Leader Care

By Steve Cordle, www.crossroadsumc.org    

Our cars need maintenance. If we neglect to change the oil, one day the engine may not start. If we do not replace the brakes, one day the car may not stop.

Our cell leaders need regular attention, too, or one day they will stop leading. In rare cases, they might even stop following Jesus altogether. A coach can provide the attention a group leader needs.

A coach can offer group leaders both discipling and mentoring. Discipling refers to help them grow in their relationship with Jesus, while mentoring refers to helping them grow in their ministry skills.

To start out coaching group leaders:

1. Set a regular meeting time.

I suggest getting together with leaders at least once per month. You can meet with up to five leaders at a time – they will appreciate hearing from each other. (If you more than five are present it becomes less helpful.)

2. Ask questions. The two most basic are:

         a) How are you doing? This is always first. Listen to how they are doing at home and in their walk with Jesus. Know what is happening in their lives that causes joy and concern. Pastor them.

            b) How is the group doing? Find out what is going well and where they are stuck.

3. Pray together.  

These simple actions will keep your leaders growing in Christ, cared for, and fruitful. 

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Cuidado com a liderança

Por Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

Nossos carros precisam de manutenção. Se deixarmos de trocar o óleo, um dia o motor poderá não dar partida. Se não substituirmos os freios, um dia o carro poderá não parar.

Nossos líderes de células também precisam de atenção regular ou um dia eles deixarão de liderar. Em casos raros, eles podem até parar de seguir Jesus completamente. Um treinador pode fornecer a atenção que um líder de grupo precisa.

Um treinador pode oferecer aos líderes de grupo discipulado e orientação. Discipular se refere a ajudá-los a crescer em seu relacionamento com Jesus, enquanto mentoria se refere a ajudá-los a crescer em suas habilidades de ministério.

Para começar a treinar líderes de grupos:

1. Defina um horário de reunião regular.

Sugiro reunir com os líderes pelo menos uma vez por mês. Você pode se reunir com até cinco líderes por vez – eles apreciarão ouvir um ao outro. (Se você tiver mais de cinco presentes, isso se tornará menos útil.)

2. Faça perguntas. Os dois mais básicos são:

         a) Como você está? Isso é sempre o primeiro. Ouça como eles estão em casa e em sua caminhada com Jesus. Saiba o que está acontecendo em suas vidas que causa alegria e preocupação. Pastor eles.

            b) Como está o grupo? Descubra o que está indo bem e onde eles estão presos.

3. Orem juntos.

Essas ações simples manterão seus líderes crescendo em Cristo, cuidados e frutíferos.

Spanish blog:

Atención al líder

Por Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

Nuestros autos necesitan mantenimiento. Si descuidamos cambiar el aceite, algún día el motor podría no arrancar. Si no reemplazamos los frenos, algún día el automóvil podría no detenerse.

Nuestros líderes celulares también necesitan atención de manera regular, o algún día dejarán de liderar. En raros casos, incluso podrían dejar de seguir a Jesús por completo. Un supervisor puede proporcionar la atención que necesita un líder celular.

Un entrenador puede ofrecer a los líderes celulares disciplina y tutoría. La disciplina se refiere a ayudarlos a crecer en su relación con Jesús, mientras que la tutoría se refiere a ayudarlos a crecer en sus habilidades ministeriales.

Para comenzar a entrenar líderes celulares:

1. Establece un horario de reunión regular.

Sugiero reunirse con los líderes al menos una vez al mes. Puede reunirse con hasta cinco líderes a la vez; ellos apreciarán escuchar el uno del otro. (Si hay más de cinco presentes, se vuelve menos útil).

2. Haz preguntas. Los dos más básicas son:

a) ¿Cómo te va? Esto siempre es lo primero. Escucha acerca de cómo les va en casa y en su caminar con Jesús. Conoce lo que está sucediendo en sus vidas que causa alegría y preocupación. Se un pastor para ellos.

b) ¿Cómo va la célula? Averigüa qué se está haciendo bien y dónde están estancados.

3. Oren juntos.

Estas acciones simples mantendrán a tus s líderes creciendo en Cristo, bien atendidos y fructíferos.

Sumate a la Obra Misionera a Pueblos No Alcanzados

New Year, Same Focus

By Steve Cordle, www.crossroadsumc.org     

For cell leaders, the New Year is a great time for a renewed focus on our unchanging target: making disciples who make disciples.

Over time, caring for the many practical tasks of leading a call makes it easy for leaders to lose sight of the reason we do it all: making disciples. The beginning of a new year is a great time to remind them.

Remind them of what they do

A leader’s main purpose is not to lead discussions or pray for people. They do those things, of course, but their main goal is to make disciples.

This month is a good time to remind them of Jesus’ Great Commission to make disciples, teaching them to obey everything he commanded. (Matthew 28:19-20) Make it the theme of coaching meetings. Put is in emails. You might even place that purpose at the top of every group agenda.

Remind them of how to do it

The idea of making disciples can intimidate some leaders. They are all for it, but they are not sure they know how. Remind them that they make disciples when they:

            1. Share their lives.

As they are open with group members about the reality of their lives, they influence them. As Ralph Moore says, discipleship is a friendship with Jesus at the center. Remind them that as they invest in relationships they are making disciples.

            2. Encourage members to go through the Equipping track.

            The Equipping Track will keep members moving toward maturity.

            3. Ask about application.

            Each week, ask the members how it went as they applied the lesson from the week before. Accountability is the main difference between a discussion group and a disciple-making group. 

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Esta é uma tradução do Google. Assim que a tradução normal for recebida, ela será publicada no site do JCG.

Ano Novo, Mesmo foco

Por Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

Para os líderes de célula, o Ano Novo é um ótimo momento para um foco renovado em nossa meta imutável: fazer discípulos que fazem discípulos.

Com o tempo, cuidar das muitas tarefas práticas de liderar uma chamada facilita que os líderes percam de vista a razão pela qual fazemos tudo: fazer discípulos. O início de um novo ano é um ótimo momento para lembrá-los.

Lembre-os do que fazem

O principal objetivo de um líder não é liderar discussões ou orar pelas pessoas. Eles fazem essas coisas, é claro, mas seu principal objetivo é fazer discípulos.

  • Este mês é um bom momento para lembrá-los da grande comissão de Jesus de fazer discípulos, ensinando-os a obedecer a tudo o que ele ordenou. (Mateus 28: 19-20) Faça disso o tema das reuniões de coaching. Put está em e-mails. Você pode até colocar esse propósito no topo de cada agenda de grupo.

Lembre-os de como fazê-lo

A idéia de fazer discípulos pode intimidar alguns líderes. Eles são todos a favor, mas não têm certeza de que sabem como. Lembre-os de que eles fazem discípulos quando:

            1. Compartilhe suas vidas.

Ao serem abertos com os membros do grupo sobre a realidade de suas vidas, eles os influenciam. Como Ralph Moore diz, o discipulado é uma amizade com Jesus no centro. Lembre-os de que, ao investirem em relacionamentos, estão fazendo discípulos.

            2. Incentive os membros a percorrer a trilha do equipamento.
            
A pista de equipamentos manterá os membros caminhando para a maturidade.

            3. Pergunte sobre a aplicação.

Toda semana, pergunte aos membros como foi a aplicação da lição da semana anterior. Responsabilização é a principal diferença entre um grupo de discussão e um grupo de discípulos.

Spanish blog:

Año nuevo, mismo enfoque

Por Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

Para los líderes celulares, el Año Nuevo es un buen momento para un enfoque renovado en nuestro objetivo inmutable: hacer discípulos que hagan discípulos.

Con el tiempo, cuidar las muchas tareas prácticas de dirigir una llamado hace que sea fácil para los líderes perder de vista la razón por la que lo hacemos todo: hacer discípulos. El inicio de un nuevo año es un buen momento para recordarles.

Recuérdales lo que hacen.

El propósito principal de un líder no es dirigir discusiones u orar por las personas. Hacen esas cosas, por supuesto, pero su objetivo principal es hacer discípulos.

Este mes es un buen momento para recordarles la Gran Comisión de Jesús para hacer discípulos, enseñándoles a obedecer todo lo que él ordenó. (Mateo 28: 19-20) Conviértalo en el tema de las reuniones de entrenamiento. Put está en correos electrónicos. Incluso podría colocar ese propósito en la parte superior de la agenda de cada grupo.

Recuérdales cómo hacerlo.

La idea de hacer discípulos puede intimidar a algunos líderes. Todos están a favor, pero no están seguros de saber cómo. Recuérdales que hacen discípulos cuando ellos:

1. Compartir acerca de sus vidas.

Cuando son abiertos con los miembros de la célula sobre la realidad de sus vidas, los influencian. Como dice Ralph Moore, el discipulado es una amistad con Jesús en el centro. Recuérdales que a medida que invierten en relaciones, están haciendo discípulos.

2. Anima a los miembros a pasar por la pista de equipamiento.

La pista de equipamiento mantendrá a los miembros avanzando hacia la madurez.

3. Pregunte sobre la aplicación.

Cada semana, pregunte a los miembros cómo les fue cuando aplicaron la lección de la semana anterior. La rendición de cuentas es la principal diferencia entre un grupo de discusión y un grupo que hace discípulos.

Sumate a la Obra Misionera a Pueblos No Alcanzados

From Lost to Leader

By Steve Cordle, www.crossroadsumc.org     

Rachel felt alone. She appreciated her husband and young son, but her critical and judgmental spirit pushed almost everyone else away. She knew she was alienating others, but she accepted that as the price to pay for high personal standards.

Rachel had opinions about God, but not a relationship with him. Her husband had never been part of church before, but he worked with a member of one of our church’s cell groups. The cell member prayed for them and invited them to worship for four years, until finally one week they said, “yes.” They came and become regular attenders.

One morning in worship, God’s love broke through Rachel’s protective shell and she received new life in Christ. Her husband did the same shortly thereafter.

Rachel joined a cell group and started the equipping track. She went on to become an apprentice, and then she became a group leader. Her group grew and multiplied. Rachel became the leader of the Encounter Retreat ministry and her influence grew.

She took our church’s ministry training course, and a few years later Rachel became the campus pastor of our newest campus. Through the cell system, Rachel moved from lost to leader. 

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

De Perdido a Líder

Por Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

Rachel se sentia sozinha. Ela apreciava o marido e o filho pequeno, mas seu espírito crítico e julgador afastou quase todo mundo. Ela sabia que estava alienando os outros, mas aceitou isso como o preço a pagar por altos padrões pessoais.

Rachel tinha opiniões sobre Deus, mas ela não tinha um relacionamento com Ele. O marido dela nunca fez parte da igreja antes, mas ele trabalhou com um membro de uma das células da nossa igreja. O membro da célula orou por eles e os convidou para adorar por quatro anos, até que, finalmente, uma semana eles disseram: “sim”. Eles vieram e se tornaram frequentadores regulares.

Numa manhã durante a adoração, o amor de Deus rompeu a concha protetora de Rachel e ela recebeu uma nova vida em Cristo. Seu marido fez o mesmo logo depois.

Rachel se juntou a uma célula e começou o trilho de treinamento. Ela se tornou aprendiz e depois uma líder de grupo. Seu grupo cresceu e se multiplicou. Rachel se tornou a líder do ministério de Encontros com Deus e sua influência aumentou.

Ela fez o curso de treinamento para o ministério de nossa igreja e, alguns anos depois, Rachel se tornou a pastora do campus mais novo. Através do sistema celular, Rachel passou de uma perdida a uma líder.

Spanish blog:

Encontrando al Mesías

Por Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

Amy y Ben fueron criados como judíos ortodoxos en Pittsburgh. Crecieron y fueron juntos a la misma escuela. Luego, tomaron caminos separados. Después de que se volvieron a conectar y comenzaron a salir, Amy reveló que estaba explorando la fe cristiana. Después de casarse, Amy decidió seguir a Cristo y durante veinte años, Amy intentó influir en Ben hacia Jesús, pero ningún programa de la iglesia al que asistieron pudo convencerlo.

Eventualmente, comenzaron a asistir a un grupo celular de la iglesia Crossroads y comenzaron a aprender sobre los conceptos básicos de la fe cristiana. Ben compartió sus reservas pero mantuvo una mente abierta. Comenzó a construir relaciones con otros miembros del grupo y a involucrarse en la vida de la iglesia. Finalmente, Ben tuvo una experiencia poderosa con el retiro, Encuentro con Jesús y regresó para compartir con su grupo que decidió convertirse en seguidor de Jesús.

La semana siguiente, fue bautizado en el servicio de adoración y compartió con toda la iglesia sobre su decisión. Amy ahora está siendo entrenada como líder celular. Ambos han aprendido en su grupo celular a vivir en misión. Esto los inspira a aprovechar al máximo sus años de jubilación, sirviendo tanto a niños como a ancianos en la comunidad. No es raro que compartan con su pequeño grupo una historia de cómo oraron por un cajero o compartieron el amor de Jesús con un amigo en el centro comunitario para personas mayores. Una vez contrario a la lectura de las Escrituras, Ben ahora está escuchando a Dios a través de la Biblia. Sus relaciones con el grupo celular los han ayudado a crecer hasta el punto de que están ayudando a otros a crecer en su obediencia a Dios.

Finding the Messiah

By Steve Cordle, www.crossroadsumc.org     

Amy and Ben were raised as Orthodox Jews in Pittsburgh. They grew up and went to the same school together. Afterwards, they went their separate ways. After they reconnected and began dating, Amy revealed that she was exploring the Christian faith. After they married Amy chose to follow Christ. For twenty years Amy tried to influence Ben toward Jesus, but no church program they attended could convince him.

Eventually, they started attending a Crossroads Church cell group and started to learn about the basics of the Christian faith. Ben shared his reservations but kept an open mind. He began building relationships with other group members and getting involved in the life of the church. Eventually, Ben had a powerful experience with Jesus Encounter retreat and came back to share with his group that he decided to become a follower of Jesus.

The next week, he was baptized in the worship service and shared with the whole church about his decision. Amy is now being trained as a group leader. Both of them have learned in their group to live on mission. This is inspiring them to make the most of their retirement years, serving both children and the elderly in the community. It is not uncommon for them to share with their small group a story of how they prayed for a cashier or shared the love of Jesus with a friend at the senior community center. Once averse to reading scripture, Ben is now hearing God through the Bible. Their cell group relationships have helped them grow to the point that they are helping others grow in their obedience to God.  

Korean blog (Click here)

Portuguese blog:

Encontrando o Messias

Por Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

Amy e Ben foram criados como judeus ortodoxos em Pittsburgh. Eles cresceram e foram para a mesma escola juntos. Depois, seguiram caminhos separados. Depois que eles se reconectaram e começaram a namorar, Amy revelou que estava explorando a fé cristã. Depois que se casaram, Amy escolheu seguir a Cristo. Por vinte anos, Amy tentou influenciar Ben em relação a Jesus, mas nenhum programa da igreja que eles frequentaram conseguiu convencê-lo.

Eventualmente, eles começaram a frequentar uma célula da Crossroads Church e começaram a aprender sobre o básico da fé cristã. Ben compartilhou estar apreensivo, mas manteve a mente aberta. Ele começou a construir relacionamentos com outros membros do grupo e a se envolver na vida da igreja. Eventualmente, Ben teve uma experiência poderosa com o retiro do Jesus Encounter (“Encontro com Jesus”, em tradução livre) e voltou para compartilhar com seu grupo que ele decidiu se tornar um seguidor de Jesus.

Na semana seguinte, ele foi batizado no culto e compartilhou sua decisão com toda a igreja. Amy agora está sendo treinada como líder de grupo. Ambos aprenderam em seu grupo a viver em missões. Isso os inspira a aproveitar ao máximo seus anos de aposentadoria, atendendo crianças e idosos da comunidade. Não é incomum que eles compartilhem com seu pequeno grupo uma história de como oraram por um atendente de caixa ou compartilharam o amor de Jesus com um amigo no centro comunitário sênior. Antes avesso a ler as escrituras, Ben agora está ouvindo Deus através da Bíblia. Os relacionamentos de sua célula os ajudaram a crescer a tal ponto que agora estão ajudando outras pessoas a crescerem em sua obediência a Deus.

Spanish blog:

Encontrando al Mesías

Por Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

Amy y Ben fueron criados como judíos ortodoxos en Pittsburgh. Crecieron y fueron juntos a la misma escuela. Luego, tomaron caminos separados. Después de que se volvieron a conectar y comenzaron a salir, Amy reveló que estaba explorando la fe cristiana. Después de casarse, Amy decidió seguir a Cristo y durante veinte años, Amy intentó influir en Ben hacia Jesús, pero ningún programa de la iglesia al que asistieron pudo convencerlo.

Eventualmente, comenzaron a asistir a un grupo celular de la iglesia Crossroads y comenzaron a aprender sobre los conceptos básicos de la fe cristiana. Ben compartió sus reservas pero mantuvo una mente abierta. Comenzó a construir relaciones con otros miembros del grupo y a involucrarse en la vida de la iglesia. Finalmente, Ben tuvo una experiencia poderosa con el retiro, Encuentro con Jesús y regresó para compartir con su grupo que decidió convertirse en seguidor de Jesús.

La semana siguiente, fue bautizado en el servicio de adoración y compartió con toda la iglesia sobre su decisión. Amy ahora está siendo entrenada como líder celular. Ambos han aprendido en su grupo celular a vivir en misión. Esto los inspira a aprovechar al máximo sus años de jubilación, sirviendo tanto a niños como a ancianos en la comunidad. No es raro que compartan con su pequeño grupo una historia de cómo oraron por un cajero o compartieron el amor de Jesús con un amigo en el centro comunitario para personas mayores. Una vez contrario a la lectura de las Escrituras, Ben ahora está escuchando a Dios a través de la Biblia. Sus relaciones con el grupo celular los han ayudado a crecer hasta el punto de que están ayudando a otros a crecer en su obediencia a Dios.

Careful Hand offs

By Steve Cordle, www.crossroadsumc.org     

When our church transitioned to a cell-based ministry, I understood that, as senior pastor, I needed to be the primary champion of the cell strategy.

So, for our first ten years as a cell church, I personally led the cell ministry. I wrote the weekly group agenda, designed the Equipping Track, developed the reporting format, set up the coaching structure, and led monthly leaders’ gatherings. All this while I was preaching weekly and filling all the other roles of a senior pastor. As our church grew, started new campuses, and the number of cells multiplied, I needed to hand off some of the responsibility for running the group ministry.

When we hired our first groups director (from within our church) I was confident that she had our ministry DNA. When she moved away, we hired another person. I didn’t want to be a “micro-manager.” I wanted to make sure each leader had the freedom to go about the ministry in the way they felt best. The problem was that with each successive hire, the in-coming staffer had less of a grip on the values and details that make up the culture of our group ministry. Eventually, I had to step back in with more direction.

If I had to do it over again, I would stay in closer touch with how the cells were being led. I would take more time to make sure the staff person was thoroughly immersed in the principles, values and procedures of the ministry. When they made changes or dropped a ministry piece, I would make sure that the piece’s function was being carried out effectively in the new format.

For example, if they were going to drop the monthly leader gatherings, I would ask how the leaders were going to get regular infusions of vision, celebrate victories, get equipped and hear about the church’s emerging priorities. The staff person wouldn’t need to use the same form I did, but the function still needs to occur. 

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Delegação Cuidadosa

Por Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

Quando nossa igreja fez a transição para o ministério baseado em células, eu entendi que, como pastor sênior, eu precisava ser o principal defensor da estratégia celular.

Assim, nos primeiros dez anos como igreja celular, eu liderei pessoalmente o ministério celular. Eu escrevi a agenda semanal do grupo, projetei o Trilho de Treinamento, desenvolvi o formato dos relatórios, estabeleci a estrutura de treinamento e conduzi reuniões mensais de líderes. Tudo isso enquanto eu pregava semanalmente e preenchia todos os outros papéis de pastor sênior. À medida que nossa igreja crescia, iniciava novos campus e o número de células se multiplicava, eu precisava entregar parte da responsabilidade de administrar o ministério de grupos.

Quando contratamos nosso primeiro diretor de grupos (de dentro de nossa igreja), eu estava confiante de que ela tinha o DNA do nosso ministério. Quando ela se afastou, contratamos outra pessoa. Eu não queria ser um “microgerenciador”. Queria garantir que cada líder tivesse a liberdade de realizar o ministério da maneira que se sentisse melhor. O problema era que, a cada contratação sucessiva, o funcionário que chegava tinha menos controle sobre os valores e detalhes que compõem a cultura do ministério de nossos grupos. Eventualmente, eu tive que voltar e colocar as mãos na massa e trazer mais direção.

Se eu tivesse que fazer tudo de novo, ficaria mais próximo de como as células estavam sendo conduzidas. Eu levaria mais tempo para garantir que a pessoa da equipe estivesse completamente imersa nos princípios, valores e procedimentos do ministério. Quando eles fizessem alterações ou descartassem uma peça do ministério, eu me certificaria de que a função da peça estivesse sendo executada efetivamente no novo formato.

Por exemplo, se eles abandonassem as reuniões mensais de líderes, eu perguntaria como os líderes receberiam infusões regulares da visão, celebrariam vitórias, se equipariam e ouviriam sobre as prioridades emergentes da igreja. A pessoa da equipe não precisaria usar o mesmo formato que eu, mas a função ainda precisa ocorrer.

Spanish blog:

Traslados cuidadosos

Por Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

Cuando nuestra iglesia hizo la transición a un ministerio basado en células, entendí que, como pastor principal, necesitaba ser el principal defensor de la estrategia celular.

Entonces, durante nuestros primeros diez años como iglesia celular, yo personalmente dirigí el ministerio celular. Escribí la agenda semanal del grupo, diseñé el Ruta de Equipamiento, desarrollé el formato de informes, establecí la estructura de entrenamiento y dirigí reuniones mensuales de líderes. Todo esto mientras predicaba semanalmente y desempeñaba todas las demás funciones de un pastor principal. A medida que nuestra iglesia creció, abrió nuevas filiales y se multiplicó la cantidad de células, necesitaba entregar parte de la responsabilidad de dirigir el ministerio celular.

Cuando contratamos a la directora de nuestro primer grupo (dentro de nuestra iglesia) estaba seguro de que ella tenía el ADN de nuestro ministerio. Cuando ella se mudó, contratamos a otra persona. No quería ser un “microgerente”. Quería asegurarme de que cada líder tuviera la libertad de dedicarse al ministerio de la manera que se sintiera mejor. El problema era que con cada contratación sucesiva, el personal entrante tenía menos control sobre los valores y detalles que conforman la cultura de nuestro ministerio grupal. Finalmente, tuve que retroceder con más dirección.

Si tuviera que hacerlo de nuevo, me mantendría en contacto más cercano con cómo se conducían las células. Me tomaría más tiempo asegurarme de que la persona del personal estén completamente inmersa en los principios, valores y procedimientos del ministerio. Cuando realizaban cambios o dejaban caer una pieza del ministerio, me aseguraba de que la función de la pieza se llevara a cabo de manera efectiva en el nuevo formato.

Por ejemplo, si iban a abandonar las reuniones mensuales de líderes, preguntaría cómo los líderes obtendrían infusiones de visión regulares, celebrarían victorias, se equiparían y escucharían sobre las prioridades emergentes de la iglesia. El miembro del personal no necesitaría usar el mismo formulario que yo, pero la función aún debe ocurrir.