Let Go of the Rope

By Rob Campbell, www.cypresscreekchurch.com

As a kid, a group of individuals (yes, notice that word again—group) were teaching me how to water ski.  Huddled safely inside a dry boat, they shouted brief directions.  Some of these directives I heard and others I didn’t hear as the water splashed against my head and face. 

One defiant command was “Whatever you do, don’t let go of the rope!”  Oh, this happened to you as well?!   No need to finish the story.  Let’s just say that my adherence to the command caused me great pain as my body was violently pulled through the water.  My final report is succinct.  I didn’t let go of that rope until the boat came to a stop.  The “group” was doubled over in laughter.

I’ve made a mistake in my ministry many times.  I’ve “not let go of the rope” hoping that a certain cell leader and/or a fellow pastor on the team might “come around,” be “fruitful,” resolve his demons of the past, “catch the vision,” treat others with love,  or simply “do the job she was hired to do.”

Author and speaker Henry Cloud would equate letting go of the rope to a “necessary ending.”  He writes, “We have an incredible tolerance for pain, especially if we think it ‘might get better.’  So, we tell ourselves little lies like ‘It will turn around’ or ‘It’s not always like this.’  So we make it through the day, and another, until the days turn into years.”

Cloud encourages a leader to be cognizant of his/her concern for the other person and the truth.  One day, the “necessary ending” conversation will take place.  He states, “Commit yourself to being honest and clear, and don’t drag it out through a labyrinth of explanations, excuses, and less-than-honest patronization.  Plan to just be nice and tell it the way it is, with a lot of compassion.  Kind but true.”

Maybe God is saying, “It’s time to let go of the rope.”  Maybe God is asking us to consider a “necessary ending.”

Learn from my mistake.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

“Solte a corda”

Por Rob Campbell

 www.cypresscreekchurch.com

Quando criança, um grupo de indivíduos (sim, observe essa palavra novamente – grupo) estava me ensinando a praticar esqui aquático. Encolhidos em segurança dentro de um barco seco, eles gritaram breves instruções. Algumas dessas diretrizes eu ouvi e outras não, enquanto a água espirrava na minha cabeça e rosto.

Um comando desafiador foi: “Faça o que fizer, não solte a corda!”. Oh, isso aconteceu com você também?! Não há necessidade de terminar a história. Digamos que minha adesão ao comando me causou muita dor quando meu corpo foi violentamente puxado pela água. Meu relatório final é sucinto. Eu não soltei aquela corda até o barco parar.  

O “grupo” se acabou em gargalhadas.

 Eu cometi um erro no meu ministério muitas vezes. Eu não “soltei a corda” na esperança de que um certo líder de célula e/ou um pastor da equipe pudessem “aparecer”, ser “frutíferos”, resolver seus problemas do passado, “capturar a visão”, tratar os outros com amor ou simplesmente “fazer o trabalho que ele foi contratado para fazer”.

O autor e palestrante Henry Cloud compararia o largar a corda com um “final necessário”. Ele escreve: “Temos uma incrível tolerância à dor, especialmente se achamos que ‘pode melhorar”. Então, dizemos a nós mesmos pequenas mentiras como  ‘vai mudar’ ou ‘nem sempre é assim’. E assim passamos o dia inteiro, até que os dias se transformem em anos”.

Cloud incentiva um líder a ter consciência de sua preocupação com a outra pessoa e com a verdade. Um dia, a conversa sobre o “final necessário” ocorrerá. Ele afirma: “Comprometa-se a ser honesto e claro, e não arraste a pessoa por um labirinto de explicações, desculpas e paternalismo menos do que honesto. Planeje ser gentil e dizer a verdade como ela é, com muita compaixão. Gentil, mas verdadeiro”.

Talvez Deus esteja dizendo: “É hora de soltar a corda”. Talvez Deus esteja nos pedindo para considerar um “final necessário”.

Aprenda com o meu erro.

Spanish blog:

“Suelta la cuerda”

Por Rob Campbell

www.cypresscreekchurch.com

Cuando era niño, un grupo de personas (sí, noten esa palabra otra vez, grupo) me estaban enseñando a esquiar en el agua. Acurrucados a salvo dentro de un bote seco, gritaron breves indicaciones. Escuché algunas de estas directivas y otras no cuando el agua salpicaba mi cabeza y mi cara.

Una orden desafiante fue “¡Hagas lo que hagas, no sueltes la cuerda!” ¡Oh, esto te pasó a ti también! No hay necesidad de terminar la historia. Digamos que mi adhesión a la orden me causó un gran dolor cuando mi cuerpo fue violentamente arrastrado por el agua. Mi informe final es conciso. No solté esa cuerda hasta que el bote se detuvo. El “grupo” se caía de la risa.

He cometido un error en mi ministerio muchas veces. “No he soltado la cuerda” con la esperanza de que un cierto líder celular y / o un compañero pastor en el equipo pueda “venir”, ser “fructífero”, resolver sus demonios del pasado, “captar la visión” tratar a los demás con amor, o simplemente “hacer el trabajo para el que fue contratada”.

El autor y orador Henry Cloud compará el soltar la cuerda con un “final necesario”. Escribe: “Tenemos una increíble tolerancia al dolor, especialmente si pensamos que ‘podría mejorar’. Entonces, nos decimos pequeñas mentiras como” ya dará la vuelta” o “No siempre es así”. Así que logramos pasar el día, y otro, hasta que los días se conviertan en años “.

Cloud anima a un líder a ser consciente de su preocupación por la otra persona y la verdad. Un día, tendrá lugar la conversación del “final necesario”. Él declara: “Comprométete a ser honesto y claro, y no lo alargues a través de un laberinto de explicaciones, excusas y condescendencia poco honesta. Planee ser amable y decirlo como es, con mucha compasión. Amable pero certero. 

Tal vez Dios está diciendo: “Es hora de soltar la cuerda”. Tal vez Dios nos está pidiendo que consideremos un “final necesario”.

Aprende de mi error.

Community is a Good Thing

By Joel Comiskey, check out: Facilitate

I avoided speaking about close fellowship (community) in small groups for many years because I feared groups would stop growing. My first book Home Cell Group Explosion highlighted evangelism and multiplication in small groups worldwide. In that book and subsequent ones, I didn’t talk much about community, only mentioning that community would take care of itself when people were reaching out.

God changed everything in 2009. I realized while writing the book Relational Disciple that I needed to submit to God’s inerrant Word. I saw clearly that Scripture encouraged community and that community might even be considered the most important element in small group ministry.

I realized that Jesus came to establish a new family, and he chose the small group as the way to make this happen.  God challenged my thinking and led me to develop a more biblical  worldview when looking at small group ministry. Since then, I’ve fallen in love with the richness of small group community and promote it often.

I’m now ready to wait until community and love is developed in the group and that new disciples are formed in the cell. I now rejoice in the richness of community.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

A Comunidade é Uma Coisa Boa

Por Joel Comiskey

Eu evitei falar sobre comunhão íntima (comunidade) em pequenos grupos por muitos anos porque temia que os grupos parassem de crescer. Meu primeiro livro Home Cell Group Explosion (“Explosão em na Célula Doméstica”, em tradução livre) destacou evangelismo e multiplicação em pequenos grupos em todo o mundo. Nesse livro e nos seguintes, eu não falei muito sobre comunidade, apenas mencionei que a comunidade aconteceria quando as pessoas estivessem entrando em contato.

Deus mudou tudo em 2009. Ao escrever o livro Discípulo Relacional, percebi que precisava me submeter à Palavra inerrante de Deus. Vi claramente que as Escrituras encorajavam a comunidade e essa comunidade poderia até ser considerada o elemento mais importante no ministério de pequenos grupos.

Eu percebi que Jesus veio estabelecer uma nova família, e ele escolheu o pequeno grupo como a forma de fazer isso acontecer. Deus desafiou meu pensamento e me levou a desenvolver uma visão de mundo mais bíblica ao olhar para o ministério de pequenos grupos. Desde então, me apaixonei pela riqueza da comunidade de pequenos grupos e a promovo com frequência.

Agora estou pronto para esperar até que a comunidade e o amor se desenvolvam no grupo e que novos discípulos sejam formados na célula. Agora me regozijo com a riqueza da comunidade.

Spanish blog:

La Comunidad es Algo Bueno

Por Joel Comiskey

Durante muchos años evité hablar acerca de la comunión cercana en grupos celulares porque temía que las células dejaran de crecer. Mi primer libro Explosión del Grupo Celular destacó el evangelismo y la multiplicación en las células en todo el mundo. En ese libro y en los siguientes, no hablé mucho acerca de la comunión o compañerismo, solo mencioné que la comunión se ocuparía de sí misma cuando las personas evangelizaran.

Dios cambió todo en 2009. Me di cuenta al escribir el libro Discípulo Relacional que necesitaba someterme a la Palabra inerrante de Dios. Vi claramente que las Escrituras promovían la comunión y que incluso esa comunión podría considerarse el elemento más importante en el ministerio celular.

Me di cuenta de que Jesús vino a establecer una nueva familia, y Él eligió la célula como la manera de hacer que esto suceda. Dios desafió mi pensamiento y me llevó a desarrollar una cosmovisión más bíblica al observar el ministerio celular. Desde entonces, me enamoré de la riqueza de la comunión celular y la promuevo a menudo.

Ahora estoy listo para esperar hasta que la comunidad y el amor se desarrollen en el grupo y que se formen nuevos discípulos en la célula. Ahora me regocijo en la riqueza de la comunidad.

Sumate a la Obra Misionera a Pueblos No Alcanzados

What Would You Do Differently

By Joel Comiskey, check out: Facilitate

I love to listen to audio books. I’m currently listening to George W. Bush’s Decision Points, in which he describes the important decisions of his eight years as president of the U.S. When he left the presidency in 2009 his popularity rating was 33% but ten years later (2019) it stands at 61%. Why is this? 

One reason is because our memories tend to forget the negative with the passing of time. Another reason is Bush’s willingness to admit past failures. In Decision Points, Bush is quick to say, “If I could have done things differently, I would have. . .” He often points out that history is the ultimate judge of presidents and that hindsight is so much clearer than foresight.

How does this relate to cell church ministry? If you had perfect hindsight and were able to understand back then what you know now, what would you have changed? 

If you’re a pastor, maybe you would have emphasized the equipping track more or made your equipping simpler, less complicated. Maybe you would have emphasized coaching the leaders a lot more.

If you’re a cell leader, maybe you would have listened better or fine-tuned your lesson to include less questions. Maybe you would have multiplied leaders more rapidly or on the other hand, maybe you would have waited longer to make sure your leaders were truly prepared.

It’s often easier to look back at our cell church ministry and say, “with the perspective of hindsight, I would have done this or that differently.” We always have to remember that at each moment in time we are limited by our current understanding, maturity, circumstances, and insights.

As I look back at my own cell church experience, I would have done a lot of things differently but three come to mind:

  1. I would have focused on making disciples who make disciples as the chief motivation for cell ministry. I would have concentrated on the why of cell ministry more, which I now realize is to make disciples who make disciples. I would have geared my entire cell church philosophy on Christ’s last command to make disciples who make disciples, rather than church growth theory.
  2. I would not have ignored the essential role of community in small group ministry, knowing that God himself loves community and wants his church to practice the one-anothers. For a long time, I saw community as a hindrance to cell ministry. I was very zealous for evangelism and multiplication, but I felt that community was the enemy of rapid growth. I now realize that community is biblical and essential for long-term success.
  3. With regard to church planting, I would have waited longer before starting the weekly celebration service. I now realize that it’s essential to have a strong network of cell groups and people before having a weekly Sunday celebration.

What about you? if you had the benefit knowing back then what you know now, what would you have done differently. For the month of November, experienced leaders and pastors will write twenty blogs on this topic. If you’d like to receive the daily blogs, click here. We’ll cover:

  • November 03-09 :  What would you have done differently in cell ministry if you could go back in time 
  • November 10-16:  What would you have done differently in cell ministry if you could go back in time 
  • November 17-23: What would you have done differently in cell ministry if you could go back in time
  • November 24-30:  What would you have done differently in cell ministry if you could go back in time

Please feel free to share here.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

O que você faria diferente?

Por Joel Comiskey

Gosto de ouvir livros em áudio. Atualmente, estou ouvindo o livro Decision Points (“Pontos de Decisão”, em tradução livre) de George W. Bush, no qual ele descreve as decisões importantes de seus oito anos como presidente dos EUA. Quando deixou a presidência em 2009, seu índice de popularidade era de 33%, mas dez anos depois (2019) ele é de 61%. Uma razão é porque nossas memórias se tornam mais favoráveis com o passar do tempo. Outro motivo é a disposição de Bush de admitir falhas do passado. Em Decision Points, Bush é rápido em dizer: “Se eu pudesse ter feito as coisas de maneira diferente, teria feito…”. Ele costuma ressaltar que a história é o juiz supremo dos presidentes e que a retrospectiva é muito mais clara do que a previsão.

Como isso se relaciona com o ministério da igreja em células? Se você tivesse uma retrospectiva perfeita e fosse capaz de entender o que sabe agora, o que teria mudado? Se você é um pastor, talvez você teria enfatizado mais o trilho de treinamento ou tornado seu discipulado mais simples, menos complicado. Talvez você teria enfatizado mais o treinamento dos líderes.

Se você é um líder de célula, talvez teria ouvido melhor ou aperfeiçoado a palavra da célula para incluir menos perguntas. Talvez você teria multiplicado líderes mais rapidamente ou, por outro lado, teria esperado mais tempo para multiplicar e garantir que seus líderes estivessem realmente preparados.

Muitas vezes, é mais fácil olhar para o ministério da igreja em células e dizer: “após olhar para trás, eu teria feito isso ou aquilo de maneira diferente”. Sempre precisamos lembrar que, a cada momento, somos limitados pelo nosso entendimento atual, maturidade, circunstâncias e ideias.

Ao relembrar minha própria experiência na igreja celular, eu teria feito muitas coisas de maneira diferente, mas três me vêm à mente.

1. Eu teria me concentrado em fazer discípulos que tem como a principal motivação fazer discípulos para o ministério celular. Eu teria me concentrado mais no porquê do ministério celular, que agora percebo que é fazer discípulos que fazem discípulos. Eu teria orientado toda a minha filosofia da igreja celular no último mandamento de Cristo – fazer discípulos que fazem discípulos, em vez da teoria do crescimento da igreja.
2. Eu não teria ignorado o papel essencial da comunidade no ministério dos pequenos grupos, sabendo que o próprio Deus ama a comunidade e deseja que sua igreja pratique os “uns aos outros”. Durante muito tempo, vi a comunidade como um obstáculo ao ministério de células. Eu era muito zeloso pelo evangelismo e pela multiplicação, mas sentia que a comunidade era inimiga do crescimento rápido. Agora percebo que a comunidade é algo bíblico e é essencial para o sucesso a longo prazo.
3. Com relação ao plantio de igrejas, eu teria esperado mais tempo antes de iniciar o culto semanal de celebração. Agora percebo que é essencial ter uma forte rede de células e pessoas antes de fazer um culto de celebração semanal aos domingo.

E você? Se você tivesse o benefício de saber o que sabe agora, o que teria feito de diferente? No mês de novembro, líderes e pastores experientes escreverão vinte textos sobre esse assunto. Se você deseja receber os blogs diariamente, clique aqui. Nós vamos abordar:

  • 3 a 9 de novembro: O que você faria de diferente no ministério celular se pudesse voltar no tempo.
  • 10 a 16 de novembro: O que você faria de diferente no ministério celular se pudesse voltar no tempo.
  • 17 a 23 de novembro: O que você faria de diferente no ministério celular se pudesse voltar no tempo.
  • 24 a 30 de novembro: O que você faria de diferente no ministério celular se pudesse voltar no tempo.

Sinta-se livre para compartilhar suas experiências aqui.

Spanish blog:

¿Qué Harías Diferente?

Por Joel Comiskey, Noviembre 2019

Me encanta escuchar libros en audio. Ahora escucho los “Puntos de Decisión” de George W. Bush, en los que describe las decisiones importantes de sus ocho años como presidente de los EE. UU. Cuando dejó la presidencia en 2009, su índice de popularidad fue del 33%, pero diez años después (2019) se sitúa en el 61%. Una razón es porque nuestros recuerdos se vuelven más favorables con el paso del tiempo. Otra razón es la voluntad de Bush de admitir fracasos pasados. En Puntos de decisión, Bush se apresura a decir: “Si hubiera podido hacer las cosas de otra manera, lo habría hecho. . . “A menudo señala que la historia es el juez supremo de los presidentes y que la retrospectiva es mucho más clara que la previsión.

¿Cómo se relaciona esto con el ministerio de la iglesia celular? Si tuvieras una retrospectiva perfecta y pudieras entender en ese entonces lo que sabes ahora, ¿qué hubieras cambiado? Si eres pastor, tal vez hubieras enfatizado más la ruta de equipamiento o hubieras hecho que tu equipo de discipulado fuera más simple, menos complicado. Tal vez hubieras enfatizado mucho más en entrenar a los líderes.

Si eres un líder celular, tal vez hubiera escuchado mejor o ajustado tu enseñanza para incluir menos preguntas. Tal vez habrías multiplicado a los líderes más rápidamente o, por otro lado, tal vez habrías esperado más tiempo para multiplicarse para asegurarse de que tus líderes estuvieran realmente preparados.

A menudo es más fácil mirar hacia atrás en nuestro ministerio de la iglesia celular y decir: “en retrospectiva, habría hecho esto o aquello de manera diferente”. Siempre tenemos que recordar que en cada momento estamos limitados por nuestra comprensión actual, madurez, circunstancias e ideas.

Cuando miro hacia atrás en mi propia experiencia en la iglesia celular, habría hecho muchas cosas de manera diferente, pero me vienen a la mente tres. 

  1. Me hubiera enfocado en hacer discípulos que hagan discípulos como la principal motivación para el ministerio celular. Me hubiera concentrado más en el por qué del ministerio celular, que ahora me doy cuenta es hacer discípulos que hacen discípulos. Hubiera orientado toda mi filosofía de la iglesia celular al último mandato de Cristo: hacer discípulos que hagan discípulos, en lugar de la teoría del crecimiento de la iglesia.
  2. No hubiera ignorado el papel esencial de la comunidad en el ministerio de grupos celulares, sabiendo que Dios mismo ama a la comunidad y quiere que su iglesia practique el uno al otro. Durante mucho tiempo, vi a la comunidad como un obstáculo para el ministerio celular. Tenía mucho celo por el evangelismo y la multiplicación, pero sentí que la comunidad era el enemigo del rápido crecimiento. Ahora me doy cuenta de que la comunidad es bíblica y esencial para el éxito a largo plazo.
  3.  Con respecto a la plantación de iglesias, hubiera esperado más tiempo antes de comenzar el servicio de celebración semanal. Ahora me doy cuenta de que es esencial tener una red sólida de grupos celulares y personas antes de tener una celebración dominical semanal. 

¿Que hay acerca de ti? si tuvieras el beneficio de saber en ese entonces lo que sabes ahora, qué habrías hecho de manera diferente. Para el mes de noviembre, líderes y pastores experimentados escribirán veinte blogs sobre este tema. Si deseas recibir los blogs diarios, haz clic aquí. Cubriremos: 

  • 03-09 de noviembre: ¿Qué hubieras hecho de manera diferente en el ministerio celular, si pudieras retroceder en el tiempo?
  • 10-16 de noviembre: ¿Qué habrías hecho de manera diferente en el ministerio celular si pudiera retroceder en el tiempo?
  • 17-23 de noviembre: ¿Qué habrías hecho de manera diferente en el ministerio celular si pudiera retroceder en el tiempo?
  • 24-30 de noviembre: ¿Qué habrías hecho de manera diferente en el ministerio celular si pudiera retroceder en el tiempo? 

 Siéntete libre de compartir tus experiencias aqui.

More Important than Cell Church

By Joel Comiskey, check out: Facilitate

Without food and water a person can only live for a few weeks. One official study concluded that a person could survive only 8 to 21 days without food and water. So is there anything more important than food and water?  Air. Without oxygen, a person can only last about three minutes. In other words, oxygen is more important than food and water for human survival.

How does this relate to the cell church? The food and water of the cell church is coaching, equipping, celebration, and the cell. These four nourish the cell system and keep things flourishing.

But there are two aspects even more important: prayer and missions. I believe that prayer and missions are the air of cell church ministry. They go beyond cell church and are a lot like the air we breathe. Without them, the true church of Jesus Christ becomes more of a club than a living, breathing organism.

This month on the JCG blog, we’ve been talking about missions in the cell church. The vision for missions gives the cell church the reason for existence, to make disciples of all people groups.  When Jesus gave the great commission in Matthew 28:18-20, he was not simply telling the twelve to grow deeper and deeper in their spiritual journey. Rather, he wanted them to make disciples of all the peoples of the earth (and in the process, they would also becoming more like Jesus). And the book of Acts tells us where: Jerusalem, Judea, and the uttermost part of the earth (Acts 1:8). 

The beauty of the cell church is that it connects missions to both cell and celebration, rather than simply a program called “missions.” What are your cells doing to pray for unreached people groups? How are you relating missions in the celebration service?  Sometimes we only focus on local outreach, which is good and right, but our goal for October on this JCG blog is to stretch our thinking and to discover new ways to engage in God’s great missionary outreach to the ends of the earth. 

Recently, I watched an excellent video about multiplying cell groups in Iran called “Sheep among Wolves” (https://www.youtube.com/watch?time_continue=8&v=9SAPOLKF59U). I became very excited about God’s work worldwide and how God is bigger than Islam or human religions. Could you show portions of this video in your cell group?

Operation World (http://www.operationworld.org/) provides daily prayer requests for all nations of the world. Could you use these requests during the witness time in your cell group?

Jehovah is a missionary God.  Think of prayer and missions as the air of the cell church. We can’t get enough of them. We need them to breathe and fulfill God’s purpose.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Mais importante que a igreja em células

Por Joel Comiskey

Sem comida e água, uma pessoa só pode viver por algumas semanas. Um estudo oficial concluiu que uma pessoa poderia sobreviver apenas de 8 a 21 dias sem comida e água. Então, há algo mais importante do que comida e água? Ar. Sem oxigênio, uma pessoa pode durar apenas cerca de três minutos. Em outras palavras, o oxigênio é mais importante que a comida e a água para a sobrevivência humana.

Como isso se relaciona com a igreja em células? A comida e a água da igreja celular são o treinamento, equipamento, celebração e a célula. Esses quatro elementos nutrem o sistema celular e mantêm tudo em crescimento.

Mas existem dois aspectos ainda mais importantes: oração e missões. Eu acredito que a oração e as missões são o ar do ministério da igreja em células. Elas vão além da igreja em células e são muito parecidas com o ar que respiramos. Sem elas, a verdadeira igreja de Jesus Cristo se torna mais um clube do que um organismo vivo que respira.

Este mês, no blog JCG, estivemos conversando sobre missões na igreja celular. A visão das missões dá à igreja celular a razão de sua existência, para fazer discípulos de todos os grupos de pessoas. Quando Jesus deu a Grande Comissão em Mateus 28:18-20, ele não estava simplesmente dizendo aos doze discípulos para se aprofundarem cada vez mais em sua jornada espiritual. Antes, ele queria que eles fizessem discípulos de todos os povos da terra (e no processo, eles também se tornariam mais parecidos com Jesus). E o livro de Atos nos diz onde: Jerusalém, Judéia e a parte mais remota da terra (Atos 1:8).

A beleza da igreja em células é que ela liga as missões à célula e ao culto de celebração, em vez de simplesmente um programa chamado “missões”. O que suas células estão fazendo para orar por grupos de pessoas não alcançadas? Como você está relacionando missões no culto de celebração?  Às vezes, focamos apenas a divulgação local, o que é bom e correto, mas nosso objetivo para outubro neste blog é ampliar nosso pensamento e descobrir novas maneiras de participar da grande divulgação missionária de Deus até os confins da terra.

Recentemente, eu assisti a um excelente vídeo sobre a multiplicação células no Irã chamado “Ovelhas entre lobos” (https://www.youtube.com/watch?time_continue=8&v=9SAPOLKF59U). Fiquei muito empolgado com o trabalho de Deus em todo o mundo e como Deus é maior que o Islã ou as religiões humanas. Você poderia mostrar partes deste vídeo em suas células?

A Operation World (http://www.operationworld.org/) fornece pedidos diários de oração para todas as nações do mundo. Você poderia usar esses pedidos durante o tempo de testemunho em sua célula?

Jeová é um Deus missionário. Pense na oração e nas missões como o ar da igreja em células. Elas nunca estarão em excesso. Precisamos que elas respirem e cumpram o propósito de Deus.

Spanish blog:

Más importante que la iglesia celular

Por Joel Comiskey

Sin comida ni agua, una persona solo puede vivir unas pocas semanas. Un estudio oficial concluyó que una persona podía sobrevivir solo de 8 a 21 días sin comida ni agua. Entonces, ¿hay algo más importante que la comida y el agua? Aire. Sin oxígeno, una persona solo puede durar unos tres minutos. En otras palabras, el oxígeno es más importante que la comida y el agua para la supervivencia humana.

¿Cómo se relaciona esto con la iglesia celular? La comida y el agua de la iglesia celular son el entrenamiento, el equipamiento, la celebración y la célula. Estos cuatro nutren el sistema celular y mantienen las cosas florecientes.

Pero hay dos aspectos aún más importantes: la oración y las misiones. Creo que la oración y las misiones son el aire del ministerio de la iglesia celular. Van más allá de la iglesia celular y se parecen mucho al aire que respiramos. Sin ellos, la verdadera iglesia de Jesucristo se convierte más en un club que en un organismo vivo que respira.

Este mes en el blog de JCG, hemos estado hablando de misiones en la iglesia celular. La visión para las misiones le da a la iglesia celular la razón de ser, para hacer discípulos de todos los grupos de personas. Cuando Jesús dio la gran comisión en Mateo 28: 18-20, no estaba simplemente diciéndoles a los doce que crecieran más y más en su viaje espiritual. Más bien, quería que hicieran discípulos de todos los pueblos de la tierra (y en el proceso, también se volverían más como Jesús). Y el libro de los Hechos nos dice dónde: Jerusalén, Judea y los confines de la tierra (Hechos 1: 8).

La belleza de la iglesia celular es que conecta las misiones con la célula y la celebración, en lugar de simplemente un programa llamado “misiones”. ¿Qué están haciendo sus células para orar por grupos de personas no alcanzadas? ¿Cómo relaciona las misiones en el servicio de celebración? Algunas veces solo nos enfocamos en el alcance local, lo cual es bueno y correcto, pero nuestra meta para octubre en este blog de JCG es extender nuestro pensamiento y descubrir nuevas formas de participar en el gran alcance misionero de Dios hasta los confines de la tierra.

Recientemente, vi un excelente video sobre la multiplicación de grupos celulares en Irán llamado “Ovejas entre lobos” (https://www.youtube.com/watch?time_continue=8&v=9SAPOLKF59U). Me entusiasmé mucho con la obra de Dios en todo el mundo y con cómo Dios es más grande que el Islam o las religiones humanas. ¿Podrías mostrar partes de este video en tu grupo celular?

Operation World (http://www.operationworld.org/) proporciona solicitudes diarias de oración para todas las naciones del mundo. ¿Podrías usar estas solicitudes durante el tiempo de testimonios en tu grupo celular?

Jehová es un Dios misionero. Piensa en la oración y las misiones como el aire de la iglesia celular. No podemos tener suficiente de ellos. Los necesitamos para respirar y cumplir el propósito de Dios.

Sumate a la Obra Misionera a Pueblos No Alcanzados 

Go

By Joel Comiskey, check out: Facilitate

When my wife and I arrived in Costa Rica in April 1990, we were as green as gringos could be. As part of a one-year intensive Spanish study program, we longed to speak Spanish correctly because we knew we’d soon be missionaries in Ecuador, South America.

As we studied the Spanish language, we learned that God gives grace in weakness. Instead of saying, Quisiera conocerte, “I would like to get to know you,” I would say, Quisiera cocinarte, “I would like to cook you.” Some of my more hilarious Spanish blunders are not repeatable in public.

I began to learn Spanish when I was thirty-three years old. Sorting out the foreign Spanish sounds was difficult for me. To compensate for my lack of natural talent, I had to study for hours. Like a child, I learned the importance of following grammar rules and the logic of the Spanish language. I knew, however, that taking time in the beginning would have a long-term impact on my ministry in Latin America.

When I speak around the world, I often say to church members, “You are in training right now. If you can lead a cell, multiply it, and supervise the new leader, you can do the same thing anywhere in the world.”

Yes, some might need to learn a different culture and language, but Jesus pointed the way when he became incarnate in our world, born in a human context.

A few weeks ago, I did a seminar in Ecuador. The lead pastor in Ecuador had already planted eight cell churches and had only been in Ecuador for eight years. He was born again at Bethel International in Newark, led a cell, multiplied it several times, and then was sent as a missionary church planter to Ecuador.

God might have something similar for you.

God is a missionary God. He has a larger purpose for your cell than good fellowship. He wants you and your cell group to catch a heart for a lost world. One cell church I visited often asked the cells to conclude with intercessory prayer for the unreached peoples of the world. This cell church developed an excellent series of prayer profiles on unreached groups for other churches and cell groups to use.

But missions is not only “over there.” Jesus said, “But you will receive power when the Holy Spirit comes on you; and you will be my witnesses in Jerusalem, and in all Judea and Samaria, and to the ends of the earth” (Acts 1:8). Jerusalem refers to local city missions, Judea and Samaria are missions within the country, and the ends of the earth refers to cross-cultural missions. We need to ask God to give us a missionary heart for all three regions.

For October, let’s explore the topic of missions and the cell church. Pastors and leaders will write twenty blogs on this topic. If you’d like to receive these blogs in your email inbox each day, press here. We’ll cover: 

  • October 06-12: Biblical base for missions. God is a missionary God. We’ll explore how this applies to cell ministry throughout church history, starting with the New Testament church to the present day.
  • October 13-19:Cell groups are the perfect environment to prepare and send future missionaries. Those who can lead, multiply, and coach new leaders can repeat the process anywhere in the  world.
  • October 20-June 26:  Missionary activity within cell groups. What can cell groups do to participate in God’s missionary plan? Some groups pray for missionaries, practice short-term missions, keep in touch with missionaries, and then invite them to do things when they are in the country.
  • October 27-November 02: Local missions. Cells must have a purpose beyond themselves and local missions is essential. Multiplying a cell is a missionary activity. It’s hard but when we realize that Jesus has a missionary heart, we need to participate in planning, preparing, and then launching the new group. 

In your experience, what makes great team leaders? Please feel free to share here.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Por Joel Comiskey

Quando minha esposa e eu chegamos à Costa Rica em abril de 1990, éramos tão verdes quanto os gringos poderiam ser. Fazíamos parte de um programa intensivo de estudo de um ano em espanhol, pois desejávamos falar corretamente o espanhol porque sabíamos que em breve seríamos missionários no Equador, na América do Sul.

Ao estudarmos a língua espanhola, aprendemos que Deus dá graça na fraqueza. Em vez de dizer, Quisiera conocerte (Gostaria de conhecê-lo), eu dizia Quisiera cocinarte (Gostaria de cozinhar você). Alguns dos meus erros hilários de espanhol não são repetíveis em público.

Comecei a aprender espanhol aos trinta e três anos de idade. Classificar os sons espanhóis estrangeiros foi difícil para mim. Para compensar minha falta de talento natural, tive que estudar por horas e horas. Como uma criança, aprendi a importância de seguir as regras gramaticais e a lógica da língua espanhola. Eu sabia, no entanto, que dedicar algum tempo no começo teria um impacto a longo prazo em meu ministério na América Latina.

Quando falo por todo o mundo, muitas vezes digo aos membros da igreja: “Você está treinando agora. Se você pode liderar uma célula, multiplicar e supervisionar o novo líder, pode fazer a mesma coisa em qualquer lugar do mundo”.

Sim, isso pode exigir o aprendizado de uma cultura e idioma diferentes, mas Jesus apontou o caminho quando ele se encarnou em nosso mundo, nascido em nosso próprio contexto cultural.

Algumas semanas atrás, fiz um seminário no Equador. O pastor líder no Equador já havia plantado oito igrejas em células e só estava no Equador há oito anos. Ela nasceu de novo na Bethel International em Newark, liderou uma célula, multiplicou-a várias vezes e depois foi enviado como plantador de igrejas missionárias para o Equador.

Deus pode ter algo semelhante para você.

Deus é um Deus missionário. Ele tem um propósito maior para a sua célula do que uma boa comunhão. Ele quer que você e sua célula busquem o coração por um mundo perdido. Uma igreja em células que visitei frequentemente pedia às células que concluíssem com uma oração de intercessão pelos povos não alcançados do mundo. Esta igreja em células desenvolveu uma excelente série de perfis de oração em grupos não alcançados para outras igrejas e células usarem.

Mas as missões não estão apenas “lá”. Jesus disse: “Mas você receberá poder quando o Espírito Santo vier sobre você; e vocês serão minhas testemunhas em Jerusalém, em toda a Judéia e Samaria e até os confins da terra “(Atos 1: 8). Jerusalém se refere a missões locais da cidade, Judéia e Samaria são missões dentro do país, e os confins da terra se referem a missões interculturais. Precisamos pedir a Deus que nos dê um coração missionário para as três regiões.

Para outubro, vamos explorar o tópico das missões e da igreja em células. Pastores e líderes escreverão vinte blogs sobre esse assunto. Se você deseja receber esses blogs em sua caixa de entrada de e-mail todos os dias, clique aqui. Nós cobriremos:

• 06-12 de outubro: Base bíblica para missões. Deus é um Deus missionário. Vamos explorar como isso se aplica ao ministério de células ao longo da história da Igreja, começando pela igreja do Novo Testamento até os dias atuais.
• 13-19 de outubro: As células são o ambiente perfeito para preparar e enviar futuros missionários. Aqueles que podem liderar, multiplicar e treinar novos líderes podem repetir esse processo em qualquer lugar do mundo.
• 20 de outubro a 26 de junho: Atividade missionária dentro de células. O que as células podem fazer para participar do plano missionário de Deus? Alguns grupos oram pelos missionários, praticam missões de curto prazo, mantêm contato com os missionários e depois os convidam a fazer as coisas quando estão no país.
• 27 de outubro a 02 de novembro: Missões locais. As células devem ter um objetivo além de si mesmas e as missões locais são essenciais. Multiplicar uma célula é uma atividade missionária. É difícil, mas quando percebemos que Jesus tem um coração missionário, precisamos participar do planejamento, preparação e lançamento do novo grupo.
Na sua experiência, o que faz grandes líderes de equipe? Por favor, sinta-se livre para aqui.

Spanish blog:

 Ve

por Joel Comiskey

Cuando mi esposa y yo llegamos a Costa Rica en abril de 1990, estábamos tan verdes como los gringos pueden estar. Como parte de un programa intensivo de estudio de español de un año, deseábamos hablar español correctamente porque sabíamos que pronto seríamos misioneros en Ecuador, Sudamérica.

Al estudiar el idioma español, aprendimos que Dios da gracia en la debilidad. En lugar de decir, Quisiera conocerte, “Me gustaría conocerte”, diría, Quisiera cocinarte, “Me gustaría cocinarte”. Algunos de mis más divertidos errores en español no se pueden repetir en público.

Comencé a aprender español cuando tenía treinta y tres años. Resolver los sonidos extranjeros en español fue difícil para mí. Para compensar mi falta de talento natural, tuve que estudiar durante horas. Como un niño, aprendí la importancia de seguir las reglas gramaticales y la lógica del idioma español. Sin embargo, sabía que tomar tiempo al principio tendría un impacto a largo plazo en mi ministerio en América Latina.

Cuando hablo en todo el mundo, a menudo les digo a los miembros de la iglesia: “Estás entrenando ahora mismo. Si puedes liderar una célula, multiplicar y supervisar al nuevo líder, puedes hacer lo mismo en cualquier parte del mundo ”.

Sí, podría requerir aprender una cultura y un idioma diferentes, pero Jesús señaló el camino cuando se encarnó en nuestro mundo, nacido en nuestro propio contexto cultural.

Hace unas semanas, hice un seminario en Ecuador. El pastor principal en Ecuador ya había plantado ocho iglesias celulares y solo había estado en Ecuador durante ocho años. Nació de nuevo en Bethel International en Newark, dirigió una célula, la multiplicó varias veces y luego fue enviado como plantador de iglesias misioneras a Ecuador.

Dios podría tener algo similar para ti.

Dios es un Dios misionero. Él tiene un propósito más grande para tu célula que solamente buen compañerismo. Él quiere que tú y tu grupo celular tengan un corazón por un mundo perdido. Una iglesia celular que visité a menudo les pedía a las células que concluyeran con una oración intercesora por los pueblos no alcanzados del mundo. Esta iglesia celular desarrolló una excelente serie de perfiles de oración en grupos no alcanzados para que otras iglesias y grupos celulares puedan usarlos. 

Pero las misiones no son solo “allá”. Jesús dijo: “Pero recibirás poder cuando el Espíritu Santo venga sobre ti; y ustedes serán mis testigos en Jerusalén, y en toda Judea y Samaria, y hasta los confines de la tierra ”(Hechos 1: 8). Jerusalén se refiere a las misiones locales de la ciudad, Judea y Samaria son misiones dentro del país, y los confines de la tierra se refieren a misiones interculturales. Necesitamos pedirle a Dios que nos dé un corazón misionero para las tres regiones.

Para octubre, exploremos el tema de las misiones y la iglesia celular. Los pastores y líderes escribirán veinte blogs sobre este tema. Si deseas recibir estos blogs en tu bandeja de entrada de correo electrónico todos los días, presiona aquí. Cubriremos:

06-12 de octubre: base bíblica para las misiones. Dios es un Dios misionero. Exploraremos cómo esto se aplica al ministerio celular a lo largo de la historia de la iglesia, comenzando con la iglesia del Nuevo Testamento hasta nuestros días.

13-19 de octubre: los grupos celulares son el ambiente perfecto para preparar y enviar futuros misioneros. Aquellos que pueden liderar, multiplicar y entrenar a nuevos líderes pueden repetir el proceso en cualquier parte del mundo.

20 de octubre-26 de octubre: actividad misionera dentro de los grupos celulares. ¿Qué pueden hacer los grupos celulares para participar en el plan misionero de Dios? Algunos grupos oran por los misioneros, practican misiones a corto plazo, se mantienen en contacto con los misioneros y luego los invitan a hacer cosas cuando están en el país.

27 de octubre-02 de noviembre: Misiones locales. Las células deben tener un propósito más allá de sí mismas y las misiones locales son esenciales. Multiplicar una célula es una actividad misionera. Es difícil, pero cuando nos damos cuenta de que Jesús tiene un corazón misionero, debemos participar en la planificación, la preparación y el lanzamiento del nuevo grupo.

En tu experiencia, ¿qué hace grandes  a los líderes de equipo? Por favor, siéntete libre de compartir aquí.