Numbers as Windows

By Steve Cordle, https://xr.church

Spiritual growth is notoriously hard to measure. How do you quantify the fruit of the Spirit in someone’s life? How can you gauge the amount of love in a person’s heart?

That said, we can gain a little insight into the effectiveness of our cell groups’ disciple-making by tracking a few numbers.

Consider:  

  • Number of cells: is it growing or decreasing? This number tells us how many leaders we have engaged in the ministry.
  • Attendance at cell meetings: again, is it growing or shrinking? It is possible to have more cells but fewer members if the cells are small. The reverse is true, also.
  • Number of apprentices: this will tell us how many groups we are likely to have a year from now.  

Other reports to consider: 

  • Coaching reports: how many coaches met in-person with their group leaders last month? This will indicate how likely it is for group leaders to last in ministry.
  • Equipping track attendance: how many people are in the equipping track? How many of those who completed the equipping are now in group leadership? Does something need to be adjusted here?
  • Number at the Encounter Retreat: if your church holds this retreat, are new people attending?  

Numbers don’t tell us everything, but they tell us something. And knowing something about our cell ministry is better than not knowing anything.


Korean blog
(click here)

Portuguese blog:

Números como Janelas

Por Steve Cordle,  https://xr.church

O crescimento espiritual é notoriamente difícil de medir. Como você quantifica o fruto do Espírito na vida de alguém? Como você pode medir a quantidade de amor no coração de uma pessoa?

Dito isso, podemos obter um pouco de conhecimento sobre a eficácia da formação de discípulos de nossas células, rastreando alguns números.

Considerar:

  • Número de células: está crescendo ou diminuindo? Este número nos diz quantos líderes temos engajados no ministério.
  • Participação em reuniões de células: novamente, está crescendo ou diminuindo? É possível ter mais células, mas menos membros se as células forem pequenas. O inverso também é verdadeiro.
  • Número de aprendizes: isso nos dirá quantos grupos provavelmente teremos daqui a um ano.

Outros relatórios a considerar:

  • Relatórios de supervisão: quantos supervisores se encontraram pessoalmente com seus líderes de grupo no mês passado? Isso indicará a probabilidade de os líderes de grupo durarem no ministério.
  • Frequencia no Trilho de Treinamento: quantas pessoas estão no Trilho de Treinamento? Quantos daqueles que completaram o treinamento estão agora na liderança do grupo? Tem algo que precisa ser ajustado aqui?
  • Número no Retiro do Encontro: se sua igreja realiza este retiro, há novas pessoas participando?

Os números não nos dizem tudo, mas nos dizem algo. E saber algo sobre nosso ministério de células é melhor do que não saber nada.

Spanish blog:

Los números como ventanas

Por Steve Cordle, https://xr.church

El crecimiento espiritual es notoriamente difícil de medir. ¿Cómo se puede cuantificar el fruto del Espíritu en la vida de alguien? ¿Cómo se puede medir la cantidad de amor en el corazón de una persona?

Dicho esto, podemos obtener un poco de información sobre la eficacia de la formación de discípulos de nuestros grupos celulares mediante el seguimiento de algunos números.

Considere:

  • Número de células: ¿está creciendo o disminuyendo? Este número nos indica cuántos líderes tenemos comprometidos en el ministerio.
  • Asistencia a las reuniones de las células: de nuevo, ¿está creciendo o disminuyendo? Es posible tener más células pero menos miembros si las células son pequeñas. Lo contrario también es cierto.
  • Número de aprendices: esto nos dirá cuántos grupos es probable que tengamos dentro de un año.

Otros informes a tener en cuenta:

  • Informes de supervisión: ¿cuántos supervisores/asesores se reunieron en persona con sus jefes de grupo el mes pasado? Esto indicará la probabilidad de que los líderes de grupo duren en el ministerio.
  • Asistencia al curso de equipamiento: ¿cuántas personas están en el curso de equipamiento? ¿Cuántos de los que completaron el equipamiento están ahora en el liderazgo del grupo? ¿Es necesario ajustar algo aquí?
  • Número de asistentes al Retiro de Encuentro: si su iglesia celebra este retiro, ¿acuden nuevas personas?

Los números no nos dicen todo, pero nos dicen algo. Y saber algo sobre nuestro ministerio celular es mejor que no saber nada.

Non-members only

By Steve Cordle, https://xr.church

One of the harder conversations for a coach to have is to tell a group leader that they should not be welcoming members of other churches into their cell. It can seem unfriendly and even unchristian to tell well-meaning people from other churches that they cannot be part of their group.

When members of other churches are part of your cell groups:         

* It will change the nature of your cell  

            The cell group is the basic expression of your church. It reflects your theology, your vision, your philosophy. Members of another church are to be committed to their church’s vision and philosophy. When members of your group say “At our church…”, it will either create conflict or water-down your group into a community Bible Study instead of a vital expression of your church.

* It will stagnate the group’s momentum

            Healthy groups are marked by movement. That is, new people are coming into the group, the group members are moving through the equipping track, and new leaders are leaving to start new cells. However, a member of another church cannot become a cell leader in your church. The more members of other churches you have in your group, the more you will pour into people who cannot advance. This will stagnate your group.

* You invite conflicting theology

            As a group leader you have delegated authority from your church’s leadership to disciple people in the vision and values of your church. People from other churches will bring their church’s teaching into the group, which may confuse people.

* You blunt the mission of the cell

            Our mission is to reach the lost. When you grow through including existing Christians from other churches into your group, you reduce the need to reach the lost.

We don’t want to shepherd other church’s sheep.

Focus on praying for the lost encourage members of other churches to start groups in their own congregation. 

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Apenas Não-Membros

Por Steve Cordle, https://xr.church

Uma das conversas mais difíceis para um supervisor é dizer a um líder de grupo que eles não devem receber membros de outras igrejas em sua célula. Pode parecer hostil e até anticristão dizer a pessoas bem-intencionadas de outras igrejas que elas não podem fazer parte de seu grupo.

Quando membros de outras igrejas fazem parte de suas células:

* Mudará a natureza da sua célula
            A célula é a expressão básica de sua igreja. Reflete sua teologia, sua visão, sua filosofia. Os membros de outra igreja devem estar comprometidos com a visão e filosofia de sua igreja. Quando os membros do seu grupo dizem “Em nossa igreja…”, isso criará conflito ou diluirá seu grupo em um estudo bíblico comunitário em vez de uma expressão vital de sua igreja.

* Vai estagnar o ímpeto do grupo
            Grupos saudáveis são marcados pelo movimento. Ou seja, novas pessoas estão entrando no grupo, os membros do grupo estão se movendo pela trilha de preparação e novos líderes estão saindo para iniciar novas células. No entanto, um membro de outra igreja não pode se tornar um líder de célula em sua igreja. Quanto mais membros de outras igrejas você tiver em seu grupo, mais você despejará nas pessoas que não podem avançar. Isso vai estagnar seu grupo.

* Você convida teologia conflitante
            Como líder de grupo, você delegou autoridade da liderança de sua igreja para discipular as pessoas na visão e nos valores de sua igreja. Pessoas de outras igrejas trarão os ensinamentos de sua igreja para o grupo, o que pode confundir as pessoas.

* Você enfraquece a missão da célula
            Nossa missão é alcançar os perdidos. Quando você cresce incluindo cristãos existentes de outras igrejas em seu grupo, você reduz a necessidade de alcançar os perdidos.

Não queremos pastorear as ovelhas de outra igreja.

Concentre-se em orar pelos perdidos e encoraje os membros de outras igrejas a iniciarem grupos em sua própria congregação.

Spanish blog:

Sólo para los no socios

Por Steve Cordle, https://xr.church

Una de las conversaciones más difíciles para un supervisor/asesor es decirle a un líder celular que no debería recibir a miembros de otras iglesias en su célula. Puede parecer poco amistoso e incluso poco cristiano decirle a personas bien intencionadas de otras iglesias que no pueden ser parte de su grupo.

Cuando los miembros de otras iglesias son parte de sus grupos celulares:    

* Cambiará la naturaleza de su célula  

            El grupo celular es la expresión básica de su iglesia. Refleja su teología, su visión, su filosofía. Los miembros de otra iglesia deben comprometerse con la visión y la filosofía de su iglesia. Cuando los miembros de su grupo dicen “En nuestra iglesia…”, esto creará conflicto o diluirá su grupo en un Estudio Bíblico comunitario en lugar de una expresión vital de su iglesia.

* Estancará el impulso del grupo

            Los grupos saludables están marcados por el movimiento. Es decir, nuevas personas entran en el grupo, los miembros del grupo se mueven a través de la pista de equipamiento, y los nuevos líderes se van para iniciar nuevas células. Sin embargo, un miembro de otra iglesia no puede convertirse en líder de una célula en su iglesia. Mientras más miembros de otras iglesias tenga en su grupo, más se volcará en personas que no pueden avanzar. Esto estancará su grupo.

* Invita a una teología conflictiva

            Como líder del grupo usted ha delegado la autoridad del liderazgo de su iglesia para discipular a las personas en la visión y valores de su iglesia. Las personas de otras iglesias traerán la enseñanza de su iglesia al grupo, lo que puede confundir a la gente.

* Desafía la misión de la célula

            Nuestra misión es alcanzar a los perdidos. Cuando usted crece a través de la inclusión de cristianos existentes de otras iglesias en su grupo, usted reduce la necesidad de alcanzar a los perdidos.

No queremos pastorear las ovejas de otras iglesias.

Centrarse en la oración por los perdidos anima a los miembros de otras iglesias a iniciar grupos en su propia congregación. 

Pray for fire.

By Steve Cordle, https://xr.church

When making a transition from a program-based model to the cell church approach, we must keep in mind that structure does not bring life. The goal is not to get people into groups, but rather to form everyone in Christ.

If we gather dozens of dry sticks into pile, we will simply have a pile of dead wood. But when we touch it with a flame, now we have a fire that will keep us warm or cook our food.

The Gospel of John tells us that after the crucifixion some disciples were gathered in a room. They had heard the rumor that Jesus was alive, but they were still confused and discouraged. But then Jesus entered the room, and everything changed. Their lives were never the same. They were gathered as a group, but it was only when Jesus appeared that they were transformed.

How can we invite the presence of Jesus into our groups? For one, pray. Pray fpor the group members and meeting ahead of time. And pray during the meeting for God to reveal himself. Pray that the fire falls.

Korean blog (click here)

Portuguese Blog

Clame por fogo

Steve Cordle, https://xr.church

Durante a transição de uma igreja baseada em programas para uma igreja em células, devemos lembrar sempre que não é a estrutura que traz vida. O objetivo não é colocar toda a igreja em grupos, mas conformar todos a Cristo.

Se juntarmos dúzias de gravetos em um montão, teremos um monte de madeira morta. Mas se uma chama tocar esta estrutura, teremos uma fogueira que nos manterá aquecido e onde poderemos produzir nosso alimento.

O Evangelho de João nos conta que depois da Crucificação, alguns discípulos se juntaram em uma sala. Eles ouviram rumores e histórias de que Jesus estava vivo, mas ainda estavam confusos e desencorajados. Então, Jesus entrou naquele lugar e tudo mudou. Suas vidas nunca mais foram as mesmas. Eles estavam juntos, em grupo, mas eles somente foram transformados quando Jesus apareceu naquele local.

O que podemos fazer para convidar a presença de Jesus em nossos grupos? Para começar, ore. Ore pelos membros do grupo e pela reunião bem antes que ela aconteça. E ore durante o encontro, para que Deus se revele a cada um. Clame para que o fogo caia sobre vocês.

Spanish blog:

Ora por fuego 

Por Steve Cordle, https://xr.church 

Al hacer la transición de un modelo basado en programas al enfoque de la iglesia celular, debemos tener en cuenta que la estructura no da vida. El objetivo no es meter a la gente en grupos, sino formar a todos en Cristo.

Si juntamos docenas de palos secos en una pila, simplemente tendremos un montón de madera muerta. Pero cuando la tocamos con una llama, ahora tenemos un fuego que nos mantendrá calientes o cocinará nuestra comida.

El Evangelio de Juan nos cuenta que, después de la crucifixión, algunos discípulos estaban reunidos en una habitación. Habían oído el rumor de que Jesús estaba vivo, pero seguían confundidos y desanimados. Pero entonces Jesús entró en la habitación, y todo cambió. Sus vidas no volvieron a ser las mismas. Estaban reunidos en grupo, pero sólo cuando apareció Jesús se transformaron.

¿Cómo podemos invitar a la presencia de Jesús en nuestros grupos? En primer lugar, orando. Ora por los miembros del grupo y por la reunión con antelación. Y ora durante la reunión para que Dios se revele. Ora para que el fuego caiga.

Relationship and Discipleship

By Steve Cordle, https://xr.church

If we want to make disciples of Jesus, it makes sense to make disciples the way Jesus did. That is, through relationship.

Mark 3:14-15 tells us that “[Jesus] appointed twelvethat they might be with him and that he might send them out to preach and to have authority to drive out demons.”  

Jesus wanted the twelve to be with him. He equipped them to preach and to drive out demons by having them follow him, living together day and day out on the road.

Without relationship there is no discipleship. The deeper the relationship, the deeper the discipleship.

Jesus had circles of relationships such as: 

  • The Crowds followed him for short periods of time, not long term.
  • The 72 he sent out to preach and heal.
  • The 12 who followed him for 3 years; they become leaders of the early Church.
  • The inner circle of 3: Peter, James, and John. They shared the most experiences with Jesus, such as the Transfiguration
  • Closest friendship: John.  

We see the difference in life impact that resulted.

The crowds fell away (John 6:66) The 12 went with him to the Garden of Gethsemane, yet it was John at the cross.

Who are you discipling up close and personally? 

Korean blog (click here)

Portuguese blog:


Relacionamento e Discipulado

Por Steve Cordle,  https://xr.church

Se queremos fazer discípulos de Jesus, faz sentido fazer discípulos da maneira que Jesus fez. Ou seja, através do relacionamento.

Marcos 3:14-15 nos diz que “[Jesus] designou doze para estarem com ele e para enviá-los a pregar e ter autoridade para expulsar demônios”.

Jesus queria que os doze estivessem com ele. Ele os equipou para pregar e expulsar demônios fazendo com que o seguissem, vivendo juntos dia e dia na estrada.

Sem relacionamento, não há discipulado. Quanto mais profundo o relacionamento, mais profundo o discipulado.

Jesus tinha círculos de relacionamentos como:

  • As Multidões o seguiram por curtos períodos de tempo, não a longo prazo.
  • Os 72 ele enviou para pregar e curar.
  • Os 12 que o seguiram por 3 anos; eles se tornaram líderes da Igreja primitiva.
  • O círculo interno de 3: Pedro, Tiago e João. Eles compartilharam a maioria das experiências com Jesus, como a Transfiguração
  • Amizade mais próxima: João.

Vemos a diferença no impacto de vida que resultou.

A multidão se afastou (João 6:66) Os 12 foram com ele para o Jardim do Getsêmani, mas era João na cruz.

Quem você está discipulando de perto e pessoalmente?

Spanish blog:

Relación y discipulado

Por Steve Cordle, https://xr.church

Si queremos hacer discípulos de Jesús, tiene sentido hacer discípulos de la manera en que Jesús lo hizo. Es decir, a través de la relación.

Marcos 3:14-15 nos dice que “[Jesús] designó a doce para que estuvieran con él y para enviarlos a predicar y a tener autoridad para expulsar a los demonios”. 

Jesús quería que los doce estuvieran con él. Los equipó para predicar y expulsar demonios haciendo que lo siguieran, viviendo juntos día a día en el camino.

Sin relación no hay discipulado. Cuanto más profunda es la relación, más profundo es el discipulado.

Jesús tenía círculos de relaciones como:

  • Las multitudes que le seguían por periodos cortos de tiempo, no a largo plazo.
  • Los 72 que envió a predicar y sanar.
  • Los 12 que le siguieron durante 3 años; se convierten en líderes de la Iglesia primitiva.
  • El círculo interno de 3: Pedro, Santiago y Juan. Son los que más experiencias compartieron con Jesús, como la Transfiguración
  • La amistad más cercana: Juan. 

Vemos la diferencia en el impacto de la vida que resultó.

Las multitudes se alejaron (Juan 6:66) Los 12 fueron con él al Huerto de Getsemaní, pero fue Juan quien estuvo en la cruz.

¿A quién estás discipulando de cerca y personalmente?

Shaken and blessed

By Steve Cordle, https://xr.church/

In a recent podcast, respected church consultant and national leader, Thom Rainer, said that 99% of churches in America are smaller than they were pre-Covid. That is, fewer people are attending weekend worship. The larger the church, the larger the percentage drop.

Yet, many churches that had a significant drop in attendance did not have a significant drop in giving, or even in groups. That indicates that there were several casual or “consumer” Christians attending, not disciples.

I do not believe that God caused Covid, but I believe the Lord has used the Covid experience to get the attention of his Church. He is showing us that we were better at making worship-attenders than at making disciples. There is a huge difference.

This awareness can be a great blessing. The reality is that even though we had the largest churches in our nation’s history, fewer and fewer Americans were claiming to be Christians. We were not winning our nation with the strategy of focusing on the weekend event. We need to spend our resources – time, money, and staff – in different ways if we are going to see different results.

As long as the crowds were growing we felt no need to do this. But with the memory of seeing people disappear during the pandemic, we may be motivated to commit ourselves to true disciple-making, As a result, the Church in America will take on different forms in the years to come. The revival that we are seeking will look different than the great revivals of the past because our society is different than before. And small relational groups will be part of that move of God.

God is using all things to work together for good for those who are called according to his purpose (Romans 8:28).

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Abalado e Abençoado

Por Steve Cordle, https://xr.church/

Em um podcast recente, o respeitado consultor da igreja e líder nacional, Thom Rainer, disse que 99% das igrejas na América são menores do que eram antes da Covid. Ou seja, menos pessoas estão participando do culto de fim de semana. Quanto maior a igreja, maior a queda percentual.

No entanto, muitas igrejas que tiveram uma queda significativa na frequência não tiveram uma queda significativa nas doações, ou mesmo nos grupos. Isso indica que havia vários cristãos casuais ou “consumidores” presentes, não discípulos.

Não acredito que Deus tenha causado o Covid, mas acredito que o Senhor usou a experiência do Covid para chamar a atenção de sua Igreja. Ele está nos mostrando que éramos melhores em fazer participantes de adoração do que em fazer discípulos. Há uma enorme diferença.

Essa consciência pode ser uma grande bênção. A realidade é que, embora tivéssemos as maiores igrejas da história de nossa nação, cada vez menos americanos afirmavam ser cristãos. Não estávamos ganhando nossa nação apenas com a estratégia de focar no evento do fim de semana. Precisamos gastar nossos recursos – tempo, dinheiro e pessoal – de maneiras diferentes se quisermos ver resultados diferentes.

Enquanto as multidões cresciam, não sentíamos necessidade de fazer isso. Mas com a memória de ver pessoas desaparecerem durante a pandemia, podemos ser motivados a nos comprometer com o verdadeiro discipulado. Como resultado, a Igreja na América assumirá diferentes formas nos próximos anos. O avivamento que estamos buscando parecerá diferente dos grandes avivamentos do passado porque nossa sociedade é diferente de antes. E pequenos grupos relacionais farão parte desse mover de Deus.

Deus está usando todas as coisas para cooperar para o bem daqueles que são chamados segundo o seu propósito (Romanos 8:28).

Spanish blog:

Agitado y bendecido

Por Steve Cordle, https://xr.church/

En un podcast reciente, el respetado consultor de iglesias y líder nacional, Thom Rainer, dijo que el 99% de las iglesias en Estados Unidos son más pequeñas de lo que eran antes de la crisis. Es decir, menos personas están asistiendo al culto de fin de semana. Cuanto más grande es la iglesia, mayor es el porcentaje de caída.

Sin embargo, muchas iglesias que tuvieron una caída significativa en la asistencia no tuvieron una caída significativa en las donaciones, o incluso en los grupos. Eso indica que había varios cristianos casuales o “consumidores” que asistían, no discípulos.

No creo que Dios haya causado la Covid, pero creo que el Señor ha usado la experiencia de la Covid para llamar la atención de su Iglesia. Nos está mostrando que somos mejores en hacer asistentes a la adoración que en hacer discípulos. Hay una gran diferencia.

Esta conciencia puede ser una gran bendición. La realidad es que a pesar de que teníamos las iglesias más grandes en la historia de nuestra nación, cada vez menos estadounidenses decían ser cristianos. No estábamos ganando nuestra nación con la estrategia de enfocarnos en el evento del fin de semana. Tenemos que gastar nuestros recursos – tiempo, dinero y personal – de manera diferente si vamos a ver resultados diferentes.

Mientras las multitudes crecían, no sentíamos la necesidad de hacer algo mas. Pero con el recuerdo de haber visto desaparecer a la gente durante la pandemia, podemos estar motivados para comprometernos con la verdadera formación de discípulos, Como resultado, la Iglesia en Estado Unidos adoptará formas diferentes en los próximos años. El avivamiento que buscamos tendrá un aspecto diferente al de los grandes avivamientos del pasado porque nuestra sociedad es diferente a la de antes. Y los pequeños grupos relacionales serán parte de ese movimiento de Dios.

Dios está usando todas las cosas para que trabajen juntas para el bien de aquellos que son llamados de acuerdo a su propósito (Romanos 8:28).