Quivering Up

By Michelle Geoffrey, cell pastor at www.celebrationchurch.org

I remember a particular cell group in which a timid lady shared her prayer request.  As she spoke, her bottom lip quivered, and I could tell there was much more to the request than what she was saying.  The leader was focused on the entire group and wasn’t fully facing the member, so she quickly moved onto the next person.  After the group, I spoke with the lady and she broke down.  She was overwhelmed with the current challenges her life was offering at the time.  The leader and I stopped and prayed with her again.

I am sure there have been many times that I have done the exact same thing that the leader did by missing the moment for ministry.  The members of my group hoping for me or someone else just to notice their pain or frustration.  The church attendee wondering if anyone really cares when they are asked, “How are you?”  I have kept going, like a good leader, staying on course.  How many quivering lips or crinkled foreheads have I overlooked?  Isn’t this what we are supposed to be observing?  Aren’t we called to help those in need?

Philippians 2:4 says it so well, “Instead of each person watching out for their own good, watch out for what is better for others.”  Instead of just being a structured group or church leader, we can lead others to be real ministers, to see people and hear their burdens.  We have the opportunity to raise up Christ-like disciples.  How can we do this?

  • STOP – When we ask someone how they are doing, stop to hear their response.
  • LOOK – Keep our eyes open during services and group meetings to see who needs extra attention.
  • LISTEN – As people are speaking with us, let’s truly listen to what they are saying and not just on our response.


Throughout Jesus’s ministry, He did these things.  He knew what was coming and what a limited time He had, yet, He stopped, looked around and listened closely.  As ministers of His Gospel, let’s commit to do the same.

Korean blog (click here)

Portuguese Blog:

Lábios trêmulos

Michelle Geoffrey, pastora de células na Igreja www.celebrationchurch.org

Lembro de uma ocasião em uma célula, em que uma senhora bem tímida compartilhou seu pedido de oração. À medida que ela falava, eu notei que seus lábios tremiam e era possível perceber que havia muito mais naquele pedido do que ela estava dizendo. A líder daquela célula estava focada no grupo como um todo e não estava olhando diretamente para aquela senhora, e passou rapidamente para a próxima pessoa. Depois da reunião, eu me aproximei e conversei com aquela senhora. Aquilo foi o suficiente para que ela se derramasse ali mesmo. Ela estava sobrecarregada com os desafios que a vida estava lhe impondo naqueles dias. Eu e a líder da célula paramos o que estávamos fazendo e oramos com ela novamente.

Tenho certeza que em muitos momentos eu agi da mesma maneira que aquela líder agiu, e desperdicei um momento importante do ministério. Os membros do meu grupo deveriam estar esperando pelo meu agir e talvez outra pessoa tenha notado sua dor ou frustração. Ou quando alguém visitou a igreja e ouviu de mim a pergunta: “Como você está?”, e me viu seguir adiante, como um líder focado, seguindo seu caminho. Quantos lábios trêmulos ou testas franzidas já passaram desapercebidas por mim? Afinal de contas, não são estes detalhes que devemos observar? Não somos chamados a ajudar aqueles que precisam de nós?   

Lemos em Filipenses 2:4 “Não tenha cada um em vista o que é propriamente seu, senão também cada qual o que é dos outros.” Ao invés de sermos simplesmente bem estruturados como grupo ou como igreja, podemos liderar outras pessoas para que se tornem verdadeiros ministros, enxergando a necessidade das pessoas e ouvindo seus problemas. Nós temos a oportunidade de levantar discípulos que sejam como Cristo é. Como poderemos fazer isto?

  • PARE – Quando perguntarmos alguém sobre como eles estão, devemos parar para ouvir sua resposta
  • VEJA – Mantenha os olhos abertos durante os cultos e durante as reuniões de célula para ver quem precisa de uma atenção especial
  • OUÇA – Devemos ouvir de verdade quando alguém fala conosco e não somente nos preocupar em responder o que está sendo dito.


Jesus agiu assim durante todo seu ministério. Ele sabia o que lhe aconteceria e estava ciente de quanto tempo tinha. Ainda assim, ele parou, viu e ouviu com cuidado. Como ministros do seu Evangelho, devemos nos comprometer e viver da mesma maneira.


Spanish blog:

Labio tembloroso

Por Michelle Geoffrey, pastora celular en www.celebrationchurch.org

Recuerdo un grupo celular en particular en el que una tímida señora compartió su petición de oración. Mientras hablaba, su labio inferior tembló, y me di cuenta de que había mucho más en la solicitud de lo que estaba diciendo. La líder estaba enfocada en todo el grupo y no miraba completamente al miembro, por lo que rápidamente pasó a la siguiente persona. Después del grupo, hablé con la señora y ella se derrumbó. Estaba abrumada con los desafíos que su vida le ofrecía en ese momento. El líder y yo nos detuvimos y oramos con ella nuevamente.

Estoy segura de que muchas veces he hecho exactamente lo mismo que hizo el líder al perder el momento del ministerio. Los miembros de mi grupo esperan que yo o alguien más se dé cuenta de su dolor o frustración. El asistente a la iglesia se pregunta si a alguien realmente le importa cuando se le pregunta: “¿Cómo estás?” He seguido adelante, como un buen líder, manteniendo el rumbo. ¿Cuántos labios temblorosos o frentes arrugadas he pasado por alto? ¿No es esto lo que se supone que debemos observar? ¿No estamos llamados a ayudar a los necesitados?

Filipenses 2:4 lo dice muy bien: “En lugar de que cada uno mire por su propio bien, mire por lo que es mejor para los demás”. En lugar de ser solo un grupo estructurado o un líder de la iglesia, podemos guiar a otros a ser verdaderos ministros, a ver a las personas y escuchar sus cargas. Tenemos la oportunidad de levantar discípulos semejantes a Cristo. ¿Cómo podemos hacer esto?

PARAR – Cuando le preguntamos a alguien cómo está, deténgase para escuchar su respuesta.

MIRAR: mantengamos los ojos abiertos durante los servicios y las reuniones de grupo para ver quién necesita atención adicional.

ESCUCHAR: mientras las personas nos hablan, escuchemos de verdad lo que dicen y no solo demos nuestra respuesta.

A lo largo del ministerio de Jesús, Él hizo estas cosas. Él sabía lo que venía y el tiempo limitado que tenía, sin embargo, se detuvo, miró a su alrededor y escuchó con atención. Como ministros de Su Evangelio, comprometámonos a hacer lo mismo.

Leave a Reply

Your email address will not be published.