Delegated Authority 

By Steve Cordle, https://xr.church/

“What do I need to do to become a group leader?” 

The apprentice of the group I lead recently asked me that question. I explained the equipping track to him and encouraged him to get started. Even though he knew how to lead a meeting, I couldn’t declare him a leader yet. I explained to him that becoming a group leader was more than just leading a meeting; it was receiving and exercising delegated pastoral authority. 

In a cell-based church, pastors delegate essential ministry to the group leaders. We equip the leaders to disciple and care for the members in their groups and train them to evangelize their network of relationships. Ultimately, the health and effectiveness of the church will rise or fall on the members’ fulfillment of their ministry. 

Some pastors have a hard time handing over the ministry to their members. What if they don’t do it right? What if they don’t do it at all? However, consider that Jesus delegated his mission to his disciples and returned to heaven. We don’t have any other choice but to trust our members to do the ministry because we pastors cannot do it all ourselves unless the church remains small, and our goal is to fulfill the Great Commission. 

Rather than trying to care for the needs of all ourselves, the church is healthiest when we pastors equip the saints to do the work of the ministry (Eph. 4:11-12.) That means more than just handing out bulletins or running a soundboard; it means making disciples, caring for the hurting, and reaching the lost.

My apprentice understood and was ready to start the equipping track two weeks from now. He’ll be a great leader! 

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Autoridade Delegada
por Steve Cordle, https://xr.church/

“O que preciso fazer para me tornar um líder de grupo?”

O aprendiz do grupo que lidero recentemente me fez essa pergunta. Expliquei-lhe o trilho de treinamento e encorajei-o a começar. Embora ele soubesse liderar uma reunião, ainda não poderia declará-lo líder. Expliquei-lhe que tornar-se líder de grupo era mais do que apenas liderar uma reunião; era receber e exercer autoridade pastoral delegada.

Numa igreja baseada em células, os pastores delegam o ministério essencial aos líderes do grupo. Equipamos os líderes para discipular e cuidar dos membros dos seus grupos e os treinamos para evangelizar a sua rede de relacionamentos. Em última análise, a saúde e a eficácia da igreja aumentarão ou diminuirão com base no cumprimento do seu ministério pelos membros.

Alguns pastores têm dificuldade em entregar o ministério aos seus membros. E se eles não fizerem isso direito? E se eles não fizerem nada? Contudo, considere que Jesus delegou sua missão aos seus discípulos e voltou para o céu. Não temos outra escolha senão confiar nos nossos membros para fazerem o ministério, porque nós, pastores, não podemos fazer tudo sozinhos, a menos que a igreja permaneça pequena e o nosso objetivo seja cumprir a Grande Comissão.

Em vez de tentar cuidar das necessidades de todos nós mesmos, a igreja é mais saudável quando nós, pastores, equipamos os santos para fazerem o trabalho do ministério (Efésios 4:11-12). Isso significa mais do que apenas distribuir boletins ou administrar uma mesa de som; significa fazer discípulos, cuidar dos feridos e alcançar os perdidos.

Meu aprendiz entendeu e estava pronto para iniciar o trilho de treinamento daqui a duas semanas. Ele será um grande líder!

Spanish blog:

La siguiente traducción es de Google Translate. La traducción estándar habitual se publicará en el sitio web de JCG cuando se reciba.

Autoridad Delegada
Por Steve Cordle, https://xr.church/

“¿Qué necesito hacer para convertirme en un líder grupal?”

El aprendiz del grupo que lideré recientemente me hizo esa pregunta. Le expliqué la pista de equipamiento y lo animé a comenzar. A pesar de que él sabía cómo liderar una reunión, todavía no podía declararlo un líder. Le expliqué que convertirse en un líder grupal era más que solo liderar una reunión; Estaba recibiendo y ejerciendo autoridad pastoral delegada.

En una iglesia basada en células, los pastores delegan al ministerio esencial a los líderes del grupo. Equipamos a los líderes para discipular y cuidar a los miembros de sus grupos y capacitarlos para evangelizar su red de relaciones. En última instancia, la salud y la efectividad de la iglesia aumentarán o caerán en el cumplimiento de los miembros de su ministerio.

Algunos pastores tienen dificultades para entregar el ministerio a sus miembros. ¿Qué pasa si no lo hacen bien? ¿Qué pasa si no lo hacen en absoluto? Sin embargo, considere que Jesús delegó su misión a sus discípulos y regresó al cielo. No tenemos otra opción que confiar en que nuestros miembros hagan el ministerio porque los pastores no podemos hacerlo todos nosotros mismos a menos que la iglesia siga siendo pequeña, y nuestro objetivo es cumplir con la gran comisión.

En lugar de tratar de atender las necesidades de todos nosotros mismos, la iglesia es más saludable cuando los pastores equipamos a los santos para que hagan el trabajo del ministerio (Ef. 4: 11-12). Eso significa algo más que simplemente entregar boletines o ejecutar un tabla de resonancia; Significa hacer discípulos, cuidar los dolores y llegar a los perdidos.

Mi aprendiz entendió y estaba listo para comenzar la pista de equipamiento dentro de dos semanas. ¡Será un gran líder!

The Church’s Basic Expression

By Steve Cordle, https://xr.church/

When you hear the word “church,” what comes to mind? Can you imagine a healthy church that does not have a large celebration service?

The early church did. For a first-century believer, “church” did not evoke the image of a building or a large worship gathering; it would be a small group meeting in a house.

Many churches in the United States consider small groups one of the larger church’s many ministries—an optional activity for those interested in that sort of thing. They see the church’s core as the public worship service (celebration).

In reality, the cell group is the primary expression of the church. Why do I say that? Because the cell group can fulfill all the functions of the church, the celebration service cannot.

The functions of the church have been identified as worship, fellowship, discipleship, ministry, and evangelism (some add prayer and leadership.) All of these functions can be best expressed in the cell group. Only a few can use their gifts in a worship gathering with hundreds of people. In a cell group, everyone can participate meaningfully (1 Corinthians 14:6.) True community (fellowship) is fostered better in a small group than in a large gathering. Biblical discipleship takes place in the context of relationship, which is the specialty of the cell. Evangelism and outreach can be intentional and relational when done by a cell group.

If we think that the “real” church happens primarily in celebration services, then we will grow disciples who are not fully formed. Celebration services fulfill an essential role, but they are just one piece of the overall picture of the church.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

A Expressão Básica da Igreja
por Steve Cordle, https://xr.church/

Quando você ouve a palavra “igreja”, o que vem à mente? Você consegue imaginar uma igreja saudável que não tenha um grande culto de celebração?

A igreja primitiva fez isso. Para um crente do primeiro século, “igreja” não evocava a imagem de um edifício ou de uma grande reunião de adoração; seria uma reunião de um pequeno grupo em uma casa.

Muitas igrejas nos Estados Unidos pensam nos pequenos grupos como um dos muitos ministérios da igreja como um todo – uma atividade opcional para aqueles interessados neste tipo de coisa. Eles vêem o núcleo da igreja como o culto público de adoração (celebração).

Na realidade, a célula é a expressão primária da igreja. Por que eu digo isso? Porque a célula pode cumprir todas as funções da igreja, o culto de celebração não pode.

As funções da igreja foram identificadas como adoração, comunhão, discipulado, ministério e evangelismo (alguns acrescentam oração e liderança). Todas estas funções podem ser melhor expressas na célula. Apenas alguns podem usar seus dons em uma reunião de adoração com centenas de pessoas. Numa célula, todos podem participar significativamente (1 Coríntios 14:6). A verdadeira comunidade (comunhão) é melhor promovida num pequeno grupo do que numa grande reunião. O discipulado bíblico ocorre no contexto do relacionamento, que é a especialidade da célula. Evangelismo e evangelização podem ser intencionais e relacionais quando realizados por uma célula.

Se pensarmos que a “verdadeira” igreja acontece principalmente nos cultos de celebração, então faremos discípulos que não estão totalmente formados. Os cultos de celebração cumprem um papel essencial, mas são apenas uma parte do quadro geral da igreja

Spanish blog:

La expresión básica de la Iglesia
Por Steve Cordle, https://xr.church/

Cuando escucha la palabra “iglesia”, ¿qué le viene a la mente? ¿Puede imaginar una iglesia saludable que no tenga un gran servicio de celebración?

La iglesia primitiva lo hacía. Para un creyente del primer siglo, “iglesia” no evocaba la imagen de un edificio o una gran reunión de culto; sería un pequeño grupo que se reunía en una casa.

Muchas iglesias en los Estados Unidos piensan en los grupos pequeños como uno de los muchos ministerios de la iglesia más grande – una actividad opcional para aquellos interesados en ese tipo de cosas. Ellos ven el núcleo de la iglesia como el servicio público de adoración (celebración.)

En realidad, el grupo celular es la expresión primaria de la iglesia. ¿Por qué digo esto? Porque el grupo celular puede cumplir todas las funciones de la iglesia, el servicio de celebración no puede.

Las funciones de la iglesia han sido identificadas como adoración, compañerismo, discipulado, ministerio y evangelismo (algunos añaden oración y liderazgo.) Todas estas funciones pueden ser mejor expresadas en el grupo celular. Sólo unos pocos pueden usar sus dones en una reunión de adoración con cientos de personas. En un grupo celular, todos pueden participar significativamente (1 Corintios 14:6.) La verdadera comunidad (compañerismo) se fomenta mejor en un grupo pequeño que en una reunión grande. El discipulado bíblico tiene lugar en el contexto de la relación, que es la especialidad de la célula. El evangelismo y el alcance pueden ser intencionales y relacionales cuando son hechos por un grupo celular.

Si pensamos que la “verdadera” iglesia ocurre principalmente en los servicios de celebración, entonces cultivaremos discípulos que no están completamente formados. Los servicios de celebración cumplen un papel esencial, pero son sólo una pieza del cuadro general de la iglesia.

Form Follows Function

By Steve Cordle, https://xr.church/

Form follows function. An object looks the way it does because its purpose dictates its form. I do not use a shovel to eat my cereal; a shovel is designed to dig holes. I would not choose a spoon to dig a trench for obvious reasons.

If part of the purpose of a cell group is evangelism, then it needs to be shaped to reach unreached people. That means it needs to be small.

We can invite people to large group gatherings, like celebration services. But some people will not respond to those. Some people need a relational connection with a few believers to become open to the gospel. They might not be open to going to a church facility with a large group, but they may say “yes” to an invitation to a friend’s house for a cell group social gathering. Later, they may be ready to attend a Christ-centered cell gathering where they can ask questions and interact casually.

A small group gathering allows the church to go to the lost rather than insisting the lost come to the church. A small cell can be nimble, responding quickly to needs in the community and opportunities with people they know. A cell is ideally designed for seeking the lost one-on-one.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

A forma segue a função
Steve Cordle, https://xr.church/

A forma segue a função. Um objeto tem a aparência que tem por que o propósito para o qual ele existe determina a sua forma. Eu não uso uma pá para comer meu cereal de café da manhã; a pá foi planejada para cavar e fazer buracos. Obviamente eu não optaria por utilizar uma colher para cavar uma trincheira.

Se uma parte do propósito da célula é o evangelismo, então ela precisa ter sua forma adequada para alcançar os perdidos. Isso significa que ela precisa ser pequena.

Podemos convidar pessoas para as grandes reuniões, como os cultos de celebração. Mas algumas pessoas não aceitam estes convites. Algumas pessoas precisam de uma conexão relacional com alguns crentes para se abrir para o evangelho. Pode ser que estas pessoas não estejam dispostas a ir até a igreja e participar de uma grande reunião, mas eles podem dizer “sim” a um convite para uma reunião social programada por uma célula, na casa de um amigo. Mais tarde, pode ser que estejam prontos para frequentar uma célula cristã onde podem fazer questionamentos e interagir com outras pessoas de maneira bem casual.

Uma pequena reunião de célula permite que a igreja vá até os perdidos, ao invés de insistir para que venham à igreja. Uma pequena célula pode ser ágil e responder rapidamente aos anseios da comunidade e às oportunidades com pessoas conhecidas. A célula foi planejada de maneira ideal para alcançar os perdidos, um a um.

Spanish blog:

La forma sigue a la función
Por Steve Cordle, https://xr.church/

La forma sigue a la función. Un objeto tiene el aspecto que tiene porque su finalidad dicta su forma. Yo no uso una pala para comerme los cereales; una pala está diseñada para cavar agujeros. Por razones obvias, no elegiría una cuchara para cavar una zanja.

Si parte del propósito de un grupo celular es la evangelización, entonces tiene que estar diseñado para alcanzar a los no alcanzados. Eso significa que tiene que ser pequeño.

Podemos invitar a la gente a reuniones de grupos grandes, como servicios de celebración. Pero algunas personas no responderán a estos. Algunas personas necesitan una conexión relacional con unos pocos creyentes para abrirse al evangelio. Puede que no estén abiertos a ir a una iglesia con un grupo grande, pero pueden decir “sí” a una invitación a la casa de un amigo para una reunión social del grupo celular. Más tarde, pueden estar listos para asistir a una reunión celular centrada en Cristo donde pueden hacer preguntas e interactuar casualmente.

Una reunión de grupo pequeño permite a la iglesia ir a los perdidos en lugar de insistir en que los perdidos vengan a la iglesia. Una célula pequeña puede ser ágil, respondiendo rápidamente a las necesidades de la comunidad y a las oportunidades con personas que conocen. Una célula está idealmente diseñada para buscar a los perdidos uno a uno.

What are we doing?

By Steve Cordle, https://xr.church/

What do you think about a football (soccer) coach whose team played cards during practice? Or what if the team spent the whole game on their end of the field and never attempted to score a goal? You would think something is wrong. The game’s object is to score more than the other team, which requires practice and commitment to all parts of the game.

“I’m so proud of our team because our players gather every time we have a game!” the coach says. “They always show up!” That is not the point – the purpose is to win the game.

A wise cell church leader will work to help groups do what is needed to succeed in their mission. The mission comes from Jesus: to make disciples who make disciples. To accomplish that, a group needs a holistic approach. The group needs to develop people UP, In, and OUT…. That is, to know and love God (UP), to grow in love for others (IN), and to reach out to a broken world (OUT). In other words, the group engages in discipleship, community, and evangelism. When that happens, the group will grow spiritually and numerically, so the natural result will be birthing a new group out of the existing one.

If groups focus exclusively on community and do not reach out or connect their members with God or the community, they will not succeed at making disciples. It might make spiritual consumers or create cliques, but it will not resemble the Acts 2 church.

The measure of a cell church’s health is not how many groups it has but the groups engaged in holistic disciple-making ministry. 

Korean blog (Click here)

Portuguese blog:

O Que Estamos Fazendo?
por Steve Cordle, https://xr.church/

O que você acha de um treinador de futebol cujo time jogava cartas durante o treino? Ou e se o time passasse o jogo inteiro no seu lado do campo e nunca tentasse marcar um gol? Você pensaria que algo está errado. O objetivo do jogo é marcar mais pontos que o outro time, o que exige prática e comprometimento em todas as partes do jogo.

“Estou muito orgulhoso da nossa equipe porque nossos jogadores se reúnem sempre que jogamos!” diz o treinador. “Eles sempre aparecem!” A questão não é essa – o objetivo é ganhar o jogo.

Um líder sábio de igreja em células trabalhará para ajudar os grupos a fazerem o que for necessário para terem sucesso na sua missão. A missão vem de Jesus: fazer discípulos que fazem discípulos. Para conseguir isso, um grupo precisa de uma abordagem holística. O grupo precisa desenvolver as pessoas para CIMA, para DENTRO e para FORA…. Isto é, conhecer e amar a Deus (CIMA), crescer no amor pelos outros (DENTRO) e alcançar um mundo fragmentado (FORA). Em outras palavras, o grupo se envolve em discipulado, comunidade e evangelismo. Quando isso acontecer, o grupo crescerá espiritual e numericamente, de modo que o resultado natural será o nascimento de um novo grupo a partir do já existente.

Se os grupos se concentrarem exclusivamente na comunidade e não alcançarem ou ligarem os seus membros a Deus ou à comunidade, não conseguirão fazer discípulos. Poderá criar consumidores espirituais ou criar panelinhas, mas não se assemelhará à igreja de Atos 2.

A medida da saúde de uma igreja em células não é quantos grupos ela possui, mas sim os grupos engajados no ministério holístico de fazer discípulos.

Spanish blog:

¿Qué estamos haciendo?
Por Steve Cordle, https://xr.church/

¿Qué te parecería un entrenador de fútbol cuyo equipo jugara a las cartas durante los entrenamientos? ¿O si el equipo se pasara todo el partido en su lado del campo y nunca intentara marcar un gol? Pensarías que algo va mal. El objetivo del juego es marcar más que el otro equipo, lo que requiere práctica y compromiso en todas las partes del juego.

“Estoy muy orgulloso de nuestro equipo porque nuestros jugadores se reúnen cada vez que tenemos un partido”, dice el entrenador. “¡Siempre aparecen!”. Ese no es el punto – el propósito es ganar el juego.

Un líder de iglesia celular sabio trabajará para ayudar a los grupos a hacer lo necesario para tener éxito en su misión. La misión viene de Jesús: hacer discípulos que hagan discípulos. Para lograr eso, un grupo necesita un enfoque holístico. El grupo necesita desarrollar a las personas ARRIBA, ADENTRO y AFUERA …. Es decir, conocer y amar a Dios (ARRIBA), crecer en el amor a los demás (DENTRO), y llegar a un mundo roto (AFUERA). En otras palabras, el grupo se compromete con el discipulado, la comunidad y la evangelización. Cuando esto suceda, el grupo crecerá espiritual y numéricamente, por lo que el resultado natural será el nacimiento de un nuevo grupo a partir del ya existente.

Si los grupos se centran exclusivamente en la comunidad y no alcanzan o conectan a sus miembros con Dios o con la comunidad, no conseguirán hacer discípulos. Podrá hacer consumidores espirituales o crear camarillas, pero no se parecerá a la iglesia de Hechos 2.

La medida de la salud de una iglesia celular no es cuántos grupos tiene, sino los grupos comprometidos en el ministerio holístico de hacer discípulos.

No Place Like Home

By Steve Cordle, https://xr.church/

“Why can’t our group meet at the church building?”

We had settled this question years ago, but COVID-19 sowed some confusion in leaders’ minds. During the pandemic, we opened the building for groups to gather because some hosts were concerned about virus transmission, and the facility’s larger size allowed for social distancing. Also, our church building had installed high-end HVAC equipment to decontaminate air.

However, as the pandemic receded, it was time to ask those groups to move back into homes. Some were reluctant to do so, having grown accustomed to their new space. We shared the reasons behind our request:

1) Unchurched people are less likely to come to a church building than they are to a friend’s home.

I have seen nonChristian spouses become part of a group simply because the meeting was taking place in their houses. Inviting a neighbor to come over for the group’s meal and get to know some people is easy. That doesn’t happen as quickly if the invitation is to come to the church building.

2) The home environment helps the group to open up.

A home provides a family atmosphere. The church building evokes a public, institutional atmosphere. And atmosphere matters –ask any restaurant owner. People tend to react according to their environment. If you want the group to become a family, meet in a family space.

3) Practically, there is not enough space for all groups to use a church building.

If all our groups met in our church buildings, we wouldn’t have the space for them.  Using homes, we have an infinitely expandable amount of space for which the church does not have to pay.

Yes, groups can meet in spaces other than churches or homes: restaurants, community centers, or parks, for example. Many places work if you can arrange a free and private space. Just be sure you can do all the group’s functions, like worship and prayer, without hindrance.

The early church met in homes, and it is hard to improve on that pattern.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Não Há Lugar Como O Lar
por Steve Cordle, https://xr.church/

“Por que nosso grupo não pode se reunir no prédio da igreja?”

Já havíamos resolvido esta questão há anos, mas a COVID-19 semeou alguma confusão nas mentes dos líderes. Durante a pandemia, abrimos o prédio para a reunião de grupos porque alguns anfitriões estavam preocupados com a transmissão do vírus, e o tamanho maior das instalações permitia o distanciamento social. Além disso, o prédio da nossa igreja tinha instalado equipamento de condicionador de ar quente e frio de última geração para descontaminar o ar.

No entanto, à medida que a pandemia diminuía, era hora de pedir a esses grupos que voltassem para as suas casas. Alguns estavam relutantes em fazê-lo, tendo-se habituado ao seu novo espaço. Compartilhamos os motivos do nosso pedido:

1) Pessoas sem igreja têm menos probabilidade de ir ao prédio de uma igreja do que à casa de um amigo.

Tenho visto cônjuges não-cristãos tornarem-se parte de um grupo simplesmente porque a reunião estava acontecendo em suas casas. Convidar um vizinho para uma refeição em grupo e conhecer algumas pessoas é fácil. Isso não acontece tão rapidamente se o convite for para ir ao prédio da igreja.

2) O ambiente doméstico ajuda o grupo a se abrir.

Uma casa proporciona um ambiente familiar. O edifício da igreja evoca uma atmosfera pública e institucional. E a atmosfera é importante – pergunte a qualquer dono de restaurante. As pessoas tendem a reagir de acordo com o ambiente. Se você deseja que o grupo se torne uma família, reúna-se em um espaço familiar.

3) Praticamente, não há espaço suficiente para todos os grupos utilizarem o edifício da igreja.

Se todos os nossos grupos se reunissem nos edifícios da nossa igreja, não teríamos espaço para eles. Usando casas, temos uma quantidade infinitamente expansível de espaço pela qual a igreja não precisa pagar.

Sim, os grupos podem reunir-se em outros espaços que não igrejas ou residências: restaurantes, centros comunitários ou parques, por exemplo. Muitos lugares funcionam se você conseguir organizar um espaço livre e privado. Apenas certifique-se de poder realizar todas as funções do grupo, como adoração e oração, sem obstáculos.

A igreja primitiva reunia-se em lares e é difícil melhorar esse padrão.

Spanish blog:

No hay lugar como el hogar
Por Steve Cordle, https://xr.church/

“¿Por qué nuestro grupo no puede reunirse en el edificio de la iglesia?”.

Habíamos resuelto esta cuestión hace años, pero COVID-19 sembró cierta confusión en la mente de los líderes. Durante la pandemia, abrimos el edificio para que se reunieran los grupos porque algunos anfitriones estaban preocupados por la transmisión del virus, y el mayor tamaño de las instalaciones permitía el distanciamiento social. Además, el edificio de nuestra iglesia tenía instalado un equipo de climatización de alta gama para descontaminar el aire.

Sin embargo, cuando la pandemia remitió, llegó el momento de pedir a esos grupos que volvieran a sus casas. Algunos se mostraron reacios a hacerlo, ya que se habían acostumbrado a su nuevo espacio. Les explicamos las razones de nuestra petición:

1) Es menos probable que los que no van a la iglesia acudan a un edificio religioso que a casa de un amigo.

He visto a cónyuges no cristianos formar parte de un grupo simplemente porque la reunión se celebraba en sus casas. Invitar a un vecino a venir a la comida del grupo y conocer a algunas personas es fácil. Eso no ocurre tan rápidamente si la invitación es a venir al edificio de la iglesia.

2) El ambiente del hogar ayuda al grupo a abrirse.

Un hogar proporciona un ambiente familiar. El edificio de la iglesia evoca un ambiente público e institucional. Y el ambiente importa -pregúntele a cualquier dueño de restaurante. La gente tiende a reaccionar en función de su entorno. Si quiere que el grupo se convierta en una familia, reúnase en un espacio familiar.

3) En la práctica, no hay espacio suficiente para que todos los grupos utilicen el edificio de una iglesia.

Si todos nuestros grupos se reunieran en los edificios de nuestras iglesias, no tendríamos espacio para ellos.  Utilizando las casas, tenemos una cantidad infinitamente ampliable de espacio por el que la iglesia no tiene que pagar.

Sí, los grupos pueden reunirse en espacios distintos de las iglesias o las casas: restaurantes, centros comunitarios o parques, por ejemplo. Muchos lugares funcionan si puedes conseguir un espacio libre y privado. Sólo asegúrese de que puede realizar todas las funciones del grupo, como el culto y la oración, sin impedimentos.

La Iglesia primitiva se reunía en las casas, y es difícil mejorar ese modelo.