Keeping Cells at the Center

By Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

Turning a biblical cell vision into reality in a local church is always a challenge. Leadership plays an important role in this process.

Our church is cell-based, but we do not have a pastor with the title, “cell pastor.”   That is because we see every pastor as a cell pastor.

If one pastor had the title of “cell pastor,” then every other staff person would see group development as that person’s responsibility. In order for group-based discipleship to become the true foundation of the church, each pastor and staff person needs to own the responsibility for group development. The children’s pastor is responsible for children’s groups, the youth pastor is responsible for youth cells, and adult cells have their own pastors.

There is an old saying, “We inspect what we expect.” Because we value cell groups very highly, each pastor sets goals for the number of groups and apprentice leaders in their network. Each week the staff pastors give their supervisor a report of their progress, as well as about what steps they intend to take that week in order to fulfill their group goals.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Mantendo as células no centro

por Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

Transformar uma visão bíblica de células em realidade em uma igreja local é sempre um desafio. A liderança desempenha um papel importante nesse processo.

Nossa igreja é baseada em células, mas não temos um pastor com o título “pastor de células”. Isso porque vemos cada pastor como um pastor de células.

Se um pastor tivesse o título de “pastor de célula”, todos os outros funcionários veriam o desenvolvimento dos grupos como responsabilidade dessa pessoa. Para que o discipulado baseado em grupos se torne o verdadeiro fundamento da igreja, cada pastor e funcionário precisa assumir a responsabilidade pelo desenvolvimento do grupo. O pastor das crianças é responsável por grupos de crianças, o pastor de jovens é responsável pelas células de jovens e as células adultas têm seus próprios pastores.

Há um velho ditado que diz: “Nós inspecionamos o que esperamos”. Como valorizamos altamente as células, cada pastor estabelece metas para o número de grupos e líderes em treinamento em sua rede. A cada semana, os pastores da equipe dão ao seu supervisor um relatório de seu progresso, bem como sobre as medidas que pretendem tomar naquela semana para cumprir suas metas de grupo.

Spanish blog:

Manteniendo las células en el centro

por Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

Convertir una visión celular bíblica en realidad en una iglesia local siempre es un desafío. El liderazgo juega un papel importante en este proceso.

Nuestra iglesia está basada en células, pero no tenemos un pastor con el título de “pastor celular”. Esto se debe a que vemos a cada pastor como un pastor celular.

Si un pastor tuviera el título de “pastor celular”, todos los demás miembros del personal verían el desarrollo de las células como responsabilidad de esa persona. Para que el discipulado basado en la célula se convierta en el verdadero fundamento de la iglesia, cada pastor y miembro del personal debe asumir la responsabilidad del desarrollo celular. El pastor de los niños es responsable de los grupos de niños, el pastor de los jóvenes es responsable de las células de los jóvenes y las células de los adultos tienen sus propios pastores.

Hay un viejo dicho: “Inspeccionamos lo que esperamos”. Debido a que valoramos mucho a los grupos celulares, cada pastor establece metas para la cantidad de grupos y líderes de aprendices en su red. Cada semana, los pastores del personal le dan a su supervisor un informe de su progreso, así como acerca de los pasos que intentan tomar esa semana para cumplir con las metas de su célula.

What’s your view?

By Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

It’s been said that there are two kinds of people: those who see the glass as “half-full,” and others who see the glass as “half-empty.” The way we see life will determine how we live it.

Similarly, there are two ways to view the Church. One way is to see it as a large group gathering that periodically breaks up into small groups. The other way is to see the Church as a network of small groups that periodically gather together as a large group. The way we see the Church will determine how we lead and live it out.

The New Testament contains examples of the Church gathering in both large and small groups, but the essential unit of the church is the house church. There were, of course, no large church buildings in the early centuries. Churches were small clusters of believers who lived out their faith in close proximity to each other. Paul wrote to Philemon and “to the church in your house.”

As a leader, which view of the church to you take? If you are not sure, look at the way you spend your time and your church’s money. We invest our resources according to our values.

The New Testament model is not just historically accurate, it is the key to reaching 21st century irreligious people. Many unchurched people today mistrust the church as an institution, but they are open to the conviction and experience of their friends. A house-sized gathering will seem much more authentic to them, and allow them to see the church in action. 

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Qual é a sua opinião?

Por Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

Já foi dito que existem dois tipos de pessoas: aquelas que veem o copo como “meio cheio” e outras que veem o copo “meio vazio”. O modo como vemos a vida determinará como a vivemos.

Da mesma forma, existem duas maneiras de ver a Igreja. Uma maneira é vê-la como um grande grupo que se divide periodicamente em pequenos grupos. A outra maneira é ver a Igreja como uma rede de pequenos grupos que se reúnem periodicamente como um grande grupo. A maneira como vemos a Igreja determinará como lideramos e vivemos.

O Novo Testamento contém exemplos da reunião da Igreja em grupos grandes e pequenos, mas sua unidade essencial é a igreja doméstica. Não havia, é claro, grandes igrejas nos primeiros séculos. As igrejas eram pequenos grupos de crentes que viviam a fé em grande proximidade uns dos outros. Paulo escreveu a Filemom e “à igreja em sua casa”.

Como líder, que visão da igreja você tem? Se você não tem certeza, veja como você gasta seu tempo e o dinheiro da sua igreja. Nós investimos nossos recursos de acordo com nossos valores.

O modelo do Novo Testamento não é apenas historicamente preciso, ele é a chave para alcançar pessoas descrentes no século XXI. Muitas pessoas sem igreja hoje desconfiam da igreja como instituição, mas estão abertas à convicção e experiências de seus amigos. Uma reunião que caiba em uma casa parecerá muito mais autêntica para eles e permitirá que eles vejam a igreja em ação.

Spanish blog:

¿Cuál es tu punto de vista?

Por Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

Se ha dicho que hay dos tipos de personas: las que ven el vaso  “medio lleno” y otras que lo ven “medio vacío”. La forma en que vemos la vida determinará cómo la vivimos.

Del mismo modo, hay dos maneras de ver la Iglesia. Una forma es verlo como una gran célula que se divide periódicamente en pequeñas células. La otra forma es ver a la Iglesia como una red de pequeñss células que se reúnen periódicamente como un grupo grande. La forma en que vemos a la Iglesia determinará cómo lideramos y vivimos.

El Nuevo Testamento contiene ejemplos de la reunión de la Iglesia en grupos grandes y pequeños, pero la unidad esencial de la iglesia es, la iglesia de la casa. No había, por supuesto, grandes edificios de iglesias en los primeros siglos. Las iglesias eran pequeños grupos de creyentes que vivían su fe muy cerca uno del otro. Pablo le escribió a Filemón y “a la iglesia en tu casa”.

Como líder, ¿qué vista de la iglesia tomas? Si no estás seguro, mire la forma en que usas tu tiempo y el dinero de tu iglesia. Invertimos nuestros recursos de acuerdo a nuestros valores.

El modelo del Nuevo Testamento no solo es históricamente exacto, sino que es la clave para llegar a las personas no convertidas del siglo XXI. Muchas personas sin iglesia hoy desconfían de la iglesia como institución, pero están abiertas a la convicción y la experiencia de sus amigos. Una reunión del tamaño de una casa les parecerá mucho más auténtica y les permitirá ver a la iglesia en acción.

People today…

By Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

There are a few words that make me roll my eyes when I’m in a cell group meeting. Those words are: “People today….”

When someone intones those words, I know we’re in for a speech filled with lofty platitudes mixed with righteous superiority.

I have to fight back my impatience. If I am leading, I cut that comment short and follow up with a “How about you? How does this apply to you?”

What I am driving for is transparency. I want group members to share what is really happening (or not) in their journey with Jesus. It is a lot easier and safer to talk about “society” rather than what is happening in me.

People today like to hide behind generalities. (See what I did there??)

I know that if the group members are going to be transparent, I need to set the tone by being transparent about my life. So I make it a point to be “Steve”, not “Pastor Steve.”

For example, recently our group was talking about Jesus telling his disciples not to fear. I shared that over the last couple of years I had been wrestling with worry over the cost of a major wall repair in our backyard. I had received several estimates, each running tens of thousands of dollars. I would rather have not shared that. I would rather have let people think that I had conquered all fear through faith. But they prayed for me. And two weeks later, someone recommended an experienced contractor who gave me a bid I could afford; it was just a fraction of the previous bids. I shared that with the group and they rejoiced with me. I’m glad I shared! It helped them and it helped me.

People today worry too much about being transparent.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Esta é uma tradução do google. A tradução normal será publicada assim que for recebida.

Pessoas hoje…

Por Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

Há algumas palavras que me fazem rolar os olhos quando estou em uma reunião de grupo de células. Essas palavras são: “Pessoas hoje …”

Quando alguém entoa essas palavras, sei que estamos em um discurso repleto de sutis platitudes misturadas com superioridade justa.
Eu tenho que lutar contra a minha impaciência. Se eu estou liderando, cortei esse comentário curto e continue com um “E você? Como isso se aplica a você?

O que eu estou dirigindo é a transparência. Eu quero que os membros do grupo compartilhem o que está realmente acontecendo (ou não) em sua jornada com Jesus. É muito mais fácil e seguro falar sobre “sociedade” do que sobre o que está acontecendo em mim.

As pessoas hoje gostam de se esconder atrás das generalidades. (Veja o que eu fiz lá??)
Sei que, se os membros do grupo forem transparentes, preciso definir o tom sendo transparente sobre a minha vida. Então eu faço questão de ser “Steve”, não “Pastor Steve”.

Por exemplo, recentemente nosso grupo estava falando sobre Jesus dizendo a seus discípulos para não temerem. Eu compartilhei que ao longo dos últimos dois anos eu estava lutando com preocupação sobre o custo de uma grande reparação de parede em nosso quintal. Eu recebi várias estimativas, cada uma com dezenas de milhares de dólares. Eu preferiria não ter compartilhado isso. Eu preferiria deixar as pessoas pensarem que eu havia conquistado todo o medo através da fé. Mas eles oraram por mim. E duas semanas depois, alguém recomendou um empreiteiro experiente que me deu uma oferta que eu poderia pagar; foi apenas uma fração dos lances anteriores. Eu compartilhei isso com o grupo e eles se alegraram comigo. Estou feliz por ter compartilhado! Ajudou-os e ajudou-me.

As pessoas hoje se preocupam demais em ser transparentes.

Spanish blog:

Las personas hoy …

Por Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

Hay algunas palabras que me hacen poner los ojos en blanco cuando estoy en una reunión de un grupo celular. Esas palabras son: “las personas hoy …”.

Cuando alguien entonan esas palabras, sé que estamos en un discurso lleno de lugares comunes mezclados con la superioridad justa.

Tengo que luchar contra mi impaciencia. Si estoy liderando, acorté ese comentario y seguí con un “¿Qué hay de usted? ¿Cómo se aplica esto a ti?

Lo que estoy conduciendo es la transparencia. Quiero que los miembros de la célula compartan lo que realmente está sucediendo (o no) en su viaje con Jesús. Es mucho más fácil y seguro hablar de “sociedad” en lugar de lo que está sucediendo en mí.

A la gente de hoy le gusta esconderse detrás de las generalidades. (¿¿Ves lo que hice ahí??)

Sé que si los miembros de la célula van a ser transparentes, debo establecer el tono siendo transparente con respecto a mi vida. Así que me propongo ser “Steve”, no “Pastor Steve”.

Por ejemplo, recientemente nuestro grupo estaba hablando de que Jesús les dijo a sus discípulos que no temieran. Compartí que durante los últimos dos años había estado luchando con preocupación por el costo de una importante reparación de muros en nuestro patio trasero. Recibí varias estimaciones, cada una de ellas con decenas de miles de dólares. Preferiría no haber compartido eso. Preferiría haber dejado que la gente pensara que había vencido todo temor a través de la fe. Pero ellos oraron por mí. Y dos semanas después, alguien recomendó a un contratista experimentado que me ofreció una oferta que podía pagar; era solo una fracción de las ofertas anteriores. Compartí eso con el grupo y se regocijaron conmigo. Me alegro de haber compartido! Les ayudó y me ayudó.

Las personas de hoy se preocupa demasiado por ser transparente.

Fully Known, Fully Healed

By Steve Cordle, www.crossroadsumc.org 

In Luke 8:43-47, a woman who had struggled for years with a chronic bleeding condition that embarrassed her and made her ceremonially unclean. Her condition separated her from life in the community. 

One day Jesus was passing through her town, and she reached out to him for healing. She touched his cloak and immediately the bleeding stopped. Victory! She was healed!

But not yet fully.

Jesus noticed that healing was happening. He stopped and asked which of the many people around him had touched him and received healing.

“Then the woman, seeing that she could not go unnoticed, came trembling and fell at his feet. In the presence of all the people, she told why she had touched him and how she had been instantly healed.

The woman did not want others to know she was sick, or even that she was present in the crowd. But Jesus called her out. He was not trying to embarrass her. He knew that in order to be fully healed she needed to be known. She could not live in the shadows of her shame.

 Then he said to her, “Daughter, your faith has healed you. Go in peace.” (Luke 8:46-47)

Transparency is essential for transformation. There is an old phrase: “What can’t be revealed can’t be healed.“

If we want to see the power of God changing people in our groups, we need to cultivate honest transparency. 

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Totalmente Conhecido, Totalmente Curado

 Por Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

Em Lucas 8:43-47, vemos uma mulher que lutou durante anos com uma condição de sangramento crônico que a envergonhava e a tornava cerimonialmente impura. Sua condição a separava da vida na comunidade.

Um dia, Jesus estava passando por sua cidade e ela procurou por cura. Ela tocou em Seu manto e imediatamente o sangramento parou. Vitória!  Ela foi curada!

Mas ainda não totalmente.

Jesus percebeu que uma cura estava acontecendo. Ele parou e perguntou qual das muitas pessoas ao seu redor o havia tocado e recebido cura.

“Então a mulher, vendo que não conseguiria passar despercebida, veio tremendo e prostrou-se aos seus pés. Na presença de todo o povo contou por que tinha tocado nele e como fora instantaneamente curada”.

Lucas 8:47 

A mulher não queria que os outros soubessem que ela estava doente, ou mesmo que ela estava presente na multidão. Mas Jesus a chamou. Ele não estava tentando constrangê-la. Ele sabia que, para ser curada, ela precisava ser conhecida. Ela não podia viver nas sombras de sua vergonha.

Então ele disse a ela: “Filha, sua fé te curou! Vá em paz” (Lucas 8: 46-47).

A transparência é essencial para a transformação. Há uma frase antiga: “O que não pode ser revelado não pode ser curado”.

Se quisermos ver o poder de Deus mudando as pessoas em nossos grupos, precisamos cultivar uma transparência honesta.

Spanish blog:

Totalmente conocido, completamente curado.

Por Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

En Lucas 8: 43-47, una mujer que había luchado durante años con una enfermedad crónica hemorrágica que la avergonzaba y la hacía ceremonialmente impura. Su condición la separó de la vida en la comunidad.

Un día, Jesús pasaba por su pueblo y ella se acercó a él para curarse. Ella tocó su capa e inmediatamente la hemorragia se detuvo. ¡Victoria! ¡Ella fue sanada!

Pero aún no del todo.

Jesús notó que la sanidad estaba sucediendo. Se detuvo y preguntó cuál de las muchas personas que lo rodeaban lo había tocado y recibió sanación.

“Entonces la mujer, al ver que no podía pasar inadvertida, vino temblando y cayó a sus pies. En presencia de todas las personas, ella contó por qué lo había tocado y cómo se había curado instantáneamente.

La mujer no quería que otros supieran que estaba enferma, o incluso que estaba presente en la multitud. Pero Jesús la llamó. Él no estaba tratando de avergonzarla. Él sabía que para estar completamente curada ella necesitaba ser conocida. Ella no podía vivir en las sombras de su vergüenza.

Entonces él le dijo: “Hija, tu fe te ha curado. Ve en paz. ”(Lucas 8: 46-47)

La transparencia es esencial para la transformación. Hay una frase antigua que cita: “Lo que no se puede revelar no se puede curar”.

Si queremos ver el poder de Dios cambiando a las personas en nuestras células, necesitamos cultivar una transparencia honesta.

Clarify Expectations through a Covenant

By Steve Cordle, www.crossroadsumc.org 

Accountability and submission are essential to healthy discipleship and leadership, so we build it into our group leader development process.

One of the ways we do this is through our Group Leader Training portion of our Equipping Track. After sharing the “how” and “why” of group leadership, we ask new leaders to sign a Group Leader Covenant before they begin to lead.

Three of the nine clauses in the covenant deal with the issue of submission. They are as follows:

  • Lead according to the vision of Crossroads Church and be loyal to its leadership.
  • Be accountable to those placed in leadership over me.
  • Attend the monthly leadership and coaching meetings.

Sharing the rationale behind each of these points helps create a culture of healthy submission in our cell ministry. It also clarifies expectations for leaders. People generally rise to the level of expectation they are given. In our twenty years of using the covenant, I can think of only one time a prospective leader chose not to sign the covenant.

Asking people to sign such a covenant will not come across as heavy-handed if your culture is one of love and support. People interpret the covenant through their experience with their leaders. If those leaders are grace-filled and encouraging, the prospective group leaders will trust that this is how we create and live out the culture that they appreciate. If, on the other hand, the ministry’s prevailing leadership culture is punitive and legalistic, then they may feel coerced and hesitant to sign. 

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Esclareça as expectativas através de um contrato

Por Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

Prestação de contas e submissão são essenciais para um discipulado e uma liderança saudáveis, por isso construímos isso em nosso processo de desenvolvimento de líderes de grupo.

Uma das maneiras de fazer isso é através da parte de Treinamento do Líder de Grupo do nosso Trilho de Treinamento. Depois de compartilhar o “como” e o “porquê” da liderança do grupo, pedimos aos novos líderes que assinem um Contrato de Líder de Grupo antes de começarem a liderar.

Três das nove cláusulas do acordo lidam com a questão da submissão. Elas são as seguintes:

-Liderar de acordo com a visão da Igreja Crossroads e ser fiel à sua liderança.
-Ser responsável com aqueles que são colocados em liderança sobre mim.
-Participar das reuniões mensais de liderança e treinamento.

Compartilhar a justificativa por trás de cada um desses pontos ajuda a criar uma cultura de submissão saudável em nosso ministério de células. Também esclarece as expectativas para os líderes. As pessoas geralmente atingem o nível de expectativa que recebem. Em nossos vinte anos de uso do contrato, posso pensar em apenas uma vez em que um líder em potencial escolheu não assinar contrato.

Pedir que as pessoas assinem tal contrato não parecerá tão severo se sua cultura for de amor e apoio. As pessoas interpretam o contrato através de sua experiência com seus líderes. Se esses líderes são cheios de graça e encorajadores, os líderes de grupo em potencial confiarão que é assim que criamos e vivenciamos a cultura que eles apreciam. Se, por outro lado, a cultura de liderança prevalecente do ministério é punitiva e legalista, então eles podem se sentir coagidos e hesitantes em assinar.

Spanish blog:

Clarificar las expectativas a través de un pacto.

Por Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

La responsabilidad y la sumisión son esenciales para un discipulado y liderazgo saludables, por lo que lo incorporamos a nuestro proceso de desarrollo de líderes celulares.

Una de las maneras en que lo hacemos es a través de nuestra sección de Capacitación para Líderes Celulares de nuestra ruta de equipamiento. Después de compartir el “cómo” y el “por qué” del liderazgo de la célula, pedimos a los nuevos líderes que firmen un Pacto de líder celular antes de que comiencen a liderar.

Tres de las nueve cláusulas en el pacto tratan el tema de la sumisión. Y estos son los siguientes:

Dirige de acuerdo con la visión de Crossroads Church y sé leal a su liderazgo.

Sé responsable ante los que están en el liderazgo sobre ti.

Asiste a las reuniones mensuales de liderazgo y capacitación.

Compartir la razón detrás de cada uno de estos puntos ayuda a crear una cultura de sumisión saludable en nuestro ministerio celular. También aclara las expectativas de los líderes. Las personas generalmente se elevan al nivel de expectativa que se les da. En nuestros veinte años de uso del pacto, solo se me ocurre una vez que un posible líder optó por no firmar el pacto.

Pedirle a la gente que firme tal pacto no será tan duro si su cultura es de amor y apoyo. La gente interpreta el pacto a través de su experiencia con sus líderes. Si esos líderes están llenos de gracia y son alentadores, los futuros líderes de grupo confiarán en que así es como creamos y vivimos la cultura que aprecian. Si, por otro lado, la cultura de liderazgo predominante en el ministerio es punitiva y legalista, entonces pueden sentirse obligados y vacilantes al firmar.