Cell-made missionaries

By Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

In Acts 1:6 the disciples ask the risen Jesus “Are you at this time going to restore the kingdom to Israel?” They wanted to know. Jesus redirected them toward the what they were to do. He said, “Don’t worry about that — instead, be my witnesses everywhere.” The disciples were focused on gaining knowledge, but Jesus refocused them on his mission instead.

A healthy cell group is focused on the mission of Jesus. They will be witnesses locally, regionally and even internationally.

Most mission agencies offer basic ways for believers to become involved in global missions:

* pray for a missionary

* support a missionary

* send a missionary

A cell group can do all three of those activities. They can pick a missionary (perhaps one that has a relationship with the church) and make it a point to pray each week for that missionary. The group could make a financial commitment to a missionary. And, perhaps someone in the group will go to the international mission field. It has been said that it is not a plane ride that makes a missionary, it is a missional mindset, habits, and gifting. Leading a cell is a great training ground for missions because a group leader will enable members to disciple one another and reach out to their communities. Group leaders also learn to develop another leader and to multiply another group. Do that in another country and you are called a missionary. 

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Missionários Gerados Pelas Células

Por Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

Em Atos 1:6, os discípulos perguntam a Jesus ressuscitado: “Senhor, é neste tempo que vais restaurar o reino a Israel?” Eles queriam saber. Jesus os redirecionou para o que eles deveriam fazer. Ele disse: “Não se preocupem com isso – em vez disso, sejam minhas testemunhas em todos os lugares”. Os discípulos estavam concentrados em adquirir conhecimento, mas Jesus os reorientou em sua missão.

Uma célula saudável está focada na missão de Jesus. Seus membros serão testemunhas locais, regionais e até internacionais.

A maioria das agências missionárias oferece maneiras básicas para os crentes se envolverem em missões globais:

  • Ore por um missionário
  • Apoie um missionário
  • Envie um missionário

Uma célula pode realizar todas as três atividades. Eles podem escolher um missionário (talvez alguém que tenha um relacionamento com a igreja) e fazer questão de orar a cada semana por esse missionário. O grupo pode assumir um compromisso financeiro com um missionário. E talvez alguém do grupo vá ao campo missionário internacional. Já foi dito que não é uma viagem de avião que faz um missionário, mas uma mentalidade, hábitos e talentos missionários. Liderar uma célula é um ótimo campo de treinamento para missões, porque um líder de grupo permitirá que os membros discipulem e alcancem suas comunidades. Os líderes de grupo também aprendem a desenvolver outro líder e a multiplicar outro grupo. Faça isso em outro país e você será chamado de missionário

Spanish blog:

Misioneros hechos en las células

Por Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

En Hechos 1: 6, los discípulos le preguntan al Jesús resucitado “¿Vas a restaurar el reino a Israel ahora?” ellos querían saber. Jesús los redirigió hacia lo que debían hacer. Él dijo: “No se preocupen por eso — en cambio, sean mis testigos en todas partes”. Los discípulos se enfocaron en obtener conocimiento, pero Jesús los reorientó en su misión.

Un grupo celular saludable se enfoca en la misión de Jesús. Serán testigos a nivel local, regional e incluso internacional.

La mayoría de las agencias misioneras ofrecen formas básicas para que los creyentes se involucren en misiones globales:

* orar por un misionero

* apoyar a un misionero

* enviar un misionero

Un grupo celular puede hacer las tres actividades. Pueden elegir un misionero (tal vez uno que tenga una relación con la iglesia) y hacer un punto para orar cada semana por ese misionero. El grupo podría hacer un compromiso financiero con un misionero. Y, tal vez alguien en el grupo irá al campo de la misión internacional. Se ha dicho que no es un viaje en avión lo que hace a un misionero, es una mentalidad misional, hábitos y dones. Liderar una célula es un excelente campo de entrenamiento para las misiones porque un líder de grupo permitirá a los miembros discipularse entre ellos y llegar a sus comunidades. Los líderes de grupo también aprenden a desarrollar otro líder y a multiplicar otro grupo. Haz eso en otro país y te llaman misionero.

Missionary cells

By Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

The risen Jesus’ Great Commission to his disciples was “Go and make disciples of all nations.” Those marching orders could not be more clear.

That is why the Lausanne Covenant says, “A church that is not a missionary church is contradicting itself and quenching the Spirit.”

Since the cell is the basic expression of the church, we can also say that a cell group that is not a missionary cell is contradicting itself and quenching the Spirit.

When is cell group is functioning with a missionary spirit, it will produce missionaries (whether they be local or international.) As I think about the missionaries and church planters sent out by our church, I realize that they have all been parts of cells, and most of them were group leaders. That was their first training ground. In a cell they join together with others to pray for the lost and to reach out to the unreached. They also become equipped to follow and serve Jesus, and to develop another leader. These are all the actions of a missionary.

Years ago a group leader approached me at a training event and said, “I just thought you’d like to know that our group just got back from a mission trip to Honduras. We helped with a construction project and ran a Vacation Bible School for children.” I was amazed. I had not challenged the groups to do an international missions trip.  Had not prayed for that. I like to think that the DNA of the cell made their trip an obvious choice. They were a missionary group.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Células missionárias

Por Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

A Grande Comissão de Jesus ressuscitado para seus discípulos foi “Vão e façam discípulos de todas as nações”. Essas ordens de marchar não podiam ser mais claras.

É por isso que o Pacto de Lausanne diz: “Uma igreja que não é uma igreja missionária está se contradizendo e extinguindo o Espírito”.

Como a célula é a expressão básica da igreja, também podemos dizer que uma célula que não é missionária está se contradizendo e extinguindo o Espírito.

Quando uma célula está funcionando com um espírito missionário, ela produz missionários (sejam eles locais ou internacionais). Ao pensar nos missionários e plantadores de igrejas enviados por nossa igreja, percebo que todos eles fizeram parte das células, e a maioria deles eram líderes de grupo. Esse foi o primeiro campo de treinamento deles. Em uma célula, eles se unem a outros para orar pelos perdidos e alcançar os não alcançados. Eles também se preparam para seguir e servir a Jesus e desenvolver outro líder. Essas são todas as ações de um missionário.

Anos atrás, um líder de grupo se aproximou de mim em um evento de treinamento e disse: “Eu pensei que você gostaria de saber que nosso grupo acabou de voltar de uma viagem missionária a Honduras. Ajudamos em um projeto de construção e administramos uma Escola Bíblica de Férias para crianças”. Eu fiquei espantado. Não desafiei os grupos a fazer uma viagem missionária internacional. Não tinha orado por isso. Gosto de pensar que o DNA da célula fez da viagem uma escolha óbvia. Eles eram um grupo missionário.

Spanish blog:

Células misioneras

Por Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

La Gran Comisión de Jesús resucitado a sus discípulos fue “Vayan y hagan discípulos a todas las naciones”. Esas órdenes de marcha no podrían ser más claras.

Es por eso que el Pacto de Lausana dice: “Una iglesia que no es una iglesia misionera se contradice y apaga el Espíritu”.

Dado que la célula es la expresión básica de la iglesia, también podemos decir que un grupo celular que no es una célula misionera se contradice y apaga el Espíritu.

Cuando este grupo celular funciona con un espíritu misionero, producirá misioneros (ya sean locales o internacionales). Al pensar en los misioneros y plantadores de iglesias enviados por nuestra iglesia, me doy cuenta de que todos ellos han sido parte de las células, y la mayoría de ellos eran líderes de grupo. Ese fue su primer campo de entrenamiento. En una célula se unen con otros para orar por los perdidos y alcanzar a los no alcanzados. También se equipan para seguir y servir a Jesús, y para desarrollar otro líder. Estas son todas las acciones de un misionero.

Hace años, un líder celular se me acercó en un evento de capacitación y me dijo: “Simplemente pensé que te gustaría saber que nuestro grupo acaba de regresar de un viaje misionero a Honduras. Ayudamos con un proyecto de construcción y dirigimos una escuela bíblica de vacaciones para niños ”. Me sorprendió. No había desafiado a los grupos a hacer un viaje misionero internacional; no había orado por eso. Me gusta pensar que el ADN de la célula hizo de su viaje una elección obvia. Eran un grupo misionero.

The “with Him” Principle

By Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

The biblical ministry principle that has guided me more than any other is this: “There is no discipleship without relationship.”

Jesus’ command was to go make disciples. He did not say to go build a church (he said he would take care of that himself.) He didn’t instruct us to go rally a crowd, or take an offering, or even make converts. He commissioned us to make disciples.

Jesus also gave us the example of how to make world-changing disciples. Mark 3:14  “He appointed twelve that they might be with him and that he might send them out to preach.”

Jesus’ disciples spent time with him, traveled with him, and did life together with him. Jesus spent time with a few people so that they could get to know him. They got a close-up view as he preached and healed so that they could learn to do the same things.

When Jesus made disciples, he didn’t say, “Read my books.” (He didn’t write any.) He didn’t say, “Attend my meetings.” Jesus said, “Follow me.” Being with him was the curriculum.

As a pastor, I preach and teach. But I also know that I cannot fully disciple people from the front of the room. I can’t disciple hundreds of people at the same time. I need to invite a few people into my life and let them see how I (imperfectly) follow Jesus. Then they can do the same thing.

To put this “with him” ministry principle into practice as a church, it invariably leads to a cell-based ministry. A church with holistic small groups creates the perfect environment to disciple-making to flourish.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Esta é uma tradução do Google. Assim que a tradução normal for recebida, ela será publicada no site do JCG

O princípio “com ele”

Por Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

O princípio do ministério bíblico que me guiou mais do que qualquer outro é o seguinte: “Não há discipulado sem relacionamento”.

A ordem de Jesus era ir fazer discípulos. Ele não disse para ir construir uma igreja (ele disse que cuidaria disso.) Ele não nos instruiu a reunir uma multidão, fazer uma oferta ou até fazer conversos. Ele nos encomendou a fazer discípulos.
 
Jesus também nos deu o exemplo de como fazer discípulos que mudam o mundo. Marcos 3:14 “Ele designou doze para que eles estivessem com ele e que ele os enviasse para pregar.”
 
Os discípulos de Jesus passaram um tempo com ele, viajaram com ele e viveram juntos com ele. Jesus passou um tempo com algumas pessoas para que pudessem conhecê-lo. Eles tiveram uma visão de perto enquanto ele pregava e curava para que pudessem aprender a fazer as mesmas coisas.

Quando Jesus fez discípulos, ele não disse: “Leia meus livros.” (Ele não escreveu nenhum.) Ele não disse: “Participe de minhas reuniões.” Jesus disse: “Siga-me.” Estar com ele era o currículo.

Como pastor, eu prego e ensino. Mas também sei que não posso discipular completamente as pessoas da frente da sala. Não consigo discipular centenas de pessoas ao mesmo tempo. Preciso convidar algumas pessoas para minha vida e deixá-las ver como eu (imperfeitamente) sigo a Jesus. Então eles podem fazer a mesma coisa.

Colocar esse princípio de ministério “com ele” em prática como igreja, invariavelmente leva a um ministério baseado em células. Uma igreja com pequenos grupos holísticos cria o ambiente perfeito para fazer discípulos florescer.

 Spanish blog:

Vaya a lo pequeño para prosperar, no solo para sobrevivir

Por Andrew Kirk, Director de Generación 2 generación, Sitio web – www.G2gMandate.org, Redes sociales – @ G2gMandate

“Pero los once discípulos se fueron a Galilea, al monte donde Jesús les había ordenado. Y cuando le vieron, le adoraron; pero algunos dudaban. Y Jesús se acercó y les habló diciendo: Toda potestad me es dada en el cielo y en la tierra. Por tanto, id, y haced discípulos a todas las naciones, bautizándolos en el nombre del Padre, y del Hijo, y del Espíritu Santo; enseñándoles que guarden todas las cosas que os he mandado; y he aquí yo estoy con vosotros todos los días, hasta el fin del mundo. Amén ”(Mateo 28: 16-20).

Esta es “La Gran Comisión” … ¡no “La Gran Opción”! Ver esto cumplido significará ir a algunos de los lugares más peligrosos donde no siempre es fácil tener reuniones de iglesias más grandes. Más bien, la norma es reunirse “bajo tierra” en pequeños grupos: células, hogar a hogar y uno a uno.

Podemos considerar la persecución como algo malo, pero a lo largo de la historia Dios ha usado la persecución para hacer crecer una iglesia próspera a través de la adversidad.

Como sabemos, las células no son solo para aquellos países donde abunda la persecución. Más bien son para todos.

Hoy en día, la presión aumenta para ser moldeados por la sociedad, no queriendo molestar a los miembros u ofender a los que están fuera de los muros. Sin embargo, una iglesia se compromete, y se vuelve como el mundo en lugar de separarse como un lugar donde los perdidos pueden encontrar la Verdad. Se convierte en un lugar de irrelevancia, donde nadie puede buscar ayuda o transformación, ya que la iglesia simplemente encaja, acepta y condona los estilos de vida fuera del camino bíblico que nos propone.

Debemos rodearnos de aquellos que nos ayudarán a responsabilizarnos y que estarán con nosotros, como Daniel, que se mantuvo firme con sus amigos. Los mejores grupos celulares son lugares donde podemos encontrarnos para crecer, rendir cuentas y discipular. En este lugar seguro podemos buscar la verdad y desafiar las perspectivas de los demás, mantener nuestro enfoque preciso y no ser engañados por la sociedad que nos rodea.

Las células son bíblicas y nos ayudan a prepararnos para el tiempo del fin. A medida que pasen los años, veremos un aumento en las “naciones temblando”. Para que la iglesia funcione como la Novia que se prepara para el Novio, las células serán clave, sin importar dónde se encuentre o cuáles sean sus circunstancias, solo aumentarán en Su relevancia e importancia.

Comenzamos con: “Por lo tanto, ve y haz discípulos de todas las naciones, bautizándolos en el nombre del Padre y del Hijo y del Espíritu Santo, y enseñándoles a obedecer todo lo que te he mandado”. Multiplicar, dar vida, células que hacen discípulos, ya sea bajo tierra, en prisión o en la cafetería local, puede permitirnos completar este mandamiento hasta que cada país y persona, bajo cualquier circunstancia, grite: “¡Ven, Señor Jesús”!

The “with Him” principle

By Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

The biblical ministry principle that has guided me more than any other is this: “There is no discipleship without relationship.”

Jesus’ command was to go make disciples. He did not say to go build a church (he said he would take care of that himself.) He didn’t instruct us to go rally a crowd, or take an offering, or even make converts. He commissioned us to make disciples.

Jesus also gave us the example of how to make world-changing disciples. Mark 3:14  “He appointed twelve that they might be with him and that he might send them out to preach.”

Jesus’ disciples spent time with him, traveled with him, and did life together with him. Jesus spent time with a few people so that they could get to know him. They got a close-up view as he preached and healed so that they could learn to do the same things.

When Jesus made disciples, he didn’t say, “Read my books.” (He didn’t write any.) He didn’t say, “Attend my meetings.” Jesus said, “Follow me.” Being with him was the curriculum.

As a pastor, I preach and teach. But I also know that I cannot fully disciple people from the front of the room. I can’t disciple hundreds of people at the same time. I need to invite a few people into my life and let them see how I (imperfectly) follow Jesus. Then they can do the same thing.

To put this “with him” ministry principle into practice as a church, it invariably leads to a cell-based ministry. A church with holistic small groups creates the perfect environment to disciple-making to flourish. 

Korean blog (Click here)

Portuguese blog:

O princípio “Com Ele”

Por Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

O princípio do ministério bíblico que me guiou mais do que qualquer outro é o seguinte: “Não há discipulado sem relacionamento”.

A ordem de Jesus foi de ir e fazer discípulos. Ele não nos disse para ir construir uma igreja (ele disse que cuidaria disso.) Ele não nos instruiu a reunir uma multidão, fazer uma oferta ou até fazer convertidos. Ele nos enviou para fazer discípulos.

Jesus também nos deu o exemplo de como fazer discípulos que mudam o mundo. Marcos 3:14 diz: “Escolheu doze, designando-os apóstolos, para que estivessem com ele e os enviasse a pregar.”

Os discípulos de Jesus passavam tempo com ele, viajavam com ele e viviam juntos com ele. Jesus passou um tempo com algumas pessoas para que pudessem conhecê-lo. Eles tiveram uma visão de perto enquanto ele pregava e curava para que pudessem aprender a fazer as mesmas coisas.

Quando Jesus fez discípulos, ele não disse: “leiam meus livros” (Ele não escreveu nenhum). Ele não disse: “participem de minhas reuniões”. Jesus disse: “Sigam-me”. Estar com ele era o currículo.

Como pastor, eu prego e ensino. Mas também sei que não posso discipular completamente as pessoas ficando na frente da sala. Eu não consigo discipular centenas de pessoas ao mesmo tempo. Preciso convidar algumas pessoas para minha vida e deixá-las ver como eu (imperfeitamente) sigo a Jesus. E então elas podem fazer a mesma coisa.

Colocar esse princípio ministerial “com Ele” em prática como igreja, leva invariavelmente a um ministério baseado em células. Uma igreja com pequenos grupos holísticos cria o ambiente perfeito para o discipulado florescer.

Spanish blog:

El principio “con él”

Por Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

El principio del ministerio bíblico que me ha guiado más que ningún otro es este: “No hay discipulado sin relación”.

La orden de Jesús fue ir a hacer discípulos. No dijo que fuera a construir una iglesia (dijo que él se encargaría de eso él mismo). No nos indicó que fuéramos a reunir a una multitud, ni a hacer una ofrenda, ni siquiera a convertirnos. Nos comisionó para hacer discípulos.

Jesús también nos dio el ejemplo de cómo hacer discípulos que cambien el mundo. Marcos 3:14 “Él designó a doce para que estuvieran con él y los enviara a predicar”.

Los discípulos de Jesús pasaron tiempo con él, viajaron con él e hicieron vida juntos con él. Jesús pasó tiempo con algunas personas para que pudieran conocerlo. Obtuvieron una vista de cerca mientras él predicaba y sanaba para que pudieran aprender a hacer lo mismo.

Cuando Jesús hizo discípulos, no dijo: “Lee mis libros” (no escribió ninguno). No dijo: “Asiste a mis reuniones”. Jesús dijo: “Sígueme”. Estar con él era El curriculo.

Como pastor, predico y enseño. Pero también sé que no puedo discipular completamente a las personas desde el frente de la sala. No puedo discipular a cientos de personas al mismo tiempo. Necesito invitar a algunas personas a mi vida y dejarles ver cómo (imperfectamente) sigo a Jesús. Entonces pueden hacer lo mismo.

Para poner en práctica este principio de ministerio “con él” como iglesia, invariablemente conduce a un ministerio basado en células. Una iglesia con pequeños grupos holísticos crea el ambiente perfecto para que los discípulos prosperen.

Groups stretch us

By Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

Many years ago I started one of the first groups ever in our church. At the initial meeting I laid out some of the ground rules: “In this group, we’re going to be real with each other. It’s not just a meeting. If you have a need at 2am, you can call someone in this group.”

Grace spoke up and said, “I’m not comfortable with people calling me at 2am.”

I said, “OK, don’t call Grace at 2 am.”

A few weeks later, I get a call from Grace (it was not 2am.) She said, “Would you tell the other members of the group that I’m in the hospital?” She had been on the way to work when she slipped on some ice and shattered her leg. She had to have surgery.

Over the next couple of weeks, the group members visited her almost every day. She gave them the keys to her new Audi so they could get it back to her home. She also gave them the keys to her apartment so they could take in the mail and make sure all was well.

When she was released they cared for her and made sure she had what she needed at home.

Grace told me later, “I don’t have any family in this area. I don’t know what I would have done without my small group.”

Life in a cell group stretched Grace to receive love and help in time of need, and it stretched the group to provide it. In the process, all were blessed and grew spiritually.  

That’s why we need circles (cells) and not just rows (celebration.)

Korean blog (Click here)

Portuguese blog:

Grupos nos esticam

Por Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

Muitos anos atrás, comecei um dos primeiros grupos de nossa igreja. Na reunião inicial, estabeleci algumas das regras básicas: “Neste grupo, seremos reais um com o outro. Isso bão é apenas uma reunião. Se você precisar às 2 da manhã, pode ligar para alguém deste grupo”.

Uma mulher chamada Graça: “Não me sinto confortável com as pessoas me ligarem às duas da manhã”.

Eu disse: “OK, não liguem para a Graça às duas da manhã.”

Algumas semanas depois, recebo uma ligação da Graça (não eram duas da manhã). Ela disse: “Você pode dizer aos outros membros do grupo que estou no hospital?” Ela estava a caminho do trabalho quando escorregou em um pouco de gelo e quebrou sua perna. Ela precisava fazer uma cirurgia.

Nas duas semanas seguintes, os membros do grupo a visitaram quase todos os dias. Ela lhes deu as chaves do seu Audi novo para que pudessem devolvê-lo à sua casa. Ela também deu as chaves do seu apartamento para que pudessem receber as correspondências e garantir que tudo estivesse bem.

Quando ela foi liberada, eles cuidaram dela e garantiram que ela tivesse o que precisava em casa.

Graça me disse mais tarde: “Eu não tenho família nesta área e não sei o que eu teria feito sem meu pequeno grupo. “

A vida em uma célula esticou a Graça para receber amor e ajuda em tempos de necessidade, e esticou o grupo para fornecer essas coisas. No processo, todos foram abençoados e cresceram espiritualmente.

É por isso que precisamos de círculos (células) e não apenas de fileiras (culto de celebração).

Spanish blog:

Las células nos hacen extender 

Por Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

Hace muchos años comencé uno de los primeros grupos celulares en nuestra iglesia. En la reunión inicial expuse algunas de las reglas básicas: “En este grupo, vamos a ser reales el uno con el otro. No es solo una reunión. Si tienes una necesidad a las 2 am, puedes llamar a alguien en este grupo “.

Grace habló y dijo: “No me siento cómoda con la gente que me llama a las 2 de la mañana”.

Le dije: “Está bien, no llames a Grace a las 2 de la mañana”.

Unas semanas más tarde, recibí una llamada de Grace (no eran las 2 de la madrugada). Ella dijo: “¿Les dirías a los otros miembros del grupo que estoy en el hospital?”. Estaba camino al trabajo cuando ella se resbaló con un poco de hielo y le destrozó la pierna. Tuvo que someterse a una cirugía.

Durante las siguientes dos semanas, los miembros del grupo la visitaron casi todos los días. Ella les dio las llaves de su nuevo Audi para que pudieran llevarla de vuelta a su casa. También les dio las llaves de su departamento para que pudieran recibir el correo y asegurarse de que todo estuviera bien.

Cuando fue dada de alta, la cuidaron y se aseguraron de que tuviera lo que necesitaba en casa.

Grace me dijo después: “No tengo ninguna familia en esta área. No sé qué habría hecho sin mi pequeño grupo “.

La vida en un grupo celular se extendió a Grace para recibir amor y ayuda en momentos de necesidad, y esa vida también se extendió al grupo para proporcionarlo. En el proceso, todos fueron bendecidos y crecieron espiritualmente.

Es por eso que necesitamos círculos (células) y no solo filas (servicio de celebración).