The LCG micro-cell

By Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

A cell group may be the most basic unit of the church, but it is not the only expression. Both larger and even-smaller gatherings than cells can strengthen believers. Most are familiar with the large-group Celebration services are their impact. But a 2- or 3-person Life Change Group can also offer something the cell group does not.

The format of the “LCG,” (available from Neil Cole’s Church Multiplication Associates) is simple: two or three people of the same gender commit to read about 5 chapters of the Bible per day and to gather weekly to ask each pre-arranged accountability questions.  They also pray for lost people by name.

Advantages of an Life Change Group:

  • It doesn’t require a leader – but it often creates a leader. The format is very simple: read questions off a card. Anyone can do that with one other person.  I have used the format to disciple men who often went on to become cell leaders.
  • It creates accountability. Many of us have good intentions to read the Bible and pray for the lost, but meeting weekly with someone who asks  us whether we did it that week converts intention to reality.
  • It focuses on scripture.  Reading large portions of scripture each day exposes us to God’s heart and mind in new ways.
  • It is easy to multiply. When a fourth person joins the LCG, the group multiplies to two groups of two. It is simple and not leadership-intensive, so it is easy to multiply.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

A microcélula LCG

por Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

Uma célula pode ser a unidade mais básica da igreja, mas não é a única expressão dela. Reuniões maiores e até menores do que as células podem fortalecer os crentes. A maioria está familiarizada com o grande grupo do culto de celebração e o seu impacto.  Mas um Life Change Group (“Grupo de Mudança de Vida”, em tradução livre) de 2 ou 3 pessoas também pode oferecer algo que a célula não oferece.

O formato do “LCG” (disponível em Church Multiplication Associates, de Neil Cole) é simples: duas ou três pessoas do mesmo sexo se comprometem a ler cerca de cinco capítulos da Bíblia por dia e a se reunir semanalmente para perguntar e responder questões de prestação de contas selecionadas previamente. Eles também oram por pessoas perdidas.

Vantagens de um Grupo de Mudança de Vida (LCG):

* Ele não requer um líder – mas muitas vezes cria um líder. O formato é muito simples: leia as perguntas de um cartão. Qualquer um pode fazer isso com outra pessoa. Eu usei o formato para discipular homens que frequentemente se tornaram líderes de célula.

* Cria responsabilidade. Muitos de nós temos boas intenções de ler a Bíblia e orar pelos perdidos, mas nos reunirmos semanalmente com alguém que nos pergunta se a semana transforma a intenção em realidade.

* Concentra-se nas escrituras. Ler grandes porções da Palavra todos os dias nos expõe ao coração e mente de Deus de novas maneiras.

* É fácil multiplicar. Quando uma quarta pessoa se junta ao LCG, o grupo se multiplica para dois grupos de dois. É simples e não exige muita liderança, por isso é fácil multiplicar.

Spanish blog:

La micro-célula GCV

por Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

Un grupo celular puede ser la unidad más básica de la iglesia, pero no es la única expresión. Reuniones más grandes e incluso más pequeñas que las células pueden fortalecer a los creyentes. La mayoría están familiarizados con los servicios de Celebración de grupos grandes y su impacto. Pero un grupo que cambia vidas de 2 o 3 personas también puede ofrecer algo que el grupo celular no ofrece.
El formato del “GCV” (disponible a los Asociados de Multiplicación de Iglesias de Neil Cole) es simple: dos o tres personas del mismo género se comprometen a leer alrededor de 5 capítulos de la Biblia por día y a reunirse semanalmente para pedir a cada uno de ellos una pregunta preestablecida. También oran por las personas perdidas por su nombre.
Ventajas de un grupo de cambio de vida:
* No requiere un líder, pero a menudo crea un líder. El formato es muy simple: lea las preguntas de una tarjeta. Cualquiera puede hacer eso con otra persona. He usado el formato para discipular a hombres que a menudo se convirtieron en líderes celulares.
* Crea responsabilidad. Muchos de nosotros tenemos buenas intenciones de leer la Biblia y orar por los perdidos, pero reunirnos semanalmente con alguien que nos pregunta si lo hicimos esa semana convierte la intención en realidad.
* Se enfoca en las escrituras. Leer grandes porciones de las Escrituras todos los días nos expone al corazón y la mente de Dios de nuevas maneras.
* Es fácil de multiplicar. Cuando una cuarta persona se une al GCV, el grupo se multiplica en dos grupos de dos. Es simple y no requiere mucho liderazgo, por lo que es fácil de multiplicar.

Not Just Small, but Different

By Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

A cell group is not just a smaller version of the celebration gathering; it operates with distinctly different philosophy.

For example, personal pastoral care happens differently. In a program-based ministry model, the celebration service is the basic expression of the church. The people gather for worship, and then a pastor (or other commissioned individual) does his best to respond to any personal needs that come to his attention.

However, in Galatians 6:2 we are told to “Bear one another’s burdens.” In the New Testament the people of the church are called to care for one another. Care is a function of the whole body, not just a specialized individual.

In the cell model, the group members care for one another. That means that the cell leader is not the only one responsible for caring for all the people of the cell. That would be mimicking the program-based model. When one member of the group is discouraged, the whole group can live out 1 Thessalonians 5:11 by encouraging one another and building each other up.

Cell leaders are to share the ministry with their group, encouraging them to care for one another. As everyone gives and receives ministry the people thrive and the body of Christ remains healthy.

Korean blog (Click here)

Portuguese blog:

Este é um google tradutor. Assim que o blog normal for traduzido, postaremos no site do JCG

Não apenas pequeno, mas diferente

Por Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

Um grupo de células não é apenas uma versão menor da reunião de celebração; opera com filosofia distintamente diferente.

Por exemplo, o cuidado pastoral pessoal acontece de maneira diferente. Em um modelo de ministério baseado em programas, o serviço de celebração é a expressão básica da igreja. As pessoas se reúnem para a adoração, e então um pastor (ou outro indivíduo comissionado) faz o melhor que pode para responder a qualquer necessidade pessoal que lhe chame atenção.

No entanto, em Gálatas 6: 2 somos instruídos a “suportar os fardos uns dos outros”. No Novo Testamento, as pessoas da igreja são chamadas a cuidar umas das outras. O cuidado é uma função de todo o corpo, não apenas de um indivíduo especializado.

No modelo celular, os membros do grupo se importam um com o outro. Isso significa que o líder da célula não é o único responsável por cuidar de todas as pessoas da célula. Isso seria imitar o modelo baseado em programas. Quando um membro do grupo é desencorajado, todo o grupo pode viver 1 Tessalonicenses 5:11 encorajando-se mutuamente e construindo um ao outro.

Os líderes das células devem compartilhar o ministério com o grupo, incentivando-os a se importarem uns com os outros. Quando todos dão e recebem ministério, o povo prospera e o corpo de Cristo permanece saudável.

Spanish blog:

No solo pequeño, sino diferente

Por Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

Un grupo celular no es solo una versión más pequeña de la reunión de celebración; opera con una filosofía claramente diferente.

Por ejemplo, el cuidado personal pastoral ocurre de manera diferente. En un modelo de ministerio basado en programas, el servicio de celebración es la expresión básica de la iglesia. La gente se reúne para adorar, y luego un pastor (u otra persona encargada) hace todo lo posible para responder a cualquier necesidad personal que necesite atención.

Sin embargo, en Gálatas 6: 2 se nos dice que “carguemos mutuamente las cargas”. En el Nuevo Testamento, las personas de la iglesia están llamadas a cuidarse unos a otros. El cuidado es una función de todo el cuerpo, no solo de un individuo especializado.

En el modelo celular, los miembros del grupo se cuidan entre sí. Eso significa que el líder celular no es el único responsable de cuidar a todas las personas de la célula. Eso sería imitar el modelo basado en programas. Cuando un miembro del grupo se desanima, todo el grupo puede hacerse participe de 1 Tesalonicenses 5:11 alentándose unos a otros y fortaleciéndose mutuamente.

Los líderes celulares deben compartir el ministerio con su grupo, alentándolos a que se cuiden unos a otros. A medida que todos dan y reciben ministerio, la gente prospera y el cuerpo de Cristo permanece sano.

Bridging the Gap

By Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

“Karen” hosted a cell group I led. Although she was anxious to grow spiritually in community, her husband, “Frank,” was not. So I was not surprised that when our group gathered at her house, Frank made it a point to work late and not be at home.

One night, though, he came home early enough that the group was still in his living room. We invited him to join us, but he politely declined and went upstairs. The next week, he came home as we were lingering over refreshments after the meeting. He met some of the members and seemed to enjoy the conversation.

One night, Frank was sitting in the living room as we began. He participated and returned the following week. He went on to surprise Karen with his spiritual growth, and became an active and important part of our cell’s ministry (and at worship, too.) 

Frank wasn’t looking for a group, but when it kept showing up in his living room, he discovered that he needed it!

Cell groups meeting in homes can be an effective evangelism strategy.

In the United States today, fewer unbelievers are open to an invitation to attend a worship service. They will not “come and see,” even if a friend invites them. If the lost will not come to the church, then the church – in the form of a cell group – can go to them.

The cell church strategy of meeting in homes can bring the church into the community. Meeting in homes, restaurants, schools and workplaces can bridge the gap between the church and the community. 

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Construindo uma Ponte

Por Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

“Karen” hospedou uma célula que eu liderava. Embora ela estivesse ansiosa para crescer espiritualmente em comunidade, seu marido “Frank” não compartillhava da mesma empolgação.  Então, não fiquei surpreso de ver que quando o nosso grupo passou a se reunir em sua casa, Frank fez questão de trabalhar até tarde e não estar em casa.

Uma noite, porém, ele chegou em casa cedo o suficiente para que o grupo ainda estivesse em sua sala de estar. Nós o convidamos para se juntar a nós, mas ele recusou educadamente e subiu as escadas. Na semana seguinte, ele chegou em casa enquanto nos demorávamos com refrescos depois da reunião. Ele conheceu alguns dos membros e pareceu gostar da conversa.

Certa noite, Frank estava sentado na sala de estar quando começamos. Ele participou e retornou na semana seguinte. Ele passou a surpreender Karen com seu crescimento espiritual e se tornou uma parte ativa e importante do ministério de nossa célula (e também no culto).

Frank não estava procurando por um grupo, mas quando continuávamos a nos reunir em sua sala de estar, ele descobriu que precisava de um!

Células reunidas nas casas podem ser uma estratégia eficaz de evangelismo.

Atualmente nos Estados Unidos, menos incrédulos estão abertos a um convite para participar de um culto de adoração. Eles não vão “vir e ver”, mesmo que um amigo os convide. Se os perdidos não vierem à igreja, então a igreja – na forma de uma célula – pode ir até eles.

A estratégia da igreja celular de se reunir em lares pode trazer a igreja para a comunidade. Reunir-se em casas, restaurantes, escolas e locais de trabalho pode construir a ponte entre a igreja e a comunidade.

Spanish blog:

Cerrando la brecha

Por Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

“Karen” fue la anfitrióna de un grupo celular que dirigí. Aunque estaba ansiosa por crecer espiritualmente en comunidad, su esposo, “Frank”, no lo estaba. Así que no me sorprendió que cuando nuestro grupo se reuniera en su casa, Frank se propusiera trabajar hasta tarde y no estar en ahí.

Una noche, sin embargo, llegó a casa lo suficientemente temprano para que el grupo todavía estuviera reunido en su sala. Lo invitamos a unirse a nosotros, pero él declinó cortésmente y subió las escaleras. La semana siguiente, él regresó a casa ya que estábamos tomando refrescos después de la reunión. Conoció a algunos de los miembros y pareció disfrutar la conversación.

Una noche, Frank estaba sentado en la sala cuando comenzamos. Participó y regresó la semana siguiente. Continuó sorprendiendo a Karen con su crecimiento espiritual, y se convirtió en una parte activa e importante del ministerio de nuestra célula (y también en la adoración).

Frank no estaba buscando un grupo, pero cuando aparecía en su sala, ¡descubrió que lo necesitaba!

Los grupos celulares que se reúnen en los hogares pueden ser una estrategia eficaz de evangelismo.

En los Estados Unidos hoy, menos incrédulos están abiertos a una invitación para asistir a un servicio de adoración. No “vendrán y verán”, incluso si un amigo los invita. Si los perdidos no van a venir a la iglesia, entonces la iglesia, en forma de un grupo celular, puede ir a ellos.

La estrategia de la iglesia celular de reunirse en hogares puede llevar a la iglesia a la comunidad. Reunirse en hogares, restaurantes, escuelas y lugares de trabajo puede cerrar la brecha entre la iglesia y la comunidad.

Returning home

By Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

The church met in homes in the New Testament era. “Greet also the church that meets at their house.” (Romans 16:5)

When the Apostle Paul wanted to strengthen the church, he knew where to find it: in homes.

And in the days before Paul was a Christian and he wanted to destroy the church, he knew where to find it: in homes. “But Saul began to destroy the church. Going from house to house, he dragged off both men and women and put them in prison.” (Acts 8:3)

Ironically, centuries later, the Church pulled itself out of people’s homes and confined them to a building. That move did not destroy the church, but a lot was lost in the process. The Church functioned less as a relational network and more as an event-centered institution. It did not feel like a family; it operated more like an organization. In short, it did not look like the book of Acts anymore.

Thankfully, all over the world today, believers are meeting in homes once again. Sometimes this is by necessity, sometimes it is by choice. Even in the West, people are rediscovering the New Testament dynamic of the church that meets in the home.

The cell church philosophy of ministry does not abandon the large group celebration services, but it puts cell groups at the center of its ministry.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Voltando para Casa

Por Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

A igreja se reunia em lares na era do Novo Testamento. “Saúdem também a igreja que se reúne na casa deles” (Romanos 16:5).

Quando o apóstolo Paulo queria fortalecer a igreja, ele sabia onde encontrá-la: nos lares.

E nos dias antes de Paulo ser um cristão e quando queria destruir a igreja, ele sabia onde encontrá-la: nas casas. “Saulo, por sua vez, devastava a igreja. Indo de casa em casa, arrastava homens e mulheres e os lançava na prisão” (Atos 8:3).

Ironicamente, séculos depois, a Igreja se retirou das casas das pessoas e as confinou a um prédio. Esse movimento não destruiu a igreja, mas muita coisa foi perdida no processo. A Igreja passou a funcionar menos como uma rede relacional e mais como uma instituição centrada em eventos. Ela não parecia uma família; funcionava mais como uma organização. Em suma, não parecia mais como o livro de Atos.

Felizmente, em todo o mundo hoje, os crentes estão se reunindo nos lares mais uma vez. Às vezes por necessidade, às vezes por escolha. Mesmo no Ocidente, as pessoas estão redescobrindo a dinâmica do Novo Testamento da igreja que se encontra em casa.

A filosofia do ministério da igreja celular não abandona os cultos de celebração do grande grupo, mas coloca as células no centro de seu ministério.

Spanish blog:

Volviendo a casa

Por Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

La iglesia se reunió en hogares en la era del Nuevo Testamento. “Saluden también a la iglesia que se reúne en su casa” (Romanos 16: 5)

Cuando el apóstol Pablo quiso fortalecer la iglesia, supo dónde encontrarla: en los hogares.

Y en los días previos a que Pablo se convirtiera en cristiano y quería destruir la iglesia, sabía dónde encontrarla: en los hogares. “Pero Saulo comenzó a destruir la iglesia. Yendo de casa en casa, arrastró a hombres y mujeres y los puso en la cárcel ”. (Hechos 8: 3)

Irónicamente, siglos más tarde, la Iglesia se retiró de las casas de las personas y las encerró en un edificio. Ese movimiento no destruyó a la iglesia, pero se perdió mucho en el proceso. La Iglesia funcionó menos como una red relacional y más como una institución centrada en eventos. No se sentía como una familia; operaba más como una organización. En resumen, ya no se parecía a la iglesia del libro de los Hechos.

Afortunadamente, en todo el mundo hoy, los creyentes se reúnen en hogares una vez más. A veces esto es por necesidad, a veces es por elección. Incluso en Occidente, las personas están redescubriendo la dinámica del Nuevo Testamento de la iglesia que se reúne en el hogar.

La filosofía del ministerio de la iglesia celular no abandona los servicios de celebración de grupos grandes, pero coloca a los grupos celulares en el centro de su ministerio.

Keeping Cells at the Center

By Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

Turning a biblical cell vision into reality in a local church is always a challenge. Leadership plays an important role in this process.

Our church is cell-based, but we do not have a pastor with the title, “cell pastor.”   That is because we see every pastor as a cell pastor.

If one pastor had the title of “cell pastor,” then every other staff person would see group development as that person’s responsibility. In order for group-based discipleship to become the true foundation of the church, each pastor and staff person needs to own the responsibility for group development. The children’s pastor is responsible for children’s groups, the youth pastor is responsible for youth cells, and adult cells have their own pastors.

There is an old saying, “We inspect what we expect.” Because we value cell groups very highly, each pastor sets goals for the number of groups and apprentice leaders in their network. Each week the staff pastors give their supervisor a report of their progress, as well as about what steps they intend to take that week in order to fulfill their group goals.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Mantendo as células no centro

por Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

Transformar uma visão bíblica de células em realidade em uma igreja local é sempre um desafio. A liderança desempenha um papel importante nesse processo.

Nossa igreja é baseada em células, mas não temos um pastor com o título “pastor de células”. Isso porque vemos cada pastor como um pastor de células.

Se um pastor tivesse o título de “pastor de célula”, todos os outros funcionários veriam o desenvolvimento dos grupos como responsabilidade dessa pessoa. Para que o discipulado baseado em grupos se torne o verdadeiro fundamento da igreja, cada pastor e funcionário precisa assumir a responsabilidade pelo desenvolvimento do grupo. O pastor das crianças é responsável por grupos de crianças, o pastor de jovens é responsável pelas células de jovens e as células adultas têm seus próprios pastores.

Há um velho ditado que diz: “Nós inspecionamos o que esperamos”. Como valorizamos altamente as células, cada pastor estabelece metas para o número de grupos e líderes em treinamento em sua rede. A cada semana, os pastores da equipe dão ao seu supervisor um relatório de seu progresso, bem como sobre as medidas que pretendem tomar naquela semana para cumprir suas metas de grupo.

Spanish blog:

Manteniendo las células en el centro

por Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

Convertir una visión celular bíblica en realidad en una iglesia local siempre es un desafío. El liderazgo juega un papel importante en este proceso.

Nuestra iglesia está basada en células, pero no tenemos un pastor con el título de “pastor celular”. Esto se debe a que vemos a cada pastor como un pastor celular.

Si un pastor tuviera el título de “pastor celular”, todos los demás miembros del personal verían el desarrollo de las células como responsabilidad de esa persona. Para que el discipulado basado en la célula se convierta en el verdadero fundamento de la iglesia, cada pastor y miembro del personal debe asumir la responsabilidad del desarrollo celular. El pastor de los niños es responsable de los grupos de niños, el pastor de los jóvenes es responsable de las células de los jóvenes y las células de los adultos tienen sus propios pastores.

Hay un viejo dicho: “Inspeccionamos lo que esperamos”. Debido a que valoramos mucho a los grupos celulares, cada pastor establece metas para la cantidad de grupos y líderes de aprendices en su red. Cada semana, los pastores del personal le dan a su supervisor un informe de su progreso, así como acerca de los pasos que intentan tomar esa semana para cumplir con las metas de su célula.