: “Saúdem os irmãos de Laodiceia, bem como Ninfa e a igreja que se reúne em sua casa”.
  • Filêmon 2: “à irmã Áfia, a Arquipo, nosso companheiro de lutas, e à igreja que se reúne com você em sua casa”.

Todas as cartas do Novo Testamento foram escritas para igrejas domésticas do primeiro século.

Sabemos que a Bíblia é a base e a motivação para o ministério celular. Meu livro Fundamentos Bíblicos para a Igreja Baseada em Células explora a base bíblica da igreja em células.

Prosseguimos no ministério de células porque acreditamos que é baseado na Bíblia. Portanto, em setembro, examinaremos as passagens ou verdades bíblicas que mais inspiram pastores e líderes sobre o ministério de células. Se você deseja receber esses blogs em sua caixa de entrada de e-mails, clique aqui.  Vamos discutir:

  • 01-07 de setembro: Verdades bíblicas importantes/favoritas e por que são importantes;
  • 08-14 de setembro: Verdades bíblicas importantes / favoritas e por que são importantes;
  • 15-21 de setembro: Verdades bíblicas importantes/favoritas e por que são importantes.;
  • 22 de setembro a 28 de junho: Verdades bíblicas importantes/favoritas e são importantes;
  • 29 de setembro a 05 de outubro: Verdades bíblicas importantes/favoritas e por que são importantes.

Sinta-se livre para compartilhar suas experiências aqui.

Spanish blog:

Construyendo Una Base Sólida

Por Joel Comiskey  

No mucho después de la tragedia del 9-11 de las Torres Gemelas, los arquitectos comenzaron a elaborar planes para un nuevo World Trade Center (Centro de Comercio Mundial). Cuando visité el sitio cinco años después del 11 de septiembre, noté que los trabajadores de la construcción todavía estaban trabajando en los cimientos de la nueva estructura.

Todavía no habían comenzado la construcción de los edificios reales. La base fue tan crítica para la nueva estructura; Tomó años completarlo. Los trabajadores finalmente comenzaron a construir el nuevo World Trade Center, solo después de sentar las bases. Jesús, el maestro de obras, les dijo a sus discípulos cómo construir una base sólida. La clave, según Jesús, era construir los cimientos sobre la roca, en lugar de arena. El lecho de roca es la obediencia a la palabra de Dios. La arena es razonamiento y lógica humana (Mateo 7: 24-27). 

En los primeros años de mi investigación de la iglesia celular, me enamoré del concepto de la iglesia celular debido a su potencial para el crecimiento de la iglesia. Noté que las iglesias más grandes del mundo eran iglesias celulares, y visité muchas de ellas para descubrir patrones y principios. El rápido crecimiento de estas iglesias celulares y mi propia filosofía de crecimiento de la iglesia fueron como una combinación con la gasolina. El crecimiento de la iglesia encendió mi alma con una profunda pasión por el ministerio celular. 

Pero luego comencé a darme cuenta de que en muchos lugares del mundo (como Occidente) la iglesia celular transforma a la iglesia a través de un proceso de purificación. El crecimiento de la iglesia es lento, pero la iglesia celular ayuda a la iglesia de Cristo a profundizarse. Cuanto más recorro en mi viaje de la iglesia celular, más veo que la estrategia de la iglesia celular no produce automáticamente un crecimiento rápido. Dios se reserva el crecimiento para sí mismo. Él quiere recibir la gloria por todo el crecimiento de la iglesia. Por su gracia, no permite que el hombre se gloríe en sí mismo. Dios quiere obtener toda la gloria. La iglesia celular no es la última y más grande estrategia de crecimiento de la iglesia. Si lo fuera, simplemente sería una moda pasajera hasta la próxima estrategia más nueva y más relevante. 

Si deseas continuar a largo plazo, la metodología de tu grupo celular debe descansar sobre una base teológica segura. Nadie entiende esto mejor que el principal pionero del pensamiento de la iglesia celular, Ralph Neighbour. Tiene una sección completa en su libro Where We Go From Here (a dónde vamos desde aquí) titulada “Theology Breeds Methodology (teología crea metodología). Ralph siempre inicia sus conferencias celulares con una charla sobre este tema. Y Ralph ha visto una parte de resistencia hacia sus convicciones en las células como programa central. Pero hasta el día de hoy, incluso a sus ochenta años, todavía está viajando por el mundo ayudando a establecer iglesias celulares. La teología es la base segura sobre la cual construir un ministerio de iglesia celular. Algunos de los versículos clave en la Biblia son: 

  • Hechos 20:20: y cómo nada que fuese útil he rehuido de anunciaros y enseñaros, públicamente y por las casas,
  • Hechos 2:46: Y perseverando unánimes cada día en el templo, y partiendo el pan en las casas, comían juntos con alegría y sencillez de corazón,
  • Hechos 12:12: Y habiendo considerado esto, llegó a casa de María la madre de Juan, el que tenía por sobrenombre Marcos, donde muchos estaban reunidos orando.
  • Romanos 16: 3-5: Saluden a Priscila y a Aquila, mis compañeros de trabajo en Cristo Jesús. . . . Salude también a la iglesia que se reúne en su casa.
  • 1 Corintios 16:19: Las iglesias de Asia os saludan. Aquila y Priscila, con la iglesia que está en su casa, os saludan mucho en el Señor, y también la iglesia que se reúne en su casa.
  • Colosenses 4:15: Saludad a los hermanos que están en Laodicea, y a Ninfas y a la iglesia que está en su casa.
  • Filemón 1:2 : y a la amada hermana Apia, y a Arquipo nuestro compañero de milicia, y a la iglesia que está en tu casa:

 Todas las cartas del Nuevo Testamento fueron escritas a las iglesias en casas del primer siglo. Sabemos que la Biblia es la base y la motivación para el ministerio celular. Mi libro Fundamentos bíblicos para la iglesia celular explora la base bíblica acerca de está.  Seguimos adelante en el ministerio celular porque creemos que está basado en la Biblia. Entonces, para septiembre, veremos esos pasajes bíblicos o verdades que inspiran más a los pastores y líderes sobre el ministerio celular. Si deseas recibir estos blogs en tu bandeja de entrada de tu correo, haz clic aquí. Estaremos discutiendo: 

  • 01-07 de septiembre: verdades bíblicas importantes / favoritas y por qué son importantes
  • 08-14 de septiembre: verdades bíblicas importantes / favoritas y por qué son importantes.
  • 15-21 de septiembre: verdades bíblicas importantes / favoritas y por qué son importantes.
  • 22 de septiembre al 28 de junio: verdades bíblicas importantes / favoritas y porqué son importantes.
  • 29 de septiembre al 05 de octubre: verdades bíblicas importantes / favoritas y por qué son importantes.

 Siéntete libre de compartir tus experiencias aquí.
Joel

Share the Load

By Joel Comiskey, check out: Facilitate

People do need personal care and attention in the small group. Someone needs to develop the new believer, encourage the weaker Christian, and challenge the mature. And then there’s prayer, hospital visitation, and so forth. Many cell leaders are over-burdened with cell leadership because they think they are responsible to do everything. The good news is that the leader should not feel obligated to do it all. In fact, the worse leaders do it all.

Michael Mack’s book Burn-out Free Small Group Leadership talks about sharing the load. The best cell leaders delegate. They believe that the Holy Spirit dwells with each believer, and they trust the Holy Spirit to do his work through everyone. Paul said to the Roman house church, “I myself am convinced, my brothers and sisters, that you yourselves are full of goodness, filled with knowledge and competent to instruct one another”(Romans 15:14). Paul was convinced that each person was an anointed minister and capable of ministering to others.

Trusting the Holy Spirit in each cell member refers to spiritual gift use, participating in the cell, as well as developing relationships within others. One particular cell leader was troubled with the time requirements of cell ministry—specifically with the building of relationships. With a full-time job, a young family, and very little time to offer the church and the cell, he thought he was supposed to also develop the relationships between the cell members.

I told the leader that he didn’t need to take the community burden upon himself and that it wasn’t his role. I told him that each member of the cell is responsible to build relationships with each other. I told him that his task was to direct the body of Christ (e.g., those in the cell) to love and serve one another.

Relationship building is such an essential part of cell ministry that it should not be a one-person responsibility. All members must be involved. Scripture tells us that we are all ministers, all priests of the living God (Revelation 1:6). The Bible tells us in 1 Corinthians 12 that each plays a vital role in the body of Christ. Ephesians 4:16 says, “From him the whole body, joined and held together by every supporting ligament, grows and builds itself up in love, as each part does its work.”

A true cell group is about everyone in it. If the leader is the one who does everything, the members will not learn the importance of reaching out to one another. They will not grow together. Robert Lay, the leader of an exciting cell resourcing movement in Brazil, repeats this phrase over and over: every house a church and every member a minister.

We are all ministers. The cell is uniquely positioned to make this truth a reality. Everyone should be involved in making it work.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Compartilhe a Carga

De Joel Comiskey

As pessoas precisam de cuidados pessoais e atenção no pequeno grupo. Alguém precisa desenvolver o novo convertido, encorajar o cristão mais fraco e desafiar o maduro. E depois há oração, visitas hospitalares e assim por diante. Muitos líderes de célula estão sobrecarregados com a liderança da célula porque pensam que são responsáveis ​​por fazer tudo. A boa notícia é que o líder não deve se sentir obrigado a fazer tudo isso. De fato, os piores líderes fazem tudo sozinhos.

O livro de Michael Mack “Burn-out Free Small Group Leadership” fala sobre compartilhar a carga. Os melhores líderes de célula delegam. Eles acreditam que o Espírito Santo habita com cada crente, e confiam no Espírito Santo para fazer o Seu trabalho através de todos. Paulo disse à igreja romana: “Meus irmãos, eu mesmo estou convencido de que vocês estão cheios de bondade e plenamente instruídos, sendo capazes de aconselhar-se uns aos outros” Romanos 15:14. Paulo estava convencido de que cada pessoa era um ministro ungido e capaz de ministrar aos outros.

Confiar no Espírito Santo em cada membro da célula refere-se ao uso do dom espiritual, participação na célula, bem como o desenvolvimento de relacionamentos com os outros. Um líder de uma determinada célula estava preocupado com o tempo necessário ao ministério de célula – especificamente com a construção de relacionamentos. Com um emprego em tempo integral, uma família jovem e muito pouco tempo para oferecer à igreja e à célula, ele achava que deveria desenvolver também as relações entre os membros da célula.

Eu disse ao líder que ele não precisava assumir o fardo da comunidade e que esse não era o papel dele. Eu lhe disse que cada membro da célula é responsável por construir relacionamentos uns com os outros. E disse que sua tarefa era guiar o Corpo de Cristo (por exemplo, as pessoas na célula) para amar e servir uns aos outros.

A construção de relacionamentos é uma parte tão essencial do ministério celular que não deve ser responsabilidade de uma só pessoa.Todos os membros devem estar envolvidos. As Escrituras nos dizem que somos todos ministros, todos sacerdotes do Deus vivo (Apocalipse 1:6). A Bíblia nos diz em 1 Coríntios 12 que cada um desempenha um papel vital no corpo de Cristo. Efésios 4:16 diz: “Dele todo o corpo, ajustado e unido pelo auxílio de todas as juntas, cresce e edifica-se a si mesmo em amor, na medida em que cada parte realiza a sua função” Efésios 4:16.

Uma célula verdadeira é sobre todos. Se o líder é quem faz tudo, os membros não aprendem a importância de se aproximar uns dos outros. Eles não vão crescer juntos. Robert Lay, o líder de um incrível movimento de recursos de células no Brasil, repete essa frase várias vezes: cada casa uma igreja e cada membro um ministro.

Somos todos ministros. A célula está posicionada de forma única para tornar essa verdade uma realidade. Todos devem estar envolvidos para que isso funcione.

Spanish blog:

Comparte la carga 

Por Joel Comiskey 

Las personas necesitan cuidado y atención personal en el célula. Alguien necesita desarrollar al nuevo creyente, alentar al cristiano más débil y desafiar al maduro. Y luego hay oración, visitas al hospital, etc. Muchos líderes celulares están sobrecargados de liderazgo celular porque piensan que son responsables de hacer todo. La buena noticia es que el líder no debe sentirse obligado a hacerlo todo. De hecho, los peores líderes lo hacen todo. 

El libro de Michael Mack, Cansado Liderazgo libre para grupos celulares (Burn-out Free Small Group Leadership) habla sobre compartir la carga. El mejor delegado de líderes celulares. Creen que el Espíritu Santo mora con cada creyente, y confían en que el Espíritu Santo hará su obra a través de todos. Pablo dijo a la iglesia de la casa romana: “Yo mismo estoy convencido, mis hermanos y hermanas, de que ustedes mismos están llenos de bondad, llenos de conocimiento y competentes para instruirse unos a otros” (Romanos 15:14). Pablo estaba convencido de que cada persona era un ministro ungido y capaz de ministrar a los demás. 

Confiar en el Espíritu Santo en cada miembro de la célula se refiere al uso del don espiritual, participar en la célula y desarrollar relaciones dentro de los demás. Un líder celular en particular estaba preocupado con los requisitos de tiempo del ministerio celular, específicamente con la construcción de relaciones. Con un trabajo a tiempo completo, una familia joven y muy poco tiempo para ofrecer a la iglesia y la célula, pensó que también se suponía que desarrollaría las relaciones entre los miembros de la célula. 

Le dije al líder que no necesitaba cargar con la carga de la comunidad y que ese no era su papel. Le dije que cada miembro de la célula es responsable de construir relaciones entre sí. Le dije que su tarea era dirigir al cuerpo de Cristo (por ejemplo, aquellos en la célula) a amarse y servirse unos a otros. 

La construcción de relaciones es una parte tan esencial del ministerio celular que no debería ser una responsabilidad de una sola persona. Todos los miembros deben estar involucrados. Las Escrituras nos dicen que todos somos ministros, todos sacerdotes del Dios viviente (Apocalipsis 1: 6). La Biblia nos dice en 1 Corintios 12 que cada uno juega un papel vital en el cuerpo de Cristo. Efesios 4:16 dice: “de quien todo el cuerpo, bien concertado y unido entre sí por todas las coyunturas que se ayudan mutuamente, según la actividad propia de cada miembro, recibe su crecimiento para ir edificándose en amor”. 

Un verdadero grupo celular se trata de todos los que lo integran. Si el líder es el que hace todo, los miembros no aprenderán la importancia de comunicarse entre ellos. No crecerán juntos. Robert Lay, el líder de un emocionante movimiento de recursos celulares en Brasil, repite esta frase una y otra vez: cada casa es una iglesia y cada miembro es un ministro. 

Todos somos ministros. La célula está en una posición única para hacer realidad esta verdad. Todos deberían participar para que funcione.

The Cell within the Cell

By Joel Comiskey, check out: Facilitate

Most of you reading this newsletter know that I believe the cell should be the base of the church and that everyone should attend small and large group gatherings (cell and celebration). And you also know that I believe that the small group is the best place to practice community and live out the gospel message. But can a cell group properly care for each member? 

I was in Brazil recently and I remember that the host church pastor said something like, “Joel, I just want to make sure everyone in the cell group is properly cared for. Sadly, we haven’t done a very good job of this in the past, and I want to change.”  

Many pastors and leaders turn to the cell strategy because they want everyone in the church to be cared for. Is the cell sufficient to do this? Yes and no. Of course, the cell in itself won’t care for anyone. Rather, the leader or shepherd must proactively care for the members through visitation, phone calls, prayer and so forth. But often volunteer cell leaders don’t do an adequate job of caring for each member.  

It helps a lot if the leader has developed a team to help in the care process. Jesus had a team of three in his own group of twelve. A team can help carry the load of the cell leader in the process of shepherding everyone in the group.  

Some cell churches have honed into cell member care and spiritual growth even further and developed the cell within the cell. One of the greatest cell church examples was the 18th century Methodist movement. Everyone was required to belong to a life-giving small group. But the Methodist also encouraged the cell members to belong to an optional smaller band of 4-5 people (Rob Campbell blogs tomorrow about the structure of those bands). 

The Elim Church has given us a modern day example of the cell within the cell through their weekly “planning meetings.” At the Elim Church, the nucleus of the cell (those who feel the urging) meets during the week to pray, read Scripture, and plan for the upcoming Saturday cell group. The planning meeting offers more in-depth care and community for cell members. 

Additionally, Ralph Neighbour and others promote dividing the cell into triads (groups of three) composed of stronger and weaker believers. For example, a new believer would be assigned to a triad with mature believers who would also walk the new believer through the church-wide equipping.  

The cell church has always encouraged individual members of the cell to meet together during the week to build relationships, prayer for one another, and grow together as Christ’s body. 

The goal of the cell within the cell, just like the goal of the entire church strategy, is to make disciples who make disciples of Jesus Christ. That is, to help each person become like Jesus and to grow in his likeness.  

What do your cell groups do to make sure every member is properly cared for and maturing in their relationship with Jesus Christ? During the month of August we will be discussing the “cell within the cell.” Experienced pastors and leaders will write 20 blogs on this topic. If you’d like to receive these blogs in your emails inbox, please click here. We’ll be discussing: 

  • August 04 to 10: The importance of caring for each member on a deeper level, remembering that the cell leader doesn’t need to do all the caring but should encourage members to minister to each other. 
  • August 11 to 17: How to create a cell within the cell. Cell church has always encouraged cell members to get together personally with other members or in smaller groups. In other words, the burden of relational discipleship should be distributed among cell members, rather than the leader. Some, like Elim, have weekly nucleus meetings. Neighbour promotes triads.
  • August 18 to 24: Practical suggestions to create personal care for each member. What can the leader do? Cell members? Church?
  • August 25 to 31: How to overcome the obstacles of busyness. Many members find it hard to even attend the cell meeting, let alone additional meetings. Many churches link the equipping with member involvement. Could a more mature member take spiritually weaker member through the first steps of the equipping? How might spiritual giftedness connect members?

Portuguese blog:

A Célula Dentro da Célula

Por Joel Comiskey

A maioria de vocês sabe que eu acredito que a célula deve ser a base da igreja e que todos devem participar de pequenas e grandes reuniões de grupo (célula e culto de celebração). E você também sabe que eu acredito que o pequeno grupo é o melhor lugar para praticar a comunidade e viver a mensagem do evangelho. Mas uma célula pode cuidar adequadamente de cada membro?

Eu estive no Brasil recentemente e lembro que o pastor da igreja anfitriã disse algo como: “Joel, eu só quero ter certeza de que todas as pessoas nas células sejam bem tratadas. Infelizmente, não fizemos um bom trabalho nisso no passado, e eu quero mudar”.

Muitos pastores e líderes recorrem à estratégia das células porque querem que todos na igreja sejam cuidados. A célula é suficiente para fazer isso? Sim e não. Claro, a célula em si não se importa com ninguém. Em vez disso, o líder ou pastor deve cuidar proativamente dos membros por meio de visitas, telefonemas, orações e assim por diante. Mas muitas vezes os líderes de células voluntários não fazem um trabalho adequado de cuidar de cada membro.

Ajuda muito se o líder tiver desenvolvido uma equipe para ajudar no processo de cuidado. Jesus tinha uma equipe de três pessoas em seu próprio grupo de doze (Pedro, Tiago e João). Uma equipe pode ajudar a carregar a carga do líder da célula no processo de pastorear todos no grupo.

Algumas igrejas em células aperfeiçoaram ainda mais o cuidado com os membros da célula e com o crescimento espiritual e desenvolveram uma célula dentro da célula. Um dos maiores exemplos da igreja celular foi o movimento metodista do século XVIII. Todos deveriam pertencer a um grupo pequeno que gera vida. Mas a Metodista também encorajou os membros da célula a pertencerem a um grupo menor opcional de 4 a 5 pessoas (Rob Campbell falará amanhã sobre a estrutura desses grupos).

A Igreja Elim nos deu um exemplo moderno da célula dentro da célula por meio de suas “reuniões de planejamento” semanais. Na Igreja Elim, o núcleo da célula (aqueles que sentem o desejo) reúne-se durante a semana para orar, ler as Escrituras e planejar a próxima reunião da célula no sábado. A reunião de planejamento oferece mais cuidado e comunidade para os membros da célula.

Além disso, Ralph Neighbour e outros líderes promovem a divisão da célula em tríades (grupos de três) compostos de crentes mais fortes e mais fracos. Por exemplo, um novo convertido seria designado para uma tríade com crentes maduros que também guiariam o novo crente através do equipamento para toda a igreja.

A igreja em células sempre encorajou membros individuais da célula a se reunirem durante a semana para construir relacionamentos, orar uns pelos outros e crescer juntos como o corpo de Cristo.

O objetivo da célula dentro da célula, assim como o objetivo de toda a estratégia da igreja, é fazer discípulos que fazem outros discípulos de Jesus Cristo. Isto é, ajudar cada pessoa a se tornar como Jesus e crescer à Sua semelhança.

O que suas células fazem para garantir que cada membro seja bem cuidado e amadureça em seu relacionamento com Jesus Cristo? Durante o mês de agosto, vamos falar sobre a “célula dentro da célula”. Pastores e líderes experientes escreverão 20 blogs sobre esse assunto. Se você deseja receber esses blogs por e-mail, clique aqui.  Vamos abordar:

  • 04 a 10 de agosto: a importância de cuidar de cada membro em um nível mais profundo, lembrando que o líder da célula não precisa fazer todo o trabalho de cuidado, mas deve incentivar os membros a ministrarem uns aos outros;
  • 11 a 17 de agosto: como criar uma célula dentro da célula. A igreja celular sempre incentivou os membros das células a se reunirem pessoalmente com outros membros ou em grupos menores. Em outras palavras, o fardo do discipulado relacional deve ser distribuído entre os membros da célula, ao invés de somente para o líder. Algumas igrejas, como a Igreja Elim, têm reuniões semanais de núcleo. Vizinho promove tríades;
  • 18 a 24 de agosto: sugestões práticas para desenvolver cuidados pessoais para cada membro. O que o líder pode fazer? E os membros da célula? E a igreja?

25 a 31 de agosto: como superar os obstáculos da rotina corrida. Muitos membros acham difícil até comparecer à reunião da célula, quanto mais reuniões adicionais. Muitas igrejas associam o equipamento ao envolvimento dos membros. Será que um membro mais maduro pode guiar um membro espiritualmente mais fraco através dos primeiros passos do processo de equipamento? Como os dons espirituais podem conectar os membros? 

Spanish blog:

La célula dentro de la célula.

Por Joel Comiskey

La mayoría de ustedes saben que creo que la célula debería ser la base de la iglesia y que todos deberían asistir a reuniones de grupos pequeños y grandes (célula y servicio de celebración). Y también saben que creo que el grupo celular es el mejor lugar para practicar la comunidad y vivir el mensaje del evangelio. Pero, ¿puede un grupo celular cuidar adecuadamente a cada miembro?

Estuve en Brasil recientemente y recuerdo que el pastor de la iglesia anfitriona dijo algo como esto: “Joel, solo quiero asegurarme de que todos en el grupo celular estén bien atendidos. Lamentablemente, no hemos hecho un muy buen trabajo en esto el pasado y quiero cambiar “.

Muchos pastores y líderes recurren a la estrategia celular porque quieren que todos en la iglesia sean atendidos. ¿Es la célula suficiente para hacer esto? Si y no. Por supuesto, a la célula en sí misma no le importará nadie. Por el contrario, el líder o pastor debe cuidar proactivamente a los miembros a través de visitas, llamadas telefónicas, oraciones, etc. Pero, a menudo, los líderes celulares voluntarios no se preocupan por cada miembro.

Ayuda mucho si el líder ha desarrollado un equipo para ayudar en el proceso de atención. Jesús tenía un equipo de tres en su propio grupo de doce (Pedro, Santiago y Juan). Un equipo puede ayudar a llevar la carga del líder celular en el proceso de pastorear a todos en el grupo.

Algunas iglesias celulares se han centrado en el cuidado de los miembros de la célula y el crecimiento espiritual aún más y han desarrollado una célula dentro de la célula. Uno de los mejores ejemplos de la iglesia celular fue el movimiento metodista del siglo XVIII. Todos debían pertenecer a una célula que da vida. Pero los Metodista también alentaron a los miembros de la célula a pertenecer a una banda más pequeña de manera opcional de 4-5 personas (Rob Campbell blogueará mañana sobre la estructura de esas bandas).

La Iglesia Elim nos ha dado un ejemplo moderno de la célula dentro de la célula a través de sus “reuniones de planificación” semanales. En la Iglesia Elim, el núcleo de la célula (aquellos que sienten el impulso) se reúne durante la semana para rezar, leer las Escrituras y planificar el próximo grupo celular del sábado. La reunión de planificación ofrece más atención y comunidad en profundidad para los miembros de la célula.

Además, Ralph Neighbour y otros promueven la división de la célula en tríadas (grupos de tres) compuestos por creyentes más fuertes y más débiles. Por ejemplo, un nuevo creyente sería asignado a una tríada con creyentes maduros que también lo guiarían a través del equipamiento de toda la iglesia.

La iglesia celular siempre ha alentado a los miembros individuales de la célula a reunirse durante la semana para construir relaciones, orar unos por otros y crecer juntos como el cuerpo de Cristo.

El objetivo de la célula dentro de la célula, al igual que el objetivo de toda la estrategia de la iglesia, es hacer discípulos que hagan discípulos de Jesucristo. Es decir, ayudar a cada persona a ser como Jesús y crecer a su semejanza.

¿Qué hacen tus grupos celulares para asegurarse de que cada miembro esté debidamente cuidado y que madure en su relación con Jesucristo? Durante el mes de agosto discutiremos la “célula dentro de una célula”. Pastores y líderes experimentados escribirán 20 blogs sobre este tema. Si deseas recibir estos blogs en tu bandeja de entrada de tu correo electrónico, haz clic aquí. Estaremos discutiendo:

  • Del 4 al 10 de agosto: la importancia de cuidar a cada miembro en un nivel más profundo, recordando que el líder celular no necesita hacer todo, sino que debe alentar a los miembros a ministrarse entre sí.
  • Del 11 al 17 de agosto: cómo crear una célula dentro de la célula. La iglesia celular siempre ha alentado a los miembros celulares a reunirse personalmente con otros miembros o en grupos más pequeños. En otras palabras, la carga del discipulado relacional debe distribuirse entre los miembros de la célula, en lugar del líder. Algunos, como Elim, tienen reuniones de planificación semanales. El vecino promueve las tríadas.
  • Del 18 al 24 de agosto: sugerencias prácticas para crear cuidado personal para cada miembro. ¿Qué puede hacer el líder? Miembros de la célula? ¿Iglesia?
  • Del 25 al 31 de agosto: Cómo superar los obstáculos del ajetreo diario. A muchos miembros les resulta difícil incluso asistir a la reunión celular, y mucho menos a reuniones adicionales. Muchas iglesias vinculan el equipamiento con la participación de los miembros. ¿Podría un miembro más maduro llevar a un miembro espiritualmente más débil a través de los primeros pasos del equipamiento? ¿Cómo podría el talento espiritual conectar a los miembros?

Siéntete libre de compartir tus experiencias aquí.