Lead Pastor as Leader of Cell Ministry, part 2

coaches_JimWall

Dr. Jim Wall, Acts 2 Network, Executive Director, www.acts2network.org 

Change is hard. No matter how many blessings are promised as a result of the change, it is still hard. That’s true in every area of life. It is particularly true in churches. Christians have an amazing tendency to find a church they like and then do everything they can to keep it from changing! That’s why it often takes a deeply-loving and highly-skilled leader to bring about change, no matter how badly change is needed.

That’s just one of the many  reasons why—when a church commits to transition from a program-based approach to ministry to a cell-based approach—the senior pastor must lead the way. The journey is as much about providing loving guidance, gentle correction and strong leadership as any father has ever provided for his sons and daughters. Dad’s can’t delegate that level of leadership.

That’s why when I sensed God’s call to lead Western Branch Community Church to embrace the cell paradigm, I started one cell group. I hand selected six couples I believed to have the capacity to lead the initial wave of cell groups. We met for nearly eighteen months. We worshipped, prayed, studied and dialogued about what the cell ministry would look like in our church. When we came to unity, I preached a series of sermons in our weekend celebration services on the Biblical basis for—and the practical value of—being in a cell group. I then called on our members to join a cell group knowing we had seven cell leaders (including my wife and I) who would lead the initial wave of cells in agreement. The result was a smooth transition to the cell model. There was some resistance as we phased out programs one-by-one. But everyone knew that I was leading the charge. They believed that I had their best interest at heart. They trusted that I was following the Lord’s leading. They saw my father’s heart for them. All of that resulted in the vast majority making the change.

As our cell network grew, we added section leaders and zone leaders. In time there were many father figures in our church. Even then, the cell leaders always knew I was leading the way as I met with them all regularly for training and encouragement. You just can’t delegate being “Dad.”

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Pastor Presidente como Lder do Ministério Celular, parte 2

Dr. Jim Wall, Acts 2 Network, www.acts2network.org

Mudar é difcil. Não importa quantas bênçãos são prometidas, como resultado da mudança, ainda é difcil. Isso é verdadeiro em todas as áreas da vida. Isso é particularmente verdadeiro em igrejas. Os cristãos têm uma tendência incrvel para encontrar uma igreja que eles gostam e, em seguida, fazer tudo o que puderem para evitar que ela mude! É por isso que muitas vezes é necessário um lder profundamente amoroso e altamente qualificado para trazer a mudança, não importa o quanto ela seja necessária.

Isso é apenas uma das muitas razões para que quando uma igreja se compromete em transicionar de uma abordagem baseada em programas para uma abordagem de ministério em células o pastor presidente deve liderar o caminho. Nessa jornada é necessário que haja direcionamento amoroso, correção gentil e uma liderança forte como qualquer pai proporciona para seus filhos e filhas. Os pais não podem delegar esse nvel de liderança.

É por isso que quando eu senti o chamado de Deus para liderar a Western Branch Community Church para abraçar o paradigma celular, eu iniciei uma célula. Eu escolhi a dedo seis casais que eu acreditava que tinham capacidade para liderar a onda inicial de células. Nós nos reunimos por quase 18 meses. Nós adoramos, oramos, estudamos e conversamos sobre como seria o ministério de células em nossa igreja. Quando chegamos à unidade, eu preguei uma série de sermões em nossos cultos de celebração de fim de semana sobre a base bblica e o valor prático de se estar em uma célula. Depois eu pedi para nossos membros participarem de uma das células, sabendo que tnhamos sete lderes de células (incluindo minha esposa e eu), que liderariam a onda inicial de células. O resultado foi uma transição suave para o modelo celular. Houve uma certa resistência à medida que nós gradualmente eliminamos os programas um por um. Mas todos sabiam que eu estava liderando a carga. Eles acreditavam que eu tinha o melhor interesse no coração. Eles confiavam que eu estava seguindo a direção do Senhor. Eles viram o meu coração de pai para eles. Tudo isso fez com que a maioria fizesse a mudança.

Como a nossa rede celular cresceu, nós adicionamos lderes de setor e lderes de região. Na época, havia muitas figuras paternas em nossa igreja. Mesmo assim, os lderes de célula sempre souberam que eu estava liderando o caminho, porque eu sempre me reuni regularmente com todos eles para dar treinamento e incentivo. Você simplesmente não pode delegar ser “pai”.

Spanish blog:

Pastor Principal como lder del Ministerio celular

Dr. Jim Wall, de la Red hechos 2, Director Ejecutivo, www.acts2network.org

El cambio es difcil. No importa cuántas bendiciones han sido prometidas como resultado del cambio, aún es difcil. Eso es cierto en todos los ámbitos de la vida. Es particularmente cierto en las iglesias. Los cristianos tienen una tendencia sorprendente encontrar una iglesia que les gusta y luego hacer todo lo posible para evitar el cambio. Es por eso que a menudo se necesita un lder profundamente amoroso y altamente cualificado para dirigir el cambio, no importa que tan necesario sea el cambio.

Eso es sólo una de las muchas razones del porqué, cuando una iglesia se compromete a la transición de un enfoque basado en los programas de ministerio a un enfoque de la iglesia basada en células deben mostrar el camino. El viaje se trata tanto de proporcionar orientación amorosa, suave corrección y un liderazgo fuerte como cualquier padre ha proporcionado para sus hijos e hijas. El padre no puede delegar ese nivel de liderazgo.

Es por eso que cuando sent el llamado de Dios para dirigir la Iglesia Western Branch Community para abrazar el paradigma celular, empecé un grupo de células. Tome seis parejas seleccionadas con las que creo que tienen la capacidad de dirigir la ola inicial de grupos celulares. Nos reunimos por casi dieciocho meses. Adorábamos, oramos, estudiamos y dialogamos sobre lo que el ministerio celular vera en nuestra iglesia. Cuando llegamos a la unidad, prediqué una serie de predicaciones en nuestros servicios de celebración de fin de semana sobre la base bblica y el valor práctico de los miembros de un grupo de células. Después llame a los miembros a unirse a un grupo de células sabiendo que tenamos siete lderes celulares (incluyendo a mi esposa y a mi) que dirigira la ola inicial de células. El resultado fue una transición suave hacia el modelo celular. Hubo cierta resistencia por etapas a medida que sacamos los programas uno por uno. Pero todos saban que estaban llevando la carga. Se crea que tena su mejor interés en el corazón. Ellos confiaban en que yo estaba siguiendo la dirección del Señor. Vieron el corazón de mi padre para ellos. Todo esto dio lugar a la gran mayora de hacer el cambio.

A medida que nuestra red celular creció, añadimos lderes de sección y lderes de zona. Con el tiempo haba muchas figuras paternas en nuestra iglesia. Incluso entonces, los lderes celulares siempre supieron que estaban dirigiendo de la manera como me encontré con todos ellos regularmente para la formación y el estmulo. Usted simplemente no puede delegar ser “padre”.

Lead Pastor as Leader of the Cell Ministry

coaches_JimWall

Dr. Jim Wall, Acts 2 Network, Executive Director, www.acts2network.org 

Paul wrote some hard things to the church at Corinth. They needed every hard thing he told them. They were a mess. The church was filled with sexual dysfunction, abuse of spiritual gifts and many types of sin. In chapter four of his first letter, Paul explains why he was so direct with them. He wrote,  I am not writing to embarrass you. I want to help you, just as parents help their own dear children. Ten thousand people may teach you about Christ, but I am your only father. You became my children when I told you about Christ Jesus, and I want you to be like me. (1 Corinthians 4:13-16 CEV).

In that simple passage Paul captures the struggle that many churches and Christians; i.e. we have plenty of people who talk about what we should and should not do but they don’t back their words up with actions. What we need is father-figures who are willing to accept the responsibility of being role models.

I’m convinced that is the most important thing we pastors do. We are role models. As I look back on more than 45 years of pastoral ministry I realize that the people I’ve led remember very few of the sermons I preached. They remember few of the classes I taught. What they remember most is the life I modeled for them. When I got it right, they were watching. When I got it wrong, they saw that too.

This month in Joel Comiskey’s blog site, we are discussing the role of the Lead Pastor in cell ministry. What does this father-figure principle have to do with the subject at hand? Simply, the people aren’t just watching us. They often try to do what they see us do. If we don’t role model the value of cell ministry by being in a cell, leading a cell, telling stories about our personal cell experiences, there is no way we can expect them to do so either. Teachers are important but only fathers can be Dad’s. You can delegate a lot of things. You can’t delegate being Dad.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

O Pastor Presidente como Lder do Ministério Celular

Dr. Jim Wall, Acts 2 Network, Diretor Executivo

Paulo escreveu algumas coisas difceis para a igreja em Corinto. Eles precisavam ouvir cada coisa difcil que ele lhes disse. Eles estavam uma bagunça. A igreja estava cheia de disfunção sexual, abuso de dons espirituais e muitos tipos de pecado. No captulo quatro de sua primeira carta, Paulo explica por que ele foi tão direto com eles. Ele escreveu: “Não estou tentando envergonhá-los ao escrever estas coisas, mas procuro adverti-los, como a meus filhos amados. Embora possam ter dez mil tutores em Cristo, vocês não têm muitos pais, pois em Cristo Jesus eu mesmo os gerei por meio do evangelho. Portanto, suplico-lhes que sejam meus imitadores” 1 Corntios 4: 14-16).

Nessa simples passagem Paulo capta a luta de muitas igrejas e cristãos; ou seja, nós temos uma abundância de pessoas que falam sobre o que se deve ou não fazer, mas elas não demonstram suas palavras com ações. O que precisamos é de figuras paternas que estejam dispostas a aceitar a responsabilidade de serem modelos.

Eu estou convencido de que essa é a coisa mais importante que nós fazemos como pastores. Nós somos modelos. Quando olho para trás para mais de 45 anos de ministério pastoral, eu percebo que as pessoas que eu liderei lembram muito poucos dos sermões que eu preguei. Elas se lembram de algumas aulas que eu ensinei. Mas o que elas mais se lebram é da vida que eu modelei para elas. Quando eu fazia certo, elas estavam assistindo. Quando eu fazia errado, elas também estavam vendo.

Este mês no blog do Joel Comiskey nós estamos discutindo o papel do pastor principal no ministério de células. O que é que este princpio da figura paterna tem a ver com o assunto em pauta? É simples, as pessoas não estão apenas nos observando. Elas muitas vezes tentam fazer o que nos vêem fazendo. Se nós não damos exemplo do valor do ministério celular estando em uma célula, liderando uma célula, contando histórias sobre nossas experiências celulares pessoais, não há como esperar que eles façam da maneira correta. Os professores são importantes, mas apenas pais podem ser “papais”. Você pode delegar um monte de coisas. Contudo, você não pode delegar ser um “papai”.

Spanish blog:

Pastor Principal como lder del Ministerio celular

Dr. Jim Wall, de la Red hechos 2, Director Ejecutivo, www.acts2network.org 

Pablo escribió algunas cosas difciles a la iglesia de Corinto. Ellos necesitaban cada cosa dura que él les dijo. Ellos eran un desastre. La iglesia estaba llena de disfunción sexual, abuso de los dones espirituales y muchos tipos de pecados. En el captulo cuatro de su primera carta, Pablo explica por qué él fue tan directo con ellos. Él les escribió, No escribo esto para avergonzaros, sino para amonestaros como a hijos mos amados. Porque, aunque tengáis diez mil ayos en Cristo, no tendréis muchos padres; pues en Cristo Jesús yo os engendré por medio del evangelio. Por tanto, os ruego que me imitéis. (1 Corintios 4: 14-16 NVI).

En ese sencillo pasaje Pablo captura la lucha de muchas iglesias y los cristianos; es decir, tenemos mucha gente que habla de lo que debemos y no debemos hacer, pero no ven sus palabras con acciones. Lo que necesitamos es figuras paternas que estén dispuestos a aceptar la responsabilidad de ser modelos a seguir.

Estoy convencido de que es lo más importante que hacemos los pastores. Somos modelos. Al mirar hacia atrás en más de 45 años de ministerio pastoral me di cuenta que la gente que he dirigido recuerdan muy pocos de las predicaciones que he predicado. Ellos recuerdan algunas clases que impart. Lo que más recuerdo es la vida que modelé para ellos. Cuando empecé hacerlo correcto, ellos estaban viendo. Cuando me equivoque, ellos también lo vieron.

Este mes en el sitio de blog de Joel Comiskey, estamos hablando sobre el papel del pastor principal en el ministerio celular. ¿Qué tiene que hacer la figura paterna con el tema en cuestión? Simplemente, la gente no sólo nos observa. A menudo tratan de hacer lo que nos ven hacer. Si no modelamos el valor del ministerio celular al estar en una célula, dirigiendo una célula, contando historias sobre nuestras experiencias personales, no hay manera en que podemos aspirar que lo hagan bien. Los maestros son importantes, pero sólo los padres pueden ser padres. Puedes delegar muchas cosas. No puedes delegar ser un padre.

Birthing Babies, Part Two

coaches_JimWall

Dr. Jim Wall, www.acts2network.org

In part one of “Birthing Babies” we explored the parallel between the birthing process for human babies and that of birthing of new churches. I raised the question, What if every church thought of itself as a potential parent church—in the same way that most people long for having offspring? I believe we could populate the Earth in no time with life-giving, hope-producing churches.

The Acts 2 Network is a church planting organization committed to planting churches around the world. The Parent-Child model isn’t the only one we use. But we have used it in several parts of the world. It is the healthiest model we’ve found.

One example is that of Western Branch Community Church (WBCC) becoming the parent church for New Branch Community Church (NBCC).

A few years ago the leadership of WBCC in Chesapeake, VA came to realize there were several families driving 45 minutes every Sunday morning to be in the church’s celebration services. They lived in the neighboring town of Windsor, VA. They were faithful to the celebration, but found it almost impossible to be a part of a cell group because of the long drive. The solution was to start cell groups in Windsor while they continued to attend celebration services in Chesapeake. The vision was that these cells would eventually multiply to the point that they could support their own cell/celebration model in Windsor.

As soon as the vision was cast and the church planter was identified, the cell group members in Windsor began to gather occasionally to pray, plan and share the vision for a new church that would be born in the heart of Windsor. By the time they had 80-100 adults and children everyone recognized it was time to launch.

Even though the group was continuing to attend WBCC’s celebration services, 90 days before launching their celebration service in Windsor, the tithes and offerings of the Windsor cell group members began to be held separately. This gave the daughter church money to help them during their forming days. At the right time, WBCC funded a marketing campaign in the Windsor area, the cell members provided all of the workers needed to support a celebration service and the new church was born!

WBCC’s celebration services had served as in incubator for the developing baby until it was ready to thrive on its own. NBCC started with multiple cells groups and a strong celebration. Today, WBCC and NBCC are working together via the Acts 2 Network to plant churches around the region!

Did that cost WBCC? Sure. Birthing new babies always costs something. But it was as if God saw the unselfish hearts of WBCC’s members and said, “Watch me bless them.” Within a year NBCC was fully self-supporting and WBCC was larger than it was before NBCC launched. The cost of birthing a new baby is quickly eclipsed by the joy of new life!

Isn’t it time your church had a baby?

Jim

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Gerando Bebês, Parte Dois

Dr. Jim Wall, www.acts2network.org

Na parte um de “Gerando Bebês” nós exploramos o paralelo entre o processo de nascimento de bebês humanos e o nascimento de novas igrejas. Eu levantei a pergunta: e se cada igreja pensasse em si mesma como uma igreja mãe potencial—da mesma maneira que a maioria das pessoas anseiam por ter uma descendência. Eu acredito que poderamos povoar a Terra a qualquer momento com igrejas que dão vida e produzem esperança.

A Acts 2 Network é uma organização de plantação de igrejas comprometida com o plantio de igrejas em todo o mundo. O modelo Mãe-Filha não é o único que usamos. Mas nós o usamos em várias partes do mundo. É o modelo mais saudável que encontramos.

Um exemplo é o da Western Branch Community Church-WBCC (“Ramo Ocidental da Igreja da Comunidade”, em tradução livre) se tornando a igreja-mãe da New Branch Community Church-NBCC (“Novo Ramo da Igreja da Comunidade”, em tradução livre).

Há alguns anos, a liderança de WBCC em Chesapeake, VA percebeu que havia várias famlias que dirigiam 45 minutos todos os domingos de manhã para estar nos cultos de celebração da igreja. Eles viviam na cidade vizinha de Windsor, VA. Eles eram fiéis na celebração, mas era quase impossvel que fizessem parte de uma célula por causa da longa viagem. A solução era começar células em Windsor enquanto eles continuavam a frequentar os cultos de celebração em Chesapeake. A visão era que essas células acabariam se multiplicando ao ponto de que eles poderiam apoiar o seu próprio modelo de célula/culto de celebração em Windsor.

Assim que a visão foi lançada e o plantador de igrejas foi identificado, os membros da célula em Windsor começaram a se reunir ocasionalmente para orar, planejar e compartilhar a visão de uma nova igreja que iria nascer no coração de Windsor. No momento em que eles tinham de 80 a 100 adultos e crianças todos reconheceram que era hora de lançar.

Apesar de o grupo ter continuado a participar dos cultos de celebração de WBCC, 90 dias antes de lançar o culto de celebração em Windsor, os dzimos e as ofertas dos membros do grupo de célula de Windsor começou a ser realizado separadamente. Isso deu à igreja filha dinheiro para ajudá-los durante seus dias de formação. No tempo certo, WBCC financiou uma campanha de marketing na área de Windsor, os membros de célula forneceram todos os trabalhadores necessários para sustentar um culto de celebração e a nova igreja nasceu!

Os cultos de celebração da WBCC serviram como uma incubadora para o bebê em desenvolvimento até que ele estivesse pronto para se desenvolver sozinho. NBCC começou com múltiplos grupos de célula e uma forte celebração. Hoje, WBCC e NBCC estão trabalhando juntas através da Rede de Atos 2 para plantar igrejas ao redor da região! 

Isso custou à WBCC? Claro. Dar à luz novos bebês sempre custa alguma coisa. Mas foi como se Deus visse os corações não egostas dos membros da WBCC e dissesse, “Vejam-me abençoá-los,” Dentro de um ano a NBCC estava completamente autossustentável e a WBCC estava maior do que era antes da NBCC ter lançado. O custo de dar à luz um novo bebê é rapidamente eclipsado pela alegria de uma nova vida!

Será que não é a hora de sua igreja ter um bebê?

Jim

Spanish blog: 

Dando a luz bebés, Segunda parte

Por el Dr. Jim Wall, www.acts2network.org

En la primera parte de “dando a luz Bebés” hemos explorado el paralelismo entre el proceso de nacimiento de los bebés humanos y el de nacimiento de las nuevas iglesias. Hice una pregunta, ¿Qué tal si cada iglesia pensara por s misma como una iglesia-matriz en el potencial de la misma mane7ra que la mayora de las personas anhelan ser padres? Creo que podramos poblar la Tierra en poco tiempo con la vida que tenemos, produciendo con esperanza a las iglesias.

La Red 2 de Hechos es una organización comprometida con la plantación de iglesias la cual planta iglesias en todo el mundo. El modelo de padre-hijo no es el único que utilizamos. Pero lo hemos usado en varias partes del mundo. Es el modelo más saludable que hemos encontrado.

Un ejemplo es el de la Iglesia comunitaria Western Branch (WBCC) que se convirtió en la iglesia madre de la Iglesia comunitaria Nueva Sucursal (NBCC).

Hace algunos años el liderazgo de la iglesia WBCC en Chesapeake, VA se dio cuenta que haba varias familias conduciendo 45 minutos cada domingo por la mañana para estar en los servicios de la escuela dominical. Ellos vivan en la ciudad vecina de Windsor, VA. Ellos fueron fieles a la celebración, pero encontraron que era casi imposible ser parte de un grupo de células debido al largo viaje. La solución fue la de iniciar nuevos grupos de células en Windsor mientras seguan asistiendo a los servicios de celebración en Chesapeake. La visión era que estas células se multiplican con el tiempo hasta el punto de que podan soportar su propio modelo celular/celebración en Windsor.

Tan pronto como la visión fue castada y se identificó el iniciador de iglesias, los miembros del grupo de células en Windsor comenzaron a reunirse de vez en cuando para orar, planificar y compartir la visión de una nueva iglesia que iba a nacer en el corazón de Windsor. En el momento en que tuvieron 80-100 adultos y niños de todos reconocieron que era hora de poner en marcha.

A pesar de que el grupo segua a asistiendo a los servicios de celebración en WBCC, 90 das antes del lanzamiento del servicio de celebración en Windsor, los diezmos y ofrendas de los miembros del grupo de células en Windsor comenzaron hacerlo por separado. Ellos dieron el dinero a la iglesia hija para ayudarles durante sus das de formación. En el momento adecuado, WBCC financió una campaña de mercadeo en el área de Windsor, los miembros de la célula proporcionaron a todos los trabajadores necesarios para apoyar un servicio de celebración y nació la nueva iglesia.

Los servicios de celebración de WBCC haban servido como incubadora para el desarrollo del bebé hasta que estaba listo para prosperar por s solo. NBCC comenzó con varios grupos celulares y una fuerte celebración. Hoy en da, WBCC y NBCC están trabajando juntos a través de la red 2 de hechos para plantar iglesias alrededor de la región.

¿Le costó a WBCC? Por supuesto. Dar a luz nuevos bebés siempre cuesta algo. Pero era como si Dios vio a los corazones de los miembros desinteresados de WBCC y dijo: “Mira me bendecirlos” Dentro de un año NBCC fue totalmente auto portante y WBCC era más grande de lo que era antes que NBCC se pusiera en marcha. El costo de dar a luz a un bebé es eclipsado rápidamente por la alegra de la nueva vida.

¿Es el tiempo para que tu iglesia tenga un bebé?

Jim

Birthing Babies, Part One

coaches_JimWall

Dr. Jim Wall, www.acts2network.org

Have you ever pondered the miracle of birth? Human cells replicate inside a mother’s womb until new life is formed. That new life shares its parent’s DNA, but it is a unique human being with its own finger print, cardiac print, retinal scan and purpose for being. When that new life is ready to survive outside its mother’s womb we get to see the miracle of birth! I won’t pretend there is no cost or pain involved, but in my experience both are quickly eclipsed by the joy of new life.

But the most amazing part of the miracle of birth to me is not the birth itself. It is the cycle of generations. In most cases, a new baby will one day grow up and reproduce the next generation of babies, who will one day grow up and produce the next generation and so on. I think you will agree, one command of God that mankind has done a prolific job of obeying is “Be fruitful and increase in number; fill the earth…” (Genesis 1:28 NIV). Billions of babies have been born over the generations in all kinds of circumstances and environments and the Earth is filling up!

One of the reasons the cell church model is so effective is because it mimics the God-designed process of human reproduction. Cell groups multiply by birthing new cell groups who multiply by birthing more cell groups. God gives the increase and the church grows. It is an amazing thing to see!

So, why isn’t the most amazing part of the miracle of birth the same in the church world? Why don’t most churches birth cells that, in time, reproduce into daughter churches who share the parent church’s DNA but have their own unique purpose?

What would happen if we all, as church leaders, decided to “be fruitful and multiply” hope producing churches until we filled the Earth? It might take a few generations, but if most churches would have two or three “children” it wouldn’t take long to obey God’s command in the spiritual domain as well as we have in the physical domain!

As founder of the Acts 2 Network I’ve had the privilege of leading in the planting of 78 churches so far. The mother/daughter approach is not the only model we’ve used over the years but it is definitely the healthiest! It does cost something and there is some pain for the mother church. But just as in human reproduction, both are quickly eclipsed by the joy of new life!

In part two of this blog you’ll read the story of one mother church who took the risk, it’s daughter church that was self-sufficient within its first year and the plans to repeat the pattern in the days ahead.

How many babies has your church had?

Jim

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Gerando Bebês, Parte Um

Dr. Jim Wall, www.acts2network.org

Você já refletiu sobre o milagre do nascimento? As células humanas se replicam dentro do útero da mãe até que uma nova vida seja formada. Essa nova vida compartilha o DNA de seus pais, mas é um ser humano único com a sua própria impressão digital, impressão cardaca, escaneamento de retina e propósito de vida. Quando essa nova vida está pronta para sobreviver fora do útero da sua mãe, nós temos o milagre do nascimento! Eu não vou fingir que não há sacrifcio ou dor envolvidos, mas na minha experiência, ambos são rapidamente substitudos pela alegria da nova vida.

Mas a parte mais surpreendente do milagre do nascimento para mim não é o nascimento em si. É o ciclo de gerações. Na maioria dos casos, um novo bebê um dia vai crescer e reproduzir a próxima geração de bebês, que um dia vai crescer e produzir a próxima geração e assim por diante. Eu acho que você vai concordar que um comando de Deus que a humanidade tem feito um trabalho prolfico obedecendo é “Sejam férteis e multipliquem-se! Encham a terra…”(Gênesis 1:28 NVI). Bilhões de bebês nasceram ao longo das gerações em todos os tipos de circunstâncias e ambientes e a Terra está enchendo!

Uma das razões para o modelo da igreja em células ser tão eficaz é porque imita o processo concebido por Deus da reprodução humana. As células se multiplicam dando à luz novas células que se multiplicam dando à luz mais células. Deus dá o crescimento e a igreja cresce. É uma coisa incrvel de ver!

Então, por que a parte mais surpreendente do milagre do nascimento não é a mesma no mundo da igreja? Por que a maioria das igrejas não dão à luz células que, com o tempo, se reproduzem em igrejas filhas que compartilham o DNA da igreja mãe, mas que têm seu próprio propósito?

O que aconteceria se todos nós, como lderes da igreja, decidssemos “ser fecundos e multiplicar” esperança produzindo igrejas até que a Terra fosse cheia? Pode levar algumas gerações, mas se a maioria das igrejas tivesse duas ou três “filhas” não levaria muito tempo para obedecer à ordem de Deus no domnio espiritual, assim como temos obedecido no domnio fsico!

Como fundador do Acts 2 Network eu tive o privilégio de liderar a plantação de 78 igrejas até agora. A abordagem mãe/filha não é o único modelo que usamos ao longo dos anos, mas é definitivamente o mais saudável! Ele exige um sacrifcio e há alguma dor para a igreja mãe. Mas, assim como na reprodução humana, ambos são rapidamente substitudos pela alegria da vida nova!

Na segunda parte deste blog você vai ler a história de uma igreja mãe que assumiu o risco, a igreja filha se tornou autossuficiente dentro de seu primeiro ano e os planos para repetir o padrão nos próximos dias.

Quantos bebês a sua igreja teve?

Jim

Spanish blog:

Dando a luz bebés, primera parte

Dr. Jim Wall, www.acts2network.org

¿Alguna vez ha reflexionado sobre el milagro del nacimiento? Las células humanas se replican dentro del útero de una madre hasta que se forma una nueva vida. Esa nueva vida comparte el ADN de sus padres, pero es un ser humano único, con su propia huella digital, impresión cardiaca, retina y el propósito de ser. Cuando esa nueva vida está lista para sobrevivir fuera del vientre de su madre, ¡vamos a ver el milagro del nacimiento! No pretenderé que no hay ningún costo o dolor envuelto, pero en mi experiencia son rápidamente eclipsados por la alegra de la nueva vida.

Pero la parte más sorprendente del milagro de la vida para m no es el nacimiento en s. Es el ciclo de generaciones. En la mayora de los casos, un nuevo bebé un da crecerá y se reproducirá a una próxima generación de bebés, que un da crecerán y producirán la siguiente generación y as sucesivamente. Creo que usted estará de acuerdo, una orden de Dios a la humanidad ha hecho un trabajo prolfico de obedecer es “Sean fructferos y multiplquense; llenad la tierra … “(Génesis 1:28 NVI). Miles de millones de bebés han nacido a través de generaciones en todo tipo de circunstancias y entornos, y ¡la Tierra se está llenando!

Una de las razones por el cual el modelo de la iglesia celular es tan eficaz es porque imita el proceso diseñado por Dios de la reproducción humana. Los grupos de células se multiplican por dar a luz nuevos grupos de células que se multiplican por dar a luz más grupos de células. Dios da el crecimiento y la iglesia crece. ¡Es una cosa increble para ver!

As que, ¿Por qué no es la parte más sorprendente el milagro del nacimiento de la misma en el mundo de la iglesia? ¿Por qué no la mayora de las iglesias celulares de nacimiento, con el tiempo, se reproducen en iglesias hijas que comparten el ADN de la iglesia matriz, pero que tienen su propio propósito único?

¿Qué pasara si todos nosotros, como lderes de la iglesia, decidimos “ser fructferos y multiplicarse” esperanza para producir iglesias hasta que la tierra se llene? Puede ser que tome un par de generaciones, pero si la mayora de las iglesias tendran dos o tres “niños” no tomara mucho tiempo a obedecer la orden de Dios en el dominio espiritual, as como lo hemos hecho en el dominio fsico.,

Como fundador de la Red de Hechos 2, he tenido el privilegio de dirigir la siembra de 78 iglesias hasta ahora. El enfoque de madre/hija no es el único modelo que hemos utilizado en los últimos años, pero es sin duda el más sano. Cuesta algo y hay algo de dolor para la iglesia madre. Pero, as como en la reproducción humana, ambos están eclipsados rápidamente por la alegra de la nueva vida.

En la segunda parte de este blog vas a leer la historia de una iglesia madre que tomó el riesgo, es la hija de la iglesia que era autosuficiente dentro de su primer año y los planes para repetir el patrón en los próximos das.

¿Cuántos bebés ha tenido su iglesia?

Jim

The High Cost of Doing It All Yourself; Part 2: The Harvest Price

jim

by Dr. Jim Wall, Executive Director, Acts 2 Network, www.acts2network.org

The first six years in the planting of Western Branch Community Church were among the most dynamic and exhilarating years of my ministry life. The seventh year was the hardest. Part 1 of this article recounts the “people price” of trying to do the work of the ministry alone. The highest price was in terms of the harvest.

That year we averaged just over 600 in weekend services. We received 300 new members. You might say that was a great year, but at the end of the year, we were still averaging 600 in weekend services. Somehow we had lost 300 people that year! We didn’t even know who they were nor why they left. They just slipped quietly out the back door. We simply didn’t have a net capable of gathering the harvest that Jesus was sending!

I knew the solution couldn’t be for me to work harder, longer hours. I was already at the edge of burnout. The solution had to come in doing ministry a better way.

What if we actually started believing and applying Ephesians 4:11-12 where Paul instructs the leaders to “equip the saints to do the work of the ministry.” That sounded good, but what would it look like if we actually did that? That’s when we met the writings of Joel Comiskey. The more we read, the more we asked, If we equipped the saints, could we gather an even greater harvest? Could we assimilate more into the body of Christ. Would those baby Christians grow to maturity in Christ? It was a clear to us the answer to all those questions was yes. But before we could begin, I had to ask myself, “What part of the harvest is being lost, because I’m still trying to do it all myself?”

As we began to train, empower and support cell leaders to assimilate the harvest into spiritual families, our back door problem slowed from a torrent to a trickle. I stopped doing all of the water baptisms. When someone came to Jesus, his/her cell leader stood with them in baptism. I stopped teaching all of the discipleship classes. We developed a growth track and trained our cell leaders to use it as spiritual parents would train their spiritual children in the knowledge of the Lord. The church began to grow again. More and more people came to know Jesus.

Last year, after 25 years of serving as Founding Senior Pastor, I stepped down to return to my first love of leading a church planting organization (www.acts2network.org). As you probably know, many churches struggle when the founder leaves. Not so when the saints have been equipped to do the work of the ministry. This year the church has already baptized more new converts than in any year previously. This year the church was included in Outreach Magazine’s “100 Fastest Growing Church in America.” Most of the growth continues to be conversion growth. To God be the Glory. They didn’t miss beat when the founder left, because I wasn’t doing it alone!

Jim

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

O Preço Alto de Fazer Tudo Sozinho; Parte 2: O Preço da Colheita

Dr. Jim Wall, Diretor Executivo, Acts 2 Network, www.acts2network.org

Os primeiros seis anos na implantação da Western Branch Community Church (“Filial Ocidental da Igreja da Comunidade”, tradução livre) estavam entre os anos mais dinâmicos e emocionantes da minha vida ministerial. O sétimo ano foi o mais difcil. A parte 1 deste artigo relata o "preço de pessoas" por tentar fazer a obra do ministério sozinho. O preço mais alto foi em termos da colheita.

Naquele ano, nós calculamos uma média de um pouco mais de 600 pessoas nos cultos de fim de semana. Nós recebemos 300 novos membros. Você poderia dizer que aquele foi um grande ano, mas no final do ano, nós ainda estávamos com uma média de 600 pessoas nos cultos de fim de semana. De alguma forma, nós tnhamos perdido 300 pessoas naquele ano! Nós nem sequer sabamos quem elas eram, nem por que elas nos deixaram. Elas apenas escorregaram discretamente pela porta dos fundos. Nós simplesmente não tnhamos uma rede capaz de reunir a colheita que Jesus estava enviando!

Eu sabia que a solução não podia ser eu trabalhar mais, por mais horas. Eu já estava à beira do esgotamento. A solução tinha que vir de fazer o ministério de uma maneira melhor.

E se nós realmente começássemos a acreditar e aplicar Efésios 4:11-12, onde Paulo instrui os lderes a "aperfeiçoar os santos para a obra do ministério"? Isso soou bem, mas como seria se nós realmente fizéssemos isso? Foi quando nós encontramos os escritos de Joel Comiskey. Quanto mais nós liamos, mais questionávamos: Se nós aperfeiçoássemos os santos, poderamos reunir uma colheita ainda maior? Será que podemos assimilar mais pessoas para dentro do corpo de Cristo? Aqueles cristãos bebês cresceriam até a maturidade em Cristo? Ficou claro para nós que a resposta para todas essas perguntas era sim. Mas antes que nós pudéssemos começar, eu tive que me perguntar: "Qual parte da colheita está sendo perdida porque eu ainda estou tentando fazer tudo sozinho?".

Quando nós começamos a treinar, capacitar e apoiar os lderes de células para assimilarem a colheita em famlias espirituais, nosso problema da porta de trás desacelerou de uma torrente para um gotejamento. Eu parei de fazer todos os batismos na água. Quando alguém vinha a Jesus, seu/sua lder de célula ficava com eles no batismo. Eu parei de ensinar todas as classes de discipulado. Nós desenvolvemos um trilho de crescimento e treinamos os nossos lderes de célula para usar isso como pais espirituais treinando seus filhos espirituais no conhecimento do Senhor. A igreja começou a crescer novamente. Mais e mais pessoas vieram a conhecer Jesus.

No ano passado, após 25 anos servindo como pastor fundador sênior, eu desci para voltar ao meu primeiro amor de liderar uma organização de implantação de igrejas (www.acts2network.org). Como você provavelmente sabe, muitas igrejas lutam quando o fundador as deixa. Não é assim quando os santos foram equipados para fazer o trabalho do ministério. Este ano, a igreja já batizou mais novos convertidos do que em qualquer outro ano anterior. Este ano, a igreja foi includa na lista da Outreach Magazine (“Revista de Alcance”, tradução livre) "100 Igrejas que Crescem Mais Rápido na América". A maior parte do crescimento continua a ser o crescimento por conversões. A Deus seja a glória. Eles não perderam o ritmo quando o fundador saiu, porque eu não estava fazendo tudo sozinho!

Jim

Spanish blog:

El alto costo de hacerlo todo usted mismo; Parte 2: El precio de la cosecha

Por el Dr. Jim Wall, Director Ejecutivo, de la Red de Hechos 2, www.acts2network.org

Los primeros seis años de la plantación de Iglesia Comunitaria Western Branch fueron algunos de los años más dinámicos y emocionantes de mi vida ministerial. El séptimo año fue el más difcil. La parte 1 de este artculo relata el "precio de la gente" de tratar de hacer todo el trabajo del ministerio solo. El precio más alto fue en términos de la cosecha.

Ese año hubo un promedio de poco más de 600 asistencias en los servicios Dominicales. Hemos recibido 300 nuevos miembros. Se podra decir que fue un gran año, pero al final del año, todava tenamos un promedio de 600 asistentes en los servicios dominicales. De alguna manera habamos perdido 300 personas ese año. Ni siquiera sabamos quiénes eran ni por qué se fueron. Ellos simplemente se deslizaron silenciosamente por la puerta trasera. Simplemente no tenamos una capacidad neta de recoger la cosecha que Jesús estaba enviando.

Saba que la solución no poda ser para m el trabajar más duro, o más horas. Yo ya estaba en el borde del agotamiento. La solución tena que venir al hacer el ministerio de una mejor manera.

¿Qué tal si empezamos a creer y aplicar Efesios 4: 11-12?, donde Pablo instruye a los lderes a "Equipa a los santos para hacer la obra del ministerio" Eso sonaba bien, pero ¿Qué aspecto tendra si en realidad lo hiciéramos? Fue entonces cuando nos encontramos con los escritos de Joel Comiskey. Cuanto más leemos, más nos preguntamos: Si equipamos los santos, ¿Podramos reunir una cosecha aún mayor? ¿Podramos asimilar más en el cuerpo de Cristo?  ¿Esos bebés cristianos creceran a la madurez en Cristo? Fue un claro para nosotros que la respuesta a todas esas preguntas fue s. Pero antes de que pudiéramos empezar, tuve que preguntarme a m mismo: "¿Qué parte de la cosecha se está perdiendo, porque todava estoy tratando de hacerlo todo por m mismo?"

Cuando comenzamos a entrenar, capacitar y apoyar a los lderes de células a asimilar la cosecha en familias espirituales, nuestro problema con la puerta trasera se desaceleró de un torrente a un goteo. Dejé de hacer todos los bautismos de agua. Cuando alguien recibió a Jesús, su lder de la célula estuvo con ellos en el bautismo. Dejé de enseñar todas las clases de discipulado. Desarrollamos una senda de crecimiento y capacitamos a nuestros lderes celulares para utilizarlo como padres espirituales los cuales entrenaran a sus hijos espirituales en el conocimiento del Señor. La iglesia comenzó a crecer de nuevo. Más y más personas llegaron a conocer a Jesús.

El año pasado, después de 25 años de servir como fundador Pastor Principal, di un paso hacia abajo para volver a mi primer amor de liderar una organización de la plantación de iglesias  (www.acts2network.org). Como usted probablemente sabe, muchas iglesias tienen dificultades cuando el fundador se va. No es as cuando los santos han sido equipados para hacer el trabajo del ministerio. Este año la iglesia ya ha bautizado más nuevos creyentes que en cualquier año anterior. Este año la iglesia fue incluida en la revista de Alcance "100 de las Iglesias con el más rápido crecimiento en América". La mayor parte del crecimiento sigue siendo el crecimiento de conversión. A Dios sea la gloria. No perdieron el ritmo cuando el fundador se fue, porque yo no lo estaba haciendo todo por m mismo.

Jim