Preserving the Unity in the Bond of Peace

By Dr. Les Brickman, www.strategiccell.com

As the church, the cell is to be “diligent to preserve the unity of the Spirit in the bond of peace”.

We cannot preserve unity, if we are not personally vested in cell; not just the concept of cell, but actual participation in cell. I freely admit that this necessity of interdependence cuts at the heart of my desire for independence. I am, by nature, a loner, and not a team player. I would rather observe an activity from the outside, than involve myself as a participant. Yet, unity demands my active participation. MAXIMIZERS once challenged me with a definition of UNITY that forever changed my perspective.

To preserve Unity demands I Uplift my fellow cell members. Words of affirmation do not come naturally for me – critical thinking and flaw finding does. I must proactively think about uplifting, affirming, and encouraging another. How easy is it for you to Uplift your fellow cell members?

To preserve uNity means I recognize I Need the other members of my cell. I am a pretty self-sufficient individual. I naturally exude self-sufficiency. Yet, I need the other cell members in my life. What they contribute enhances my growth and maturity. That which every part supplies builds me up as part of the Body. Contrary to my natural thinking, I am not sufficient in and of myself! Are you? I think not. How can we demonstrate to our cell members that we really need them?

To preserve unIty we must become Intimate, catalyzing authenticity and transparency. Too many cell members are either superficial or closed. We fear taking the risk of sharing the intimate needs and pains and hurts of our heart. Why? Because the closer our intimacy with another, the more they can wound us. How deep and intimate is your sharing in cell?

To preserve uniTy we must learn to Trust. Trust and Intimacy are like a brother and sister – different, yet from the same family. Trust has been defined as confident belief in someone to do what is right, to deliver what is promised, to be the same every time, whatever the circumstance. My experience growing up taught me “trust no one”.  You ask, “Why in the world should I risk trusting this cell member? How can I be sure I will not be betrayed?” My sentiments exactly! Yet, is it possible we have a difficult time trusting, because we ourselves struggle with being trustworthy? What would cell life be like if each of us chose to trust, and even became worthy of others trusting us?

To preserve unitY we must learn to Yield. Never a truer statement than, “My way is the best way. Why should I yield to them?” How do I know? Because we typically cannot go longer than 30 minutes before we give someone our opinion, or tell others what to do. Offering advice kills cell sharing, as does promoting our opinions or ideas as best. “Be subject to one another.”

How personally involved are you in diligently preserving U.N.I.T.Y. in cell?

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Como a igreja, a célula deve fazer “todo o esforço para conservar a unidade do Espírito pelo vínculo da paz”.

Por Dr. Les Brickman, www.strategiccell.com

Nós não podemos preservar a unidade, se nós não estivermos pessoalmente vestindo a camisa da célula; não apenas o conceito da célula, mas participação real na célula. Eu admito livremente que essa necessidade de interdependência corta no cerne do meu desejo de independência. Eu sou, por natureza, um solitário, e não sou de jogar em equipe. Eu prefiro observar uma atividade de longe, do que me envolver como um participante. Ainda assim, unidade demanda minha participação ativa. Uma vez MAXIMIZERS desafiou-me com uma definição de UNIDADE que mudou minha perspectiva para sempre.

Preservar a unidade demanda que eu estimule meu fraterno membro da célula. Palavras de afirmação não vêm naturalmente para mim – pensamento crítico e encontrar falhas sim. Eu preciso pensar proativamente sobre estimular, afirmar e encorajar o outro. Quão facilmente você consegue estimular seu fraterno membro de célula?

Preservar a unidade significa que tenho que reconhecer a necessidade do outro membro da minha célula.  Eu sou um indivíduo bastante autossuficiente. Eu naturalmente destilo autossuficiência. Ainda assim, eu necessito dos outros membros da célula em minha vida. A contribuição deles melhoram meu crescimento e maturidade. Cujo cada parte supri crescimento em mim como parte do Corpo. Contrário ao meu pensamento natural, eu não sou suficiente em mim mesmo! E você? Eu acho que não. Como nós podemos demonstrar aos membros das nossas células que nós realmente precisamos deles?

Preservar a unidade nós temos que nos tornar íntimos, catalisando autenticidade e transparência. Muitos membros de célula são ou superficiais ou fechados. Nós tememos assumir riscos de compartilhar as necessidades, dores e machucados íntimos do nosso coração. Por que? Porque quanto mais íntimos uns dos outros, mais eles podem nos machucar. Quão profundo e íntimo é o seu compartilhamento na célula?

Para preservar a unidade nós precisamos aprender a confiar. Confiança e Intimidade são como irmão e irmã – diferentes, mas ainda assim a mesma família. Confiança tem sido definido como a crença confiante em alguém para fazer o que é certo, entregar o que foi prometido, ser o mesmo em todo o tempo, seja qual for a circunstância. Minha experiência de vida me ensinou a “confiar em ninguém”. Você pergunta, “Por que cargas d’água eu deveria me arriscar em confiar nos membros dessa célula? Como eu posso ter certeza que eu não serei traído?” Exatamente meus sentimentos! Ainda assim, é possível que nós tenhamos grande dificuldade em confiar, porque nós mesmos não somos dignos de confiança? Como seria a vida na célula se cada um de nós escolhesse confiar, e até mesmo nos tornamos dignos de outros confiarem em nós?

Para preservar a unidade nós precisamos aprender a consentir. Nunca foi tão verdadeiro, “Meu jeito é o melhor meio. Por que eu deveria consentir com outros?” Como eu sei? Porque nós tipicamente não podemos passar mais de 30 minutos sem dar nossa opinião a alguém, ou dizê-los o que fazer. Oferecer conselhos mata o compartilhar da célula, assim como promover nossas opiniões ou ideias como melhores. “Sujeitem-se uns aos outros.”

Quão pessoalmente você está envolvido em diligentemente preservar a UNIDADE na célula? 

Spanish blog:

Como iglesia, la célula debe ser “diligente para preservar la unidad del Espíritu en el vínculo de la paz”.

Por Dr. Les Brickman, www.strategiccell.com

No podemos preservar la unidad, si no estamos personalmente investidos en la célula; no solo el concepto de célula, sino la participación real en la célula. Admito libremente que esta necesidad de interdependencia está en el corazón de mi deseo de independencia. Soy, por naturaleza, un solitario y no un jugador de equipo. Prefiero observar una actividad desde el exterior, que involucrarme como participante. Sin embargo, la unidad exige mi participación activa. Maximizadores una vez me desafió con una definición de UNIDAD que cambió para siempre mi perspectiva.

Para preservar la unidad, se me exige que Yo anime a mis compañeros de célula. Las palabras de afirmación no son algo natural para mí, el pensamiento crítico y la búsqueda de fallas sí. Debo pensar de manera proactiva en elevar, afirmar y alentar a los demás. ¿Qué tan fácil es para ti inspirar a tus hermanos en la célula?

Preservar la unidad significa que reconozco que necesito a los demás miembros de mi célula. Soy una persona bastante autosuficiente. De manera natural muestro utosuficiencia. Sin embargo, necesito a los otros miembros de la célula en mi vida. Lo que aportan mejora mi crecimiento y madurez. Aquello que me proporciona cada parte me edifica como parte del Cuerpo. Al contrario de mi pensamiento natural, ¡no soy suficiente por mí mismo! ¿Lo eres tú? Yo creo que no. ¿Cómo podemos demostrarles a nuestros miembros celulares que realmente los necesitamos?

Para preservar la unidad debemos volvernos íntimos, catalizando autenticidad y transparencia. Demasiados miembros de la célula son superficiales o cerrados. Tememos correr el riesgo de compartir las necesidades íntimas y los dolores y heridas de nuestro corazón. ¿Por qué? Porque cuanto más cercana es nuestra intimidad con otro, más nos pueden herir. ¿Qué tan profundo e íntimo es tu compartir en la célula?

Para preservar la unidad debemos aprender a confiar. La confianza y la intimidad son como un hermano y una hermana: diferentes, pero de la misma familia. La confianza se ha definido como la relación en que alguien hará lo correcto, que cumplirá lo prometido, que será el mismo en todo momento, sea cual sea la circunstancia. Mi experiencia al crecer me enseñó a “no confiar en nadie”. Tu te preguntas: “¿Por qué razón debería arriesgarme a confiar en este miembro de la célula? ¿Cómo puedo estar seguro de que no me traicionarán? ¡Exactamente esos eran mis sentimientos! Sin embargo, ¿es posible que tengamos dificultades para confiar, porque nosotros mismos luchamos por ser dignos de confianza? ¿Cómo sería la vida celular si cada uno de nosotros eligiera confiar e incluso se volviera digno de que otros confiaran en nosotros?

Para preservar la unidad debemos aprender a ceder. Una declaración muy trillada es “Mi camino es el mejor camino. ¿Por qué debería ceder ante ellos? ¿Cómo puedo saber?” Porque normalmente no podemos pasar más de 30 minutos antes de dar nuestra opinión a alguien o decirle a otros qué hacer. Ofrecer consejos mata el intercambio celular, al igual que promover nuestras opiniones o hacer parecer nuestras ideas como las mejores. “Estar sujetos los unos a los otros”.

¿Qué tan  involucrado personalmente estás en la preservación diligente de LA UNIDAD en la célula?

Leave a Reply

Your email address will not be published.