A Praying Church

By Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

In the book of Acts, when believers gathered together, they prayed. They didn’t always preach or sing, but they prayed.

Author Jack Deere writes, “The biggest difference between the first-century church and the modern church in the Western world is that the first-century church was a praying church. We are a talking church” (Why I am still surprised by the power of the Spirit p. 172).

I confess that when I read that, I cringed with an inward “ouch.” That has been all too true in my experience.

However, we can be like the early church. As leaders, we need to talk through issues we are facing, and we can pray them through together. We will preach at our meetings, and we can pray, too. Our worship teams can rehearse the music, and they can also take time to pray together for God to be glorified as they minister.

Our churches can be houses of prayer. And that starts with us leaders seeking the Lord alone in our time of prayer. It builds our intimacy with Jesus, centers our hearts on his purposes, and empowers our ministries. One morning this week as I was praying I had several ideas about next steps I should take in a challenge I was facing. I wasn’t even asking God for wisdom in that matter, but he graciously offered it anyway. It was better than many hours of brainstorming. I’m sure you can name many instances like that yourself. Sometimes it is good to remind ourselves of our great privilege!

Paul Yonggi Cho recently passed away. He was the father of the modern cell church movement and led the largest church in the history of the world. It is no coincidence that he was also known as an “apostle of prayer.” Let’s commit ourselves to being a praying church above all. 

Korean blog: (click here

Portuguese blog:

Uma igreja que ora

Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

No livro de Atos dos Apóstolos, sempre que os crentes estavam reunidos, eles oravam. Nem sempre havia pregação ou hinos, mas eles oravam.

O autor Jack Deere escreve: “A maior diferença entre a igreja do primeiro século e a igreja moderna no mundo ocidental é que a igreja do primeiro século era uma igreja que orava. Nós somos uma igreja que fala” (Porque eu ainda me surpreendo com o poder do Espírito Santo, página 172 – Tradução livre do título do livro)

Eu confesso que que sinto um golpe quando leio isso. Isso tem sido verdade por toda a minha experiência de vida.

Entretanto, nós podemos ser como a igreja primitiva. Como líderes, precisamos conversar sobre os problemas que estamos vivendo, e podemos orar juntos por cada um deles. Vamos pregar em nossas reuniões, mas podemos orar também. Nossas equipes de louvor podem ensaiar as músicas, e eles também podem reservar tempo para orar juntos para que Deus seja glorificado quando estiverem ministrando.

Nossas igrejas podem ser casas de oração. E isso começa conosco, líderes, buscando a presença do Senhor sozinhos em nosso tempo de oração. Isso constrói a nossa intimidade com Jesus, alinha nossos corações aos Seus propósitos e fortalece nossos ministérios. Eu estava orando em uma das manhãs esta semana e tive diversas ideias sobre os próximos passos que deveria tomar a respeito de um grande desafio que estou enfrentando. Eu nem estava pedindo sabedoria a Deus sobre aquele assunto, mas Ele me ofereceu sabedoria assim mesmo. Foi muito melhor do que passar horas pensando sobre aquele assunto. Tenho certeza de que você também já teve experiências assim. Às vezes é muito importante ser relembrado do privilégio que temos.

Paul Yonggi Cho faleceu recentemente. Ele foi o pai do movimento atual de Igrejas em Células e liderou a maior igreja da história. Não é apenas coincidência o fato de que ele também era conhecido como um “apóstolo da oração”. Vamos então nos comprometer a sermos, acima de tudo, uma igreja que ora.

Spanish blog:

Una iglesia que ora

Por Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

En el libro de los Hechos, cuando los creyentes se reunían, oraban. No siempre predicaron ni cantaron, pero oraron.

El autor Jack Deere escribe: “La mayor diferencia entre la iglesia del primer siglo y la iglesia moderna en el mundo occidental es que la iglesia del primer siglo era una iglesia de oración. Nosotros somos una iglesia que habla ”(Por qué todavía me sorprende el poder del Espíritu p. 172).

Confieso que cuando leí eso, me encogí con un “ay” interior. Eso ha sido demasiado cierto en mi experiencia.

Sin embargo, podemos ser como la iglesia primitiva. Como líderes, debemos hablar sobre los problemas que enfrentamos y podemos orar juntos por ellos. Predicaremos en nuestras reuniones y también podemos orar. Nuestros equipos de adoración pueden ensayar la música y también pueden tomar tiempo para orar juntos para que Dios sea glorificado mientras ministran.

Nuestras iglesias pueden ser casas de oración. Y eso comienza con nosotros, los líderes, buscando al Señor solo en nuestro tiempo de oración. Construye nuestra intimidad con Jesús, centra nuestro corazón en sus propósitos y fortalece nuestros ministerios. Una mañana de esta semana, mientras oraba, tuve varias ideas sobre los próximos pasos que debería tomar en un desafío que estaba enfrentando. Ni siquiera le estaba pidiendo a Dios sabiduría en ese asunto, pero él me la ofreció amablemente de todos modos. Fue mejor que muchas horas de lluvia de ideas. Estoy seguro de que usted puede nombrar muchas instancias como esa. ¡A veces es bueno recordarnos nuestro gran privilegio!

Paul Yonggi Cho falleció recientemente. Fue el padre del movimiento de la iglesia celular moderna y dirigió la iglesia más grande en la historia del mundo. No es casualidad que también fuera conocido como un “apóstol de la oración”. Comprometámonos ante todo a ser una iglesia en oración.

1 thought on “A Praying Church

  • Es básico y es trascendental. Ninguna iglesia ni ningún ministerio se levantará por encima de su vida de oración. Que Dios nos de ese espíritu para poder dar fruto para nuestro Dios. Oremos.

Leave a Reply

Your email address will not be published.